Graças à ajuda dos seus benfeitores, a ACN contribuiu para a formação de 40 padres diocesanos e religiosos na República Centro-Africana. (RCA). O país está sofrendo violência e muitos outros problemas graves. Por isso é importante apoiar os padres, pois são os únicos que podem ajudar o povo a não perder a esperança.

O programa de formação dos padres diocesanos incluiu temas pastorais como a preparação para o matrimônio. Houve, também, a formação apropriada para os Sacramentos – batismo de adultos e o papel dos catequistas nos pequenos e remotos vilarejos. Ao mesmo tempo, os padres refletiram sobre sua própria vocação e a importância do sacerdócio. Receberam treinamento sobre vários assuntos práticos, tais como biblioteconomia, administração geral e arquivo de dados. Todos estes assuntos são essenciais e obrigatórios em cada paróquia, mas muitos padres não são preparados.

Os padres da diocese se beneficiaram muito desses dias de troca e formação. Além disso eles expressam sua gratidão a todos os generosos benfeitores que tornaram possível este encontro.

Tragédia no retorno dos padres diocesanos

Infelizmente, no entanto, logo depois desses ótimos dias, houve um terrível e trágico acidente. O Padre Capuchinho Toussaint Zoumalde foi assassinado na sua volta do encontro.

Ele veio originalmente da Diocese de Bouar, mas estava servindo como Superior Provincial de sua ordem no Chade. Tinha planejado passar a noite em Ngaoundere, nos Camarões, quando foi esfaqueado até a morte por criminosos desconhecidos.

Era um padre muito culto, que estudou em Roma e estava envolvido com o trabalho de formação de padres. Amigos e colegas o descreveram como uma pessoa ótima e de muitos talentos. Uma grande alma e muito apaixonado pela Igreja e pelo sacerdócio em particular. Compositor de músicas e poeta, tinha um jeito extraordinário com os jovens, para os quais pregava o Evangelho. Tinha sido responsável pela estação de rádio católica de Bouar. No Chade, além de suas várias atividades, era o responsável pelo museu cultural do grupo étnico Mboun.

Em seu obituário, os Frades Capuchinhos escreveram: “Ao matá-lo, na noite de 19 de março, a mão covarde de seu assassino nada sabia sobre a beleza e a elegância de Irmão Toussaint, este padre que era tão rico nas delicadas qualidades do Evangelho e da beleza do sacramento da ordem”.

Foi assim que, após o encontro com seus companheiros padres em Bouar, no qual Padre Toussaint deu a seus confrades profundas e inspiradoras reflexões sobre o sacerdócio, seus restos mortais foram levados para seu sepultamento. As palavras que ele disse no encontro dos padres, ficaram, assim, como seu último legado.