Nigéria

LIBERDADE RELIGIOSA NO MUNDO RELATÓRIO 2021

POPULAÇÃO

206.152.701

ÁREA

924.000 km2

PIB PER CAPITA

5.338 US$

ÍNDICE GINI

43

POPULAÇÃO

206.152.701

ÁREA

924.000 km2

PIB PER CAPITA

5.338 US$

ÍNDICE GINI

43

RELIGIÕES

versão para impressão

DISPOSIÇÕES LEGAIS EM RELAÇÃO À LIBERDADE RELIGIOSA E APLICAÇÃO EFETIVA

A Nigéria, o país mais populoso de África com uma população de cerca de 200 milhões de habitantes, é uma república federal com um sistema de governo democrático que garante a liberdade religiosa. Para além dos seus 36 estados, o país tem também um Território da Capital Federal no qual se localiza a capital, Abuja. Nos termos do artigo 15.º da Constituição nigeriana, nenhuma pessoa pode ser discriminada com base na sua filiação religiosa.1 O artigo 10.º estipula que nem a Nigéria como República Federal, nem qualquer dos seus estados individuais, pode adotar uma religião estatal.

Além disso, o artigo 38.º (seção I) da Constituição garante o direito à liberdade de pensamento e religião, incluindo o direito de praticar livremente a sua fé, propagá-la através de instrução religiosa e converter-se a outra fé. O artigo 38.º (seção II) diz que ninguém pode ser obrigado a participar na instrução religiosa contra a sua vontade, se a instrução não estiver de acordo com a fé dessa pessoa. Esta garantia estende-se também às observâncias religiosas.

No esforço de promover a inclusão social, o artigo 15.º (n.º 3, alíneas c e d) da Constituição coloca o Estado na obrigação de fomentar casamentos inter-religiosos e de promover o estabelecimento de associações e grupos para membros de diferentes religiões. O artigo 222.º (alínea e) também proíbe os partidos políticos de se identificarem com qualquer religião ou região em particular.

A Nigéria tem um sistema jurídico misto com quatro fontes distintas: o direito inglês, o direito comum, o direito consuetudinário e, em vários estados, o direito islâmico (sharia)2. Nos termos do artigo 275.º da Constituição, os estados têm o direito de ter um tribunal de recurso da sharia.

Quando 12 estados introduziram oficialmente a lei islâmica há mais de 20 anos, muitos muçulmanos reagiram com entusiasmo, enquanto os cristãos protestaram contra a decisão. Houve motins que ceifaram vários milhares de vidas, tanto entre cristãos como entre muçulmanos.3

Segundo o Padre Atta Barkindo, diretor do conhecido Centro Católico Kukah que promove o diálogo inter-religioso,4 após 20 anos de sharia, a situação no norte da Nigéria, onde a sharia tem sido implementada, piorou.5 A etnia e a religião tornaram-se efetivamente um meio de obter poder, recursos e privilégios. O Padre Barkindo declara: “O que a sharia tem feito é dividir-nos mais neste país. Vai-se às comunidades e as pessoas retiraram-se para o interior das suas religiões”.6 Segundo o Padre Barkindo, é urgente que os nigerianos discutam como o seu país deve realmente ser enquanto estado secular, como pode definir-se a si próprio como país e como é que os cristãos e os muçulmanos podem viver juntos.7

INCIDENTES E EVOLUÇÃO

Com 55,6% dos votos, Mohammadu Buhari, um muçulmano e ex-general do exército, foi reeleito para outro mandato de quatro anos após as eleições presidenciais de 23-24 de fevereiro de 2019.8

O seu Governo confrontou-se com uma variedade de problemas durante o período abrangido por este relatório, incluindo os seguintes: o terror jihadista, a pandemia da COVID-19, a pobreza generalizada, a corrupção onipresente e a brutalidade policial, sobretudo por parte do Esquadrão Especial Antirroubo (SARS), que foi alvo de manifestações públicas em massa em 2020.9

Para além da fome sentida pelos segmentos mais pobres da sociedade e exacerbada pela COVID-19, a população sofreu ataques terroristas cada vez mais brutais, tanto entre a maioria muçulmana do norte do país onde o grupo extremista islâmico militante Boko Haram opera,10 como pelos militantes fulani (pastores) nos estados centrais. Os apelos a um cessar-fogo por parte dos bispos católicos da Nigéria, do Papa Francisco e do Secretário-Geral da ONU António Guterres, durante a pandemia, não foram atendidos.11

Foram relatadas graves violações dos direitos humanos com mulheres e crianças, frequentemente vítimas. Em junho de 2020, o Arcebispo de Abuja, Ignatius Ayau Kaigama, lamentou a crescente violência sexual contra as mulheres na Nigéria.12 O aumento dos casos de violação de mulheres e os ataques do SARS levaram a protestos maciços em algumas regiões do país. Nas redes sociais surgiram apelos a medidas urgentes e exigências de justiça em nome das vítimas sob os hashtags #WeAreTired e #EndSARS.13

Durante o período em análise, a Nigéria continuou a ser um dos piores lugares do mundo para a perseguição de cristãos e muçulmanos por terroristas islâmicos. De acordo com a ONU, estima-se que 36.000 pessoas tenham morrido e dois milhões de pessoas tenham sido deslocadas em consequência de apenas duas décadas de violência do Boko Haram.14 O Comitê Internacional da Cruz Vermelha relatou que metade das cerca de 40.000 pessoas dadas como desaparecidas em África até à data provêm da região nordeste da Nigéria, cenário de ataques e sequestros pelo Boko Haram.15

A violência deste grupo, num esforço para derrubar o Governo e estabelecer um estado islâmico,16 visa o pessoal e instalações governamentais, incluindo militares e policiais, igrejas e escolas (a expressão Boko Haram significa “a educação ocidental é proibida”),17 críticos muçulmanos,18 bem como ataques arbitrários a civis nos mercados das aldeias. Mais recentemente, o grupo tem participado no sequestro de crianças em idade escolar.

Os muçulmanos têm sofrido um grande peso da horrível violência às mãos destes extremistas, não só porque a insurreição ocorre numa parte predominantemente muçulmana do país, mas também devido às influências ideológicas que sustentam a abordagem fundamentalista do Boko Haram ao Islamismo. O analista do Instituto Tony Blair para a Política Extremista, Audu Bulama Bukarti, afirma que “44 dos 46 chamados ‘acadêmicos’ que influenciam o Boko Haram são sauditas. Apenas dois são originários da Nigéria”.19 Estes acadêmicos, segundo Bukarti, seguem “textos anacrônicos, que procuravam eliminar os fracos ou falsos crentes, de acordo com uma leitura extremada do Alcorão desenvolvido durante as invasões mongóis da Mesopotâmia no século XIV”.20

Apesar disto, a partir de 2011 e 2012, os cristãos tornaram-se cada vez mais vítimas de um ataque estratégico e direcionado.21 Em 2019, a Associação Cristã da Nigéria declarou que “a matança generalizada no norte da Nigéria tem visado predominantemente os cristãos, que constituem 95% dos atuais detidos por jihadistas”.22

As preocupações com o impacto de terror do Boko Haram, contudo, foram ofuscadas em 2019 por um recrudescimento da violência por parte dos militantes fulani. O Índice de Terrorismo Global de 201923 indicou que, só em 2018, “os extremistas fulani foram responsáveis pela maioria das mortes relacionadas com o terror na Nigéria (1.158 mortes)”.24 Esta tendência sombria continuou durante todo o período abrangido por este relatório.

A comunidade muçulmana contém dois dos maiores grupos étnicos do país, os hausa e os fulani. Os fulani, cerca de 7 milhões na Nigéria, são um grupo seminômade pastor de gado em vastas regiões dos estados centrais. O antagonismo entre os pastores fulani (principalmente muçulmanos) e os agricultores (principalmente cristãos) é histórico. Como afirma o Consórcio de Investigação e Análise do Terrorismo: “Os pastores e agricultores fulani estão em constante conflito violento pela necessidade crescente dos pastores de acesso a terras de pasto contra a expansão de terras agrícolas pelos agricultores em corredores tradicionalmente utilizados pelos fulani”.25 Estes conflitos tornam-se frequentemente confrontos baseados na vingança. A questão, contudo, “tem sido exacerbada em tempos recentes por fatores externos, tais como as alterações climáticas”.26

A realidade do terror sistemático contra os agricultores, bem como contra a polícia e os militares, com o uso de armas de alto calibre orquestrado por uma pequena minoria de extremistas fulani militantes, é, no entanto, recente. Tal como é recente a natureza islâmica cada vez mais radical dos ataques. Um relatório do British All Party Parliament Group, de junho de 2020, declarou: “Embora não partilhem necessariamente uma visão idêntica, alguns pastores fulani adotaram uma estratégia comparável à do Boko Haram e do Estado Islâmico da Província da África Ocidental (ISWAP) e demonstraram uma clara intenção de atingir cristãos e símbolos de identidade cristã, tais como igrejas”. O relatório também mencionou: “Durante muitos dos ataques, os sobreviventes relatam que os pastores gritaram as expressões ‘Allah u Akbar’, ‘destruam os infiéis’ e ‘exterminem os infiéis'”.27 Mais uma vez, porém, os agricultores muçulmanos não foram poupados. No estado de Zamfara, onde a violência é prevalecente, “tanto os pastores como os agricultores são majoritariamente muçulmanos e majoritariamente fulani”.28

Um estudo sobre a violência militante fulani conduzido pelo investigador e analista independente, Dr. José Luis Bazán, revelou que, entre 2017 e 2020, “mais de 2.539 pessoas foram mortas, 393 feridas, 253 sequestradas, 16 violadas, mais de 7.582 casas incendiadas e 24 igrejas destruídas em 654 ataques realizados ao longo de três anos”.29 O impacto cumulativo no país da ação do Boko Haram, dos fulani, do grupo terrorista Ansaru e do ISWAP, juntamente com grupos criminosos itinerantes, é catastrófico.

Numa carta enviada à Conferência Episcopal Católica da Nigéria no início de julho de 2020, o Cardeal Jean-Claude Hollerich, presidente das Conferências Episcopais da Comunidade Europeia (COMECE), expressou solidariedade para com as comunidades cristãs da Nigéria que “vivem uma situação de ataques contínuos de terroristas, insurgentes e milícias que, em alguns casos, atingem níveis de verdadeira perseguição criminal”.30 Os debates ao nível da comunidade internacional questionam se não se tratará, de fato, de um genocídio.

Existem geralmente três tipos de violência intimamente relacionados que afetam os cristãos em particular: ataques a igrejas, o assassinato de pessoas, e sequestros. A lista de incidentes para cada caso abaixo apresentada é apenas uma seleção representativa, dado o número de ataques e muitas vezes a dificuldade de verificação em ambientes rurais.

Ataques a igrejas

As igrejas e as casas de cristãos na Nigéria são repetidamente visadas pelos grupos militantes.

No dia 3 de julho de 2018, milícias fulani em motocicletas incendiaram 17 casas cristãs, a Igreja Batista e o vicariato, e um hospital do Governo na aldeia de Rahwol-Fwi, no centro da Nigéria.31 A Associação Cristã da Nigéria declarou: “Não há dúvida de que o único objetivo destes ataques é a limpeza étnica, a apropriação da terra e a expulsão forçada dos autóctones cristãos da sua terra e herança ancestral”.32

A 23 de março de 2019, militantes fulani atacaram duas aldeias (Mante e Nida) no estado de Nasarawa, incendiando 28 casas e dois edifícios da Igreja Evangélica Winning All (ECWA), e dois edifícios pertencentes à Igreja Evangélica Reformada de Cristo (ERCC). Centenas de cristãos deslocados procuraram refúgio na cidade de Akwanga.33

Na véspera de Natal de 2019, os jihadistas do Boko Haram atacaram a aldeia cristã de Kwarangulum no estado de Borno, no nordeste do país.34 A igreja da cidade, juntamente com outros edifícios, foi totalmente destruída pelo fogo. Sete pessoas que tentavam fugir foram mortas a tiro.

No dia 27 de janeiro de 2020, 32 pessoas foram mortas e a Igreja de Cristo nas Nações (COCIN) e a casa do pastor foram incendiadas em duas noites de ataques por militantes fulani no estado do Plateau.35 Este ataque surgiu na sequência de um ataque anterior às comunidades cristãs nas aldeias Marish e Ruboi, no qual militantes fulani mataram 17 pessoas, e a um ataque a Kwatas, no qual 15 pessoas foram mortas.36

Na noite de 21 de fevereiro de 2020, membros do Boko Haram invadiram uma povoação predominantemente cristã em Garkida, estado de Adamawa, matando várias pessoas.37 Há relatos de que três igrejas protestantes foram destruídas. De acordo com o Presidente da Igreja Evangélica Winning All (ECWA), Stephen Panya Baba (Jos), os residentes da povoação tinham avisado as forças de segurança de um ataque iminente de islâmicos radicais, mas estas nada fizeram para proteger a cidade.38 Os terroristas destruíram sistematicamente as casas de cristãos.39

No dia 23 de abril de 2020, extremistas fulani mataram duas pessoas, sequestraram outra e incendiaram uma igreja, incluindo a casa do pastor, numa área predominantemente cristã do centro-norte da Nigéria.40

A 15 de setembro de 2020, após dois ataques à igreja paroquial de São Pedro em Makurdi, a 12 de agosto e a 13 de setembro, o bispo local, Wilfred Anagbe, ordenou a interrupção indefinida de todas as atividades pastorais.41

Assassinato de pessoas

Durante o período em análise, vários fiéis cristãos, pastores e sacerdotes católicos foram mortos.

No dia 1º de janeiro de 2018, aproximadamente 50 pessoas foram mortas em ataques coordenados a Tom-Atar e Umenge, aldeias de Akor em Guma, estado de Benue, por milícias fulani. Os ataques, que começaram no final do dia de Ano Novo, deixaram vários feridos, destruíram casas e forçaram milhares de pessoas a fugir.42

A 6 de janeiro de 2018, a Associação Cristã da Nigéria emitiu uma declaração acusando o Governo Federal de cumplicidade nos ataques dos militantes fulani ao proteger os culpados. O presidente da associação, Reverendo Ayokunle Samson, afirmou: “Nós, na Associação Cristã da Nigéria, somos obrigados a fazer este comunicado de imprensa sobre as contínuas atividades desumanas e perversas dos pastores fulani em toda a federação, que vão de comunidade em comunidade matando agricultores inocentes e gozam de impunidade”.43

No dia 7 de janeiro de 2018, militantes fulani atacaram a aldeia de Tombo, estado de Benue, matando 11 pessoas.44

A 25 de janeiro de 2018, militantes fulani mataram cinco pessoas e feriram outras oito num ataque a Bassa, estado do Plateau. Foram também destruídas 20 casas.45

De acordo com um relatório do The Nation de fevereiro de 2018, ocorreu um afluxo de residentes de Tiv no estado de Nasarawa para o estado de Benue na sequência de ataques sustentados por milícias fulani. O governador do estado de Benue, Samuel Ortom, disse que “existem sete campos de deslocados internos com mais de 100.000 pessoas no local”.46

No dia 27 de fevereiro de 2018, 19 agricultores, incluindo católicos e luteranos, foram mortos num ataque das milícias fulani no remoto norte da Nigéria. O exército nigeriano matou vários militantes, mas não antes de ter sido incendiada a aldeia de Gwamba no estado de Adamawa.47

Em março de 2018, foram mortas 27 pessoas na comunidade predominantemente cristã da aldeia de Dong, a norte de Jos, por militantes fulani.48

Em meados de março de 2018, a milícia fulani matou três pessoas, incluindo um catequista, Christopher Umenger, baleado quando ia a caminho da missa matinal, em Guma, estado de Benue.49

Em meados de abril de 2018, pastores fulani, no estado de Benue, mataram 42 pessoas.50

Durante o mesmo período, militantes fulani mataram dois sacerdotes – o Padre Joseph Gor e o Padre Felix Tyolaha –, um catequista e 15 fiéis que assistiam à missa matinal na Igreja Católica de Santo Inácio, Ayar-Mbalom, no estado de Benue. Muitos dos habitantes da aldeia sofreram ferimentos graves durante o ataque e cerca de 50 casas foram queimadas. Na missa em sua memória, o Reverendo Paulinus Ezeokafor, bispo católico da diocese de Awka, condenou os assassinatos declarando: “Esta matança sem sentido dos nigerianos inocentes está tornando-se uma ocorrência diária. Por que não pode o nosso Governo pôr fim a estas matanças aqui e ali? Não será óbvio que algumas pessoas, algures, estão a levar a cabo uma agenda específica? Há mais nisto do que o que se vê”.51

No dia 9 de maio de 2018, militantes fulani mataram nove aldeões e feriram outros três da comunidade Tutuwa, no estado de Taraba, enquanto se dirigiam às orações matinais.52

A 21 de maio de 2018, o arquidiácono de Ekete, Victor Oghotuama, da diocese anglicana de Ughelli, estado do Delta, disse que “a matança incessante de cristãos pelos pastores fulani de todo o país fazia parte da agenda islâmica para a Nigéria que o atual Governo não conseguiu domar”.53

No dia 28 de maio de 2018, militantes fulani atacaram o Seminário Menor do Sagrado Coração, em Jalingo, dispararam para a perna do Padre Cornelius Kobah e espancaram o Padre Stephen Bakari.54

A 23 de junho de 2018, militantes fulani atacaram 10 aldeias na zona de Barkin Ladi, no estado de Plateau, matando 86 agricultores majoritariamente cristãos.55

No dia 30 de junho de 2018, 238 cristãos foram mortos por milícias islâmicas numa série de ataques no estado de Plateau.56

A 3 de julho de 2018, a Câmara dos Representantes da Nigéria declarou os ataques sustentados dos “pastores” fulani no estado de Plateau como “genocídio”.57

Em setembro de 2018, extremistas islâmicos atacaram casas cristãs e assassinaram 11 pessoas na cidade de Jos, estado de Plateau.58

No dia 19 de setembro de 2018, o Padre Louis Odudu morreu num hospital em Warri, estado do Delta, quatro dias depois de ter escapado aos seus sequestradores.59

A 18 de outubro de 2018, muçulmanos não identificados mataram “dezenas de cristãos” num mercado e incendiaram uma igreja no estado de Kaduna, no centro-norte da Nigéria.60

No dia 2 de janeiro de 2019, militantes fulani mataram pelo menos 14 pessoas que regressavam das Igrejas, e queimaram várias casas em ataques em Barkin Ladi, estado de Plateau.61

A 20 de fevereiro de 2019, centenas de mulheres cristãs marcharam nas ruas das cidades de Jagindi e Godogodo para protestar contra a morte de 12 cristãos numa festa de casamento num subúrbio de Jagindi, a 16 de dezembro de 2018.62

No dia 1º de março de 2019, militantes fulani incendiaram vários edifícios, incluindo casas e igrejas, matando mais de 30 cristãos num ataque de madrugada perto da cidade de Maro, estado de Kaduna.63

A 13 de março de 2019, o governador do estado de Kaduna, Nasir El-Rufai, impôs um recolher obrigatório ao amanhecer em Kajuru, após os assassinatos de mais de 120 pessoas por militantes fulani desde fevereiro no estado. Os ataques desalojaram milhares e incluíram a destruição de mais de 140 casas.64

Em meados de março de 2019, numa conferência da Ajuda à Igreja que Sofre, o Padre Joseph Bature Fidelis da diocese de Maiduguri, no nordeste da Nigéria, declarou: “A Nigéria tem hoje os mais altos níveis de atividade terrorista islâmica do mundo”.65

No dia 20 de março de 2019, o corpo do sacerdote católico Padre Clement Rapuluchukwu Ugwu da Igreja de St. Mark foi encontrado em Obinofia Ndiuno, na área do governo local de Ezeagu, estado de Enugu. O sacerdote tinha sido sequestrado a 13 de março.66 O Bispo Callistus Onaga de Enugu expressou a sua frustração pela incapacidade da polícia de libertar o Padre Ugwu. Apesar das garantias da polícia de que estavam no encalço do sequestrador, os criminosos continuaram a retirar dinheiro da conta do sacerdote utilizando o seu cartão bancário.67

Em meados de abril de 2019, 17 pessoas foram mortas na sequência de um ataque de milícias fulani durante uma cerimônia de batismo na aldeia Kochum-Numa, na área do concelho de Akwanga.68

No início de maio de 2019, pelo menos seis pessoas foram mortas por militantes fulani em quatro aldeias de Andawama.69

A 20 de maio de 2019, aproximadamente 20 pessoas foram mortas por militantes fulani numa comunidade agrária em Uzo-Uwani, estado de Enugu.70

No dia 1º de junho de 2019, numa missa fúnebre, o Padre Cyriacus Kamai criticou a morte de 51 habitantes de Kona e a deslocação de 8.494 pessoas durante o mês de maio de 11 aldeias, na sequência de ataques de militantes fulani.71

A 17 de junho de 2019, militantes fulani mataram quatro cristãos no estado de Kaduna e nove outros cristãos no estado vizinho de Plateau.72

Em julho de 2019, o Fórum de Líderes da Cintura Central e do Sul declarou que os militantes fulani estavam “deliberadamente a cometer genocídio contra o povo nigeriano enquanto se disfarçavam de criadores de gado”. O Fórum declarou que, de acordo com compilações de fontes internacionais, “cerca de 30.000 nigerianos foram mortos nos últimos quatro anos por pastores/milicianos fulani”.73

Nos dias 14 e 15 de julho de 2019, militantes fulani atacaram e mataram três cristãos e incendiaram 75 casas e dois edifícios de igrejas nas comunidades cristãs de Ancha, Tafigana, Kperie, Hukke e Rikwechongu.74 O aldeão Zongo Lawrence declarou: “Temos sofrido ataques diários por estes pastores fulani nas nossas comunidades, especialmente aos domingos durante as horas de culto ou às quintas-feiras, quando se realizam atividades religiosas”.75

Em julho de 2019, um clérigo muçulmano de 83 anos, o Imã Abubakar Abdullahi, foi homenageado com o Prêmio Internacional da Liberdade Religiosa de 2019 por ter escondido 262 cristãos em fuga de terroristas na sua casa e mesquita. O Embaixador da Liberdade Religiosa dos EUA, Sam Brownback, declarou: “O imã deu refúgio aos seus vizinhos cristãos, abrigando 262 cristãos na sua mesquita e na sua casa… depois ficou do lado de fora das portas confrontando os terroristas muçulmanos, suplicando-lhes que poupassem as vidas dos cristãos lá dentro, oferecendo-se mesmo para trocar a sua própria vida pela deles”.76

No dia 1º de agosto de 2019, o Padre Paul Offu da comunidade católica em Ugbawka, estado de Enugu, foi detido e alvejado por militantes Fulani.77 Num protesto público, os sacerdotes da diocese de Enugu apelaram a maior segurança por parte das instituições estatais. A diocese católica de Enugu emitiu uma declaração na sua página de Facebook onde descreveu a dramática situação de uma região “marcada por massacres, sequestros, violações, incêndios e devastação”, e também questionou as responsabilidades das autoridades políticas.78

A 29 de agosto de 2019, o Padre David Tanko foi assassinado a caminho de Takum, estado de Taraba, onde ia participar numa reunião de mediação do fim dos conflitos entre as comunidades Tiv e Jukun. Os agressores, de uma milícia Tiv, queimaram o corpo do sacerdote e incendiaram o seu carro.79

No dia 25 de dezembro de 2019, o Estado Islâmico da Província da África Ocidental (ISWAP) matou a tiro e decapitou 11 cristãos. Isto seguiu-se a um ataque do Boko Haram na véspera de Natal que fez pelo menos 11 mortos e incendiou uma igreja.80

A 26 de dezembro de 2019, um vídeo de propaganda de 56 segundos produzido pela “agência noticiosa” Amaq do Daesh exibiu a execução dos 11 cristãos nigerianos pelo ISWAPadre81 O grupo extremista declarou que as mortes deveriam “vingar a morte do seu líder Abu Bakr al-Baghdadi durante uma rusga na Síria em outubro”.82
Na sequência da publicação do vídeo, numa entrevista com a instituição de caridade católica Ajuda à Igreja que Sofre, o Bispo católico Matthew Hassan Kukah da diocese de Sokoto declarou que, embora os muçulmanos fossem também vítimas da violência, os ataques sistemáticos contra os cristãos nigerianos pelos militantes fulani constituíam um genocídio.83

No dia 26 de dezembro de 2019, o Humanitarian Aid Relief Trust (HART) do Reino Unido divulgou um relatório de 2019 que indicava que “mais de 1.000 cristãos foram mortos na Nigéria por militantes fulani e do Boko Haram desde janeiro”.84

No início de janeiro de 2020, o Boko Haram sequestrou o pastor protestante e líder regional da Associação Cristã da Nigéria, Lawan Andimi, tendo-o decapitado a 20 de janeiro porque se recusou a renunciar à sua fé cristã.85

A 20 de janeiro de 2020, o Padre Augustine Avertse da Igreja Católica de Santo agostinho na área do governo local de Keana, estado de Nasarawa, foi assassinado.86 Durante a manhã, militantes nômades fulani atacaram a comunidade de Abebe, disparando as suas armas. O Padre Augustine Avertse, o seu pai, Akaa’am Avertse, e duas outras pessoas foram mortos no tiroteio. Um sobrevivente ferido no ataque salientou que este não tinha sido provocado, uma vez que nunca houve quaisquer disputas entre os membros da comunidade e os fulani que viviam na zona.87

No dia 1º de março de 2020, centenas de manifestantes, liderados por bispos católicos, reuniram-se na capital Abuja para um protesto pacífico contra a violência generalizada e a perseguição dos cristãos no país.88 O presidente da Conferência Episcopal Católica da Nigéria, Arcebispo Augustine Akubueze, da cidade de Benin, declarou: “Protestamos contra as mortes brutais de nigerianos inocentes pelo Boko Haram e por grupos de pastores armados que invadem violentamente as terras das populações agrícolas”.89 O Arcebispo Akubueze acrescentou: “O assassinato dos filhos de Deus é maldade, a incapacidade de proteger pessoas inocentes de ataques incessantes é maldade, não perseguir terroristas é maldade, a resposta do nosso Governo ao ataque terrorista é, para usar um eufemismo, muito abaixo da média”.90

A 16 de março de 2020, a Sociedade Internacional para as Liberdades Civis e o Estado de Direito (Intersociety) divulgou um relatório que indica que pelo menos 70 sacerdotes, seminaristas e religiosos católicos foram sequestrados ou assassinados na Nigéria desde junho de 2015.91 “As estatísticas disponíveis mostram que entre 11.500 e 12.000 cristãos morreram desde junho de 2015, quando o atual Governo da Nigéria tomou o poder”.92 Segundo o estudo, os militantes jihadistas fulani foram responsáveis por 7.400 mortes de cristãos, o Boko Haram por 4.000 e “bandidos” por mais 150-200.93 O relatório observa que a maioria das vítimas de ataques pelo Boko Haram/ISWAP no nordeste da Nigéria eram cristãos.94

No dia 5 de abril de 2020, pastores fulani mataram mais de 60 cristãos, incluindo pelo menos 13 cristãos no estado de Plateau num mês.95

A 12 de abril de 2020, militantes fulani mataram 12 cristãos e sequestraram um casal da sua cerimônia de casamento na igreja do noroeste da Nigéria.96

Entre os dias 23 e 25 de abril de 2020, militantes fulani mataram 13 cristãos e sequestraram outros 13 em cinco aldeias no estado de Kaduna.97

A 3 de maio de 2020, militantes fulani mataram a tiro três membros da Igreja Evangélica Winning All (ECWA) e um membro da Igreja Batista, Emmanuel Kure.98

No dia 22 de julho de 2020, membros do ISWAP publicaram um vídeo no YouTube que mostrava a execução de cinco trabalhadores de desenvolvimento cristãos. No vídeo, que entretanto foi retirado da plataforma, um dos terroristas declarou que as execuções foram realizadas como retaliação por esforços de conversão dos muçulmanos ao Cristianismo. A execução era “uma mensagem a todos aqueles que estão a ser utilizados pelos infiéis para converter muçulmanos ao Cristianismo”.99

A 5 de agosto de 2020, atiradores não identificados mataram pelo menos quatro cristãos na igreja local da aldeia de Azikoro, no estado de Bayelsa.100

A 24 de setembro de 2020, a milícia fulani matou cinco homens, membros da Igreja de Cristo nas Nações (COCIN) ou de igrejas católicas na cidade de K-Vom do condado de Jos South, distrito de Vwang.101

Nos dias 28 e 29 de novembro de 2020, militantes fulani atacaram comunidades predominantemente cristãs no estado de Kaduna, matando sete cristãos, dois dias depois de militantes fulani terem matado o pastor nigeriano da Convenção Batista, Reverendo 102Johnson Oladimeji, quando este regressava de Ikere-Ekiti.

A 13 de dezembro de 2020, um relatório especial publicado pela Sociedade Internacional para as Liberdades Civis e o Estado de Direito concluiu que, de janeiro de 2020 a 13 de dezembro de 2020, cerca de 2.200 cristãos foram mortos em toda a Nigéria. “Os pastores fulani jihadistas foram responsáveis por 1.300 mortes cristãs, seguidos pelo Boko Haram e pelos seus grupos separatistas (ISWAP e Ansaru) com 500 mortes cristãs. O exército nigeriano também matou 200 judeu-cristãos em 2020, enquanto ‘bandidos’ jihadistas foram responsáveis por 100 mortes cristãs”.103

Nas últimas duas semanas de dezembro de 2020, cerca de 200 cristãos foram mortos. Estes incluíam cinco cristãos sequestrados na véspera de Natal de Garkida (Adamawa) por jihadistas do ISWAP e decapitados a 29 de dezembro.104 “Das cerca de 200 mortes cristãs, o Boko Haram/ISWAP foi responsável por cerca de 130, enquanto os pastores jihadistas fulani e os bandidos fulani assumiram a responsabilidade pelas restantes 70 mortes cristãs”.105

Sequestros

Repetidamente, foram perpetrados ataques violentos e sequestros, como instrumento de terror, contra fiéis cristãos, pastores, sacerdotes católicos e membros de ordens religiosas. Uma seleção representativa inclui o que se segue.

A 19 de fevereiro de 2018, o Boko Haram sequestrou 110 alunas de Dapchi. O Governo garantiu a libertação da maioria, apenas Leah Sharibu permaneceu em cativeiro por se recusar a renunciar à sua fé cristã.106

No dia 1º de março de 2018, o Estado Islâmico da Província da África Ocidental (ISWAP) sequestrou trabalhadores de ajuda humanitária que trabalhavam no estado de Borno para a UNICEF. Os trabalhadores foram capturados, mortos ou libertados, mas Alice Ngaddeh, uma enfermeira da UNICEF, continua a ser uma “escrava”.107

A 29 de março de 2018, o Pastor Pius Eromosele da Missão da Igreja de Deus na comunidade de Odighi, estado de Edo, foi sequestrado por militantes fulani. Os sequestradores exigiram um resgate de 4 milhões de nairas nigerianas. A 3 de abril, o corpo em decomposição do Pastor Pius Eromosele foi encontrado.108

No dia 1º de setembro de 2018, o Padre Christopher Ogaga da Igreja Católica Emmanuel em Oviri-Okpe, estado do Delta, foi sequestrado enquanto viajava de Okpe para Warri.109

A 25 de outubro de 2018, cinco membros da Ordem Missionária de Marta e Maria da diocese de Issele-Uku foram sequestrados no estado do Delta.110

A 6 de novembro de 2018, quatro sacerdotes foram sequestrados por homens armados perto de Abraka, estado do Delta, quando iam a caminho de uma reunião em Uhielle, no vizinho estado de Edo.111

No dia 25 de março de 2019, o Padre John Bako Shekwolo foi sequestrado de sua casa em Ankuwai, estado de Kaduna. Algumas fontes acreditam que foi assassinado,112 enquanto outras pensam que ainda é mantido em cativeiro.113

A 16 de junho de 2019, o Padre Isaac Agubi foi sequestrado no caminho de Auchi para Igarra, quando regressava a casa após celebrar a missa.

Em 2019, o estado de Enugu, no sul da Nigéria, também relatou sequestros de sacerdotes católicos. Um total de nove sacerdotes foram sequestrados entre janeiro de 2019 e finais de novembro de 2019, incluindo o Padre Arinze Madu, sequestrado a 28 de outubro de 2019 e libertado a 30 de outubro. A 25 de novembro de 2019, o Padre Malachy Asadu foi sequestrado da diocese de Nsukka. Foi também libertado dois dias mais tarde.

A 8 de janeiro de 2020, homens armados sequestraram quatro seminaristas do Seminário maior Good Shepherd em Kakau. Os sequestradores acabaram por libertar três seminaristas, mas mataram Michael Nnadi, de 18 anos, depois de este se recusar a renunciar à sua fé.114

A 18 de janeiro de 2020, no estado de Borno, no nordeste da Nigéria, foram libertados cinco trabalhadores humanitários sequestrados pelo ISWAP em 2016 enquanto visitavam campos de deslocados para fornecer artigos médicos e alimentos.115

No dia 1º de março de 2020, o Padre David Echioda foi sequestrado por homens armados quando regressava da missa dominical em Utonkon (Ado), estado de Benue.116

A 20 de abril de 2020, os sequestradores do Reverendo Anthony Oyi, padre anglicano em Issele-Mkpetime, em Aniocha, estado do Delta, exigiram a soma de 15 milhões de nairas nigerianas para a sua libertação.117

No dia 22 de abril de 2020, militantes fulani sequestraram Emmanuel Iliya Agiya, um ancião e tesoureiro da Igreja Evangélica Winning All (ECWA) na aldeia de Atang, no condado de Jema’a.118

Em julho de 2020, o Padre Amadasun Idahosa da Catedral da Santa Cruz, cidade de Benin, foi detido por homens armados na estrada. Para além dele, os bandidos sequestraram várias outras pessoas que ficaram retidas até que famílias ou amigos pagassem o resgate.119

No dia 11 de setembro de 2020, quatro agricultores cristãos foram sequestrados. No dia seguinte, mais 17 cristãos foram sequestrados. Todos eram membros de igrejas batistas ou de Assembleias de Deus.120

O Padre Jude Onyebadi, um sacerdote católico do estado do Delta, e outros três foram sequestrados de sua casa a 26 de setembro de 2020.121 Os companheiros do clérigo foram libertados várias horas depois. O Padre Onyebadi, por outro lado, só foi libertado três dias mais tarde. O porta-voz não pôde confirmar se tinha sido pago um resgate pela sua libertação. Acredita-se que os sequestradores tenham sido militantes fulani muçulmanos. (O Padre Onyebadi já tinha sido sequestrado em 2016 e libertado alguns dias mais tarde).122

A Conferência Episcopal Católica da Nigéria proibiu o pagamento de qualquer resgate pela libertação de sacerdotes e membros de ordens religiosas. No entanto, muitas vezes, os paroquianos angariam o seu próprio dinheiro para recuperarem os seus sacerdotes.123

Grupos cristãos pagaram pela libertação de prisioneiros. Segundo John Hayab, pastor batista e vice-presidente da Associação Cristã da Nigéria para 19 estados do norte da Nigéria, no período de 12 meses (2019-2020), “foram pagos 1,1 milhões de dólares de resgate pelos cristãos para garantir a libertação dos cativos”.124

No dia 11 de dezembro de 2020, um grande grupo de combatentes do Boko Haram atacou um internato em Katsina, no centro norte da Nigéria. Sequestraram 344 estudantes do sexo masculino e reivindicaram a responsabilidade pelo ataque citando a oposição do Boko Haram à educação ao estilo ocidental.125A 18 de dezembro, os militares nigerianos libertaram os 344 estudantes sequestrados. O governador do estado de Katsina, Aminu Masarithe, alegou que nenhum resgate tinha sido pago.126

A 15 de dezembro de 2020, o Bispo Valentine Oluchukwu Ezeagu foi sequestrado no estado de Imo, quando viajava para o funeral do seu pai no vizinho estado de Anambra. Foi “libertado incondicionalmente” no dia seguinte.127

No dia 19 de dezembro de 2020, militantes sequestraram o Reverendo Luka Dani da Igreja Evangélica Winning All na aldeia de Galumi. Foi libertado a 23 de dezembro.128

A 21 de dezembro de 2020, o Reverendo Thomas James da Igreja Batista Godiya, localizada em Gwazunu, foi sequestrado por militantes fulani.129

No dia 24 de dezembro de 2020, militantes atacaram e espancaram o Reverendo Luka Shaho da Igreja das Assembleias de Deus em Ungwan Waziri. Os terroristas sequestraram depois a mulher do pastor, a Sra. Jumai Luka. O seu paradeiro ainda é desconhecido.130

Nas últimas duas semanas de dezembro de 2020, incluindo a véspera de Natal, 40 cristãos foram sequestrados pelo Boko Haram e em ataques do ISWAP à autoestrada Damaturu-Maiduguri.131 Os militantes extremistas pararam veículos e “separaram à força cristãos de muçulmanos, sequestrando mais de 35” e matando “outros cinco que tentaram fugir no local”.132 Nas semanas que antecederam o Natal, o Boko Haram/ISWAP anunciou planos de ataques violentos contra cristãos como “castigo por assinalarem a ‘festa não divina do Natal'”.133

Após o surto da pandemia da COVID-19, o Governo impôs rigorosas medidas de isolamento social, incluindo a proibição de eventos e serviços religiosos, especialmente em regiões duramente atingidas. Tanto muçulmanos como líderes religiosos cristãos queixaram-se das restrições, questionando a razão pela qual o Governo fecharia igrejas, ao mesmo tempo que permitia que os mercados cheios permanecessem abertos.134

PERSPECTIVAS PARA A LIBERDADE RELIGIOSA

Em 2020, 60 anos após o país ter conquistado a sua independência, o direito à liberdade religiosa na Nigéria diminuiu drasticamente.

Os desafios sociais fundamentais permanecem: a pobreza generalizada, a corrupção, a falta de segurança e uma população jovem sem direitos, bem como os conflitos étnicos e baseados em recursos, fornecem combustível para o aumento dos militantes islâmicos extremistas tanto nos estados do norte como no centro do país. A resolução não desejada ou ineficaz desses desafios por parte das autoridades resulta em incidentes brutais de terror e assassinato sem restrições.

Muitas vezes, os mais duramente atingidos são os cristãos (particularmente por terroristas jihadistas), o que é evidenciado por uma lista interminável de sequestros e assassinatos de líderes e fiéis da Igreja. Mas os muçulmanos, particularmente no norte majoritariamente muçulmano, foram também fortemente vitimizados, traumatizados pela violência persistente de extremistas islâmicos armados e pela falta de segurança.

No período em análise, os bispos católicos da Nigéria chamaram repetidamente a atenção para o sofrimento da população e para a ineficácia da resposta de segurança, exigindo ao Governo que abordasse as questões fundamentais, apelando mesmo ao Presidente Buhari para que se demitisse devido ao seu flagrante fracasso em resolver a situação.135 O Bispo Matthew Kukah de Sokoto fez um apelo particularmente vigoroso ao Presidente Mohammadu Buhari por ocasião do 60.º aniversário da independência da Nigéria, no dia 1º de outubro de 2020.136 Na sua mensagem, o prelado apelou a uma mudança radical na política, a fim de pôr rapidamente termo à violência, acabar com o nepotismo que favorece certas elites muçulmanas e pôr fim ao assassinato de agricultores cristãos, principalmente por extremistas muçulmanos fulani.

Enquanto as elites políticas da Nigéria não forem verdadeiramente guiadas por um desejo de promover o bem comum, em vez de perseguirem interesses de ordem política, étnica ou religiosa, não se pode esperar uma melhoria substancial do direito humano à liberdade religiosa.137

NOTAS

1 Nigeria 1999 (rev. 2011), Constitute Project, https://constituteproject.org/constitution/Nigeria_2011?lang=en (acesso em 10 de outubro de 2020).
2 Ngozi Efobi e Rachel Ehima, “Legal systems in Nigeria: overview”, Thompson Reuters Practical Law (desde 1 de novembro de 2019), https://uk.practicallaw.thomsonreuters.com/w-018-0292?transitionType=Default&contextData=(sc.Default)&firstPage=true (acesso em 14 de dezembro de 2020).
3 Katrin Gänsler, “Nigeria looks back on 20 years of Sharia law in the north”, Deutsche Welle, 27 de outubro de 2019, https://www.dw.com/en/nigeria-looks-back-on-20-years-of-sharia-law-in-the-north/a-51010292 (acesso em 14 de dezembro de 2020).
4 The Kukah Centre, https://www.facebook.com/thekukahcentre/photos/the-director-of-the-kukah-centre-fr-atta-barkindo-participated-in-the-2019-fundi/3069789209759376/ (acesso em 14 de dezembro de 2020).
5 Katrin Gänsler, op. cit.
6 Ibid.
7 Ibid.
8 Nurudeen Lawal, “7 facts and figures about how Nigerians voted in 2019 presidential election”, Legit, fevereiro de 2019, https://www.legit.ng/1224683-7-facts-figures-nigerians-voted-2019-presidential-election.html (acesso em 14 de dezembro de 2020).
9 “Zahlreiche Tote bei #EndSARS-Protesten”, Frankfurter Allgemeine Zeitung (FAZ), 24 de outubro, https://www.faz.net/aktuell/politik/ausland/nigerias-praesident-zahlreiche-tote-bei-endsars-protesten-17017591.html (acesso em 24 de outubro de 2020).
10 “Nigeria: Afrikanische Bischöfe klagen an: Kein Waffenstillstand in Sicht”, Vatican News, 26 de junho de 2020, https://www.vaticannews.va/de/welt/news/2020-06/kirche-afrika-covid-waffenstillstand.html (acesso em 11 de outubro de 2020).
11 Ibid.
12 “‘Rape is repulsive, reprehensible and dehumanizing’ says Mgr. Kaigama in the face of the increase in sexual crimes’”, Agenzia Fides, 24 de junho de 2020, http://www.fides.org/en/news/68202-AFRICA_NIGERIA_Rape_is_repulsive_reprehensible_and_dehumanizing_says_Mgr_Kaigama_in_the_face_of_the_increase_in_sexual_crimes (acesso em 11 de outubro de 2020).
13 Ibid. e “Zahlreiche Tote bei #EndSARS-Protesten”, op. cit.
14 “Boko Haram kill villagers in Christmas Eve attack”, BBC News, 25 de dezembro de 2020; https://www.bbc.com/news/world-africa-55448105 (acesso em 8 de janeiro de 2021).
15 “Nuntius in Nigeria: Gewalt ist nicht nur religiös motiviert”, Vatican News, 29 de agosto de 2020, https://www.vaticannews.va/de/welt/news/2020-08/nuntius-in-nigeria-gewalt-ist-nicht-nur-religioes-motiviert.html (acesso em 14 de outubro de 2020).
16 “Who are Nigeria’s Boko Haram Islamist group?”, BBC, 24 de novembro de 2016; https://www.bbc.com/news/world-africa-13809501 (acesso em on 26 de janeiro de 2021).
17 Ibid.
18 “Beyond Terror: Addressing the Boko Haram challenge in Nigeria”, Kate Meagher, novembro de 2014, Policy Brief, Norwegian Peacebuilding Resource Centre, https://reliefweb.int/sites/reliefweb.int/files/resources/Beyond%20terror.pdf (acesso em 8 de janeiro de 2021).
19 “Why are Muslims killing Muslims in Nigeria?”, Jenny Taylor, 24 de novembro de 2020; https://mercatornet.com/why-are-muslims-killing-muslims-in-nigeria/68452 (acesso em 15 de janeiro de 2021).
20 Ibid.
21 “Boko Haram: The Development of a Militant Religious Movement in Nigeria”, Roman Loimeier, Africa Spectrum 47, 2-3/2012; https://journals.sub.uni-hamburg.de/giga/afsp/article/viewFile/555/555-580-1-PB.pdf (acesso em 8 de janeiro de 2021).
22 “11 Nigerian Christians Executed in ISIS Christmas Video”, Jayson Casper, Christianity Today, 28 de dezembro de 2019; https://www.christianitytoday.com/news/2019/december/isis-nigeria-executes-christians-iswap-christmas-boko-haram.html (acesso em 8 de janeiro de 2021).
23 The Global Terrorist Index 2019, Institute for Economics and Peace; https://reliefweb.int/sites/reliefweb.int/files/resources/GTI-2019web.pdf (acesso em 12 de janeiro de 2021).
24 FULANI MILITIAS’ TERROR: COMPILATION OF NEWS (2017-2020), José Luis Bazán, 16 de maio de 2020, disponível em Academia.edu (acesso em 14 de janeiro de 2021).
25 “Nigeria Fulani militants: Who are the Muslim herdsmen linked to Boko Haram?”, Ludovica Laccino, International Business Times, 30 de março de 2016; https://www.ibtimes.co.uk/nigeria-fulani-militants-who-are-muslim-herdsmen-linked-boko-haram-1552202 (acesso em 14 de janeiro de 2021).
26 Ibid.
27 “Hearing on Conflict and Killings in Nigeria’s Middle Belt”, Nina Shea, Hudson Institute, 19 de dezembro de 2020; https://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:o-jbwo7-Z5QJ:https://www.hudson.org/research/16578-hearing-on-conflict-and-killings-in-nigeria-s-middle-belt+&cd=5&hl=en&ct=clnk&gl=de (acesso em 14 de janeiro de 2021).
28 “Conflict in Nigeria Is More Complicated Than “Christians vs. Muslims”, John Campbell, Council on Foreign Relations, 1 de maio de 2019; https://www.cfr.org/blog/conflict-nigeria-more-complicated-christians-vs-muslims (acesso em 14 de janeiro de 2021).
29 “Nigeria: In Three Years, Fulani Militias Killed 2,539 People in 654 Attacks, Report Claims”, This Day, 3 de agosto de 2020; https://allafrica.com/stories/202008030680.html (acesso em 14 de janeiro de 2021).
30 “The President of COMECE expresses solidarity to the Christian communities in Nigeria”, COMECE, 2 de julho de 2020; http://www.comece.eu/the-president-of-comece-expresses-solidarity-to-the-christian-communities-in-nigeria (acesso em 14 de dezembro de 2020).
31 “Christianity CRACKDOWN: Church attacked by mob in Nigeria ‘GENOCIDE’ crisis”, Laura Mowat, 3 de julho de 2018; https://www.express.co.uk/news/world/983152/christian-news-world-nigeria-church-attack-christianity-persecution (acesso em 14 de janeiro de 2021).
32 Ibid.
33 “Christian Woman Raped, Killed as Herdsmen Attack Two Villages in Nigeria”, Morning Star News, 28 de março de 2019; https://morningstarnews.org/2019/03/christian-woman-raped-killed-as-herdsmen-attack-two-villages-in-nigeria/ (acesso em 12 de janeiro de 2021).
34 “Nigeria: Boko Haram schlägt wieder zu”, Vatican News, 26 de dezembro de 2019, https://www.vaticannews.va/de/welt/news/2019-12/nigeria-boko-haram-kwarangulum-borno-chibok-angriff.html (acesso em 15 de outubro de 2020).
35 “Violence in Plateau State, Nigeria Escalates with more Muslim Fulani Herdsmen Attacks”, Morning Star News, 30 de janeiro de 2020; https://morningstarnews.org/2020/01/violence-in-plateau-state-nigeria-escalates-with-more-muslim-fulani-herdsmen-attacks/ (acesso em 14 de janeiro de 2021).
36 Ibid.
37 “Boko Haram überfällt Siedlung und tötet Bewohner”, idea, Ev. Nachrichtenagentur, 27 de fevereiro de 2020, https://www.ideaschweiz.ch/menschenrechte/detail/nigeria-boko-haram-ueberfaellt-siedlung-und-toetet-bewohner-112065.html (acesso em 15 de outubro de 2020).
38 Ibid.
39 Ibid.
40 “Two Slain, Church Building Burned in Muslim Fulani Herdsmen Attacks in Nigeria”, Morning Star News, 28 de abril de 2020, https://morningstarnews.org/2020/04/two-slain-church-building-burned-in-muslim-fulani-herdsmen-attacks-in-nigeria/ (acesso em 15 de outubro de 2020).
41 “The continuous desecrations force the closure of a church”, Agenzia Fides, 24 de setembro de 2020; http://www.fides.org/en/news/68694-AFRICA_NIGERIA_The_continuous_desecrations_force_the_closure_of_a_church (acesso em 14 de outubro de 2020).
42 “’I couldn’t sleep last night’ – Chief press Secretary to Governor Ortom cries over massacre of men, women and children by Fulani herdsmen”, Linda Ikeji, 3 de janeiro de 2018; Fotos: “’I couldn’t sleep last night’, Chief press Secretary to Governor Ortom cries over massacre of men, women and children by Fulani herdsmen”, lindaikejisblog.com (acesso em 12 de janeiro de 2021).
43 “FG Is Protecting Killer Fulani Herdsmen – CAN”, Dapo Falade, 6 de janeiro de 2018, https://tribuneonlineng.com/fg-protecting-killer-fulani-herdsmen-can/ (acesso em 14 de janeiro de 2021).
44 “Fulani Herdsmen Strike In Benue Again, Kill 11”, Nigerian Tribune, 7 de janeiro de 2018, https://tribuneonlineng.com/fulani-herdsmen-strike-benue-kill-11/ (acesso em 14 de janeiro de 2021).
45 “Fulani herdsmen kill 5, injure 8 in Bassa LG”, Pulse, 27 de janeiro de 2018, https://www.pulse.ng/news/local/plateau-attack-fulani-herdsmen-kill-5-injure-8-in-bassa-lg/wwm7wn3 (acesso em 14 de janeiro de 2021).
46 “Tiv People In Nasarawa Flee For Their Lives To Benue As Fulani Herdsmen Stage Attack”, Information Nigeria, 8 de fevereiro de 2018, https://www.informationng.com/2018/02/tiv-people-in-nasarawa-flee-for-their-lives-to-benue-as-fulani-herdsmen-stage-attack.html (acesso em 14 de janeiro de 2021).
47 “Christian farmers among 19 dead in latest terror attack in Nigeria”, La Croix International, 8 de março de 2018, https://international.la-croix.com/news/world/christian-farmers-among-19-dead-in-latest-terror-attack-in-nigeria/7105 (acesso em 14 de janeiro de 2021).
48 “Three Christians Killed in Ambush Attacks near Jos, Nigeria”, Morning Star News, 6 de maio de 2019, https://www.christianheadlines.com/blog/three-christians-killed-in-ambush-attacks-near-jos-nigeria.html (acesso em 14 de janeiro de 2021).
49 “Fulani Herdsmen Kill Three Persons In Benue”, Tor Vande-Acka, Independent, 14 de março de 2018, https://www.independent.ng/fulani-herdsmen-kill-three-persons-in-benue/ (acesso em 14 de janeiro de 2021).
50 “42 Persons Killed In Benue, 16 In Renewed Nasarawa Communal Clash”, Independent, 25 de abril de 2020, https://www.independent.ng/42-persons-killed-in-benue-16-in-renewed-nasarawa-communal-clash/ (acesso em 14 de janeiro de 2021).
51 “Bishop Condemns Fulani Herdsmen’s Killing of Two Catholic Priests, 15 Others In Benue”, Raymond Ozoji, Independent, 26 de abril de 2018, https://www.independent.ng/bishop-condemns-fulani-herdsmens-killing-of-two-catholic-priests-15-others-in-benue/ (acesso em 14 de janeiro de 2021).
52 “Fulani Herdsmen Attack Villagers Going For Early Morning Prayers In Taraba Community”, Naijaloaded, 9 de maio de 2019, https://www.naijaloaded.com.ng/news/fulani-herdsmen-attack-villagers-going-for-early-morning-prayers-in-taraba-community-graphic-photos (acesso em 14 de janeiro de 2021).
53 “Killings By Fulani Herders, Part Of Islamic Agenda – Anglican Cleric”, Okorohohi Michael, Independent, https://www.independent.ng/killings-by-fulani-herders-part-of-islamic-agenda-anglican-cleric/ (acesso em 14 de janeiro de 2021).
54 “Fulani Herdsmen Attack Catholic Seminary In Jalingo”, Innocent Anoruo, Independent, 28 de maio de 2018, https://www.independent.ng/fulani-herdsmen-attack-catholic-seminary-in-jalingo/ (acesso em 14 de janeiro de 2021).
55 “Nigeria: Scores killed, homes burned in Plateau State attacks”, Stephanie Busari, CNN, 25 de junho de 2018, https://edition.cnn.com/2018/06/25/africa/nigeria-attacks-intl/index.html (acesso em 14 de janeiro de 2021).
56 “Christianity CRACKDOWN: Crisis in Nigeria as THOUSANDS killed in ‘pure GENOCIDE'”, Joey Millar, 30 de junho de 2018, https://www.express.co.uk/news/world/981611/christian-persecution-christianity-nigeria (acesso em 14 de janeiro de 2021).
57 “Will President Buhari Continue To Rule Nigeria Despite Failing To Address Havoc In The Middle Belt?”, Ewelina Ochab, 11 de fevereiro de 2019, “https://www.forbes.com/sites/ewelinaochab/2019/02/11/will-buhari-rule-despite-failing-to-address-havoc-in-the-middle-belt/ (acesso em 14 de janeiro de 2021).
58 “Muslims Brutally Slaughter Over 30 Christians in Church Attack in Nigeria, Set Fire to Homes and Churches” Pamela Geller, Geller Report, 1 de março de 2019, https://gellerreport.com/2019/03/muslim-attack-on-christians.html (acesso em 8 de janeiro de 2021).
59 “A Nigerian Catholic priest died four days after he escaped from his abductors’ den”, Agenzia Fides, 24 de setembro de 2018, http://www.fides.org/en/news/64808-AFRICA_NIGERIA_A_Nigerian_Catholic_priest_died_four_days_after_he_escaped_from_his_abductors_den (acesso em 15 de outubro de 2020).
60 “Dozens of Christians Killed in Muslim Attack on Market in Kaduna State, Nigeria”, Christian Persecution News, 22 de outubro de 2019, https://christianpersecutionnews.com/nigeria-dozens-of-christians-killed-in-muslim-attack-on-market-in-kaduna-state-nigeria/ (acesso em 14 de janeiro de 2021).
61 “Herders Murder 14, Raze Houses In Plateau”, New Telegraph Newspaper, 2 de janeiro de 2019, http://saharareporters.com/2019/01/02/herders-murder-14-raze-houses-plateau (acesso em 14 de janeiro de 2021).
62 “Killing of Christians Continues in Run-up to National Elections in Nigeria”, Morning Star News, 25 de fevereiro de 2019, https://morningstarnews.org/2019/02/killing-of-christians-continues-in-run-up-to-national-elections-in-nigeria/ (acesso em 14 de janeiro de 2021).
63 “Muslims Brutally Slaughter Over 30 Christians in Church Attack in Nigeria, Set Fire to Homes and Churches”, op.cit.
64 “120 people killed, 140 homes destroyed by Nigeria Fulani since de fevereiro de”, The Christian Post, 15 de março de 2019, https://www.christianpost.com/news/120-people-killed-140-homes-destroyed-by-nigeria-fulani-since-february.html (acesso em 14 de janeiro de 2021).
65 Ibid.
66 “Enough with kidnappings and murders of priests and religious in Nigeria”, Agenzia Fides, 3 de abril de 2019, http://www.fides.org/en/news/65832-AFRICA_NIGERIA_Enough_with_kidnappings_and_murders_of_priests_and_religious_in_Nigeria
67 “This year alone 9 priests kidnapped in the State of Enugu”, Agenzia Fides, 28 de novembro de 2019, http://www.fides.org/en/news/67032-AFRICA_NIGERIA_This_year_alone_9_priests_kidnapped_in_the_State_of_Enugu (acesso em 15 de outubro de 2020).
68 “Tears as Nasarawa Bury 16 Persons Killed by Herdsmen”, This Day, 18 de abril de 2019, https://www.thisdaylive.com/index.php/2019/04/18/tears-as-nasarawa-bury-16-persons-killed-by-herdsmen/ (acesso em 14 de janeiro de 2021).
69 “Fulani herdsmen kill six in Adamawa”, Punch, 4 de maio de 2019, https://punchng.com/fulani-herdsmen-kill-six-in-adamawa/ (acesso em 14 de janeiro de 2021).
70 “20 Killed As Fulani Herdsmen Invade Ukpabi Nimbo Community, In Enugu”, Naijaloaded, 20 de maio de 2019, https://www.naijaloaded.com.ng/news/20-killed-as-fulani-herdsmen-invade-ukpabi-nimbo-community-in-enugu (acesso em 14 de janeiro de 2021).
71 “We lost 51 people to Kona/Fulani crisis – Fr. Kamai”, Punch, 1 de junho de 2019, https://punchng.com/we-lost-51-people-to-kona-fulani-crisis-fr-kamai/ (acesso em 14 de janeiro de 2021).
72 “Three Children among 13 Christians Killed in Attacks in Two States in Nigeria”, Morning Star News, 20 de junho de 2019, https://morningstarnews.org/2019/06/three-children-among-13-christians-killed-in-attacks-in-two-states-in-nigeria/ (acesso em 14 de janeiro de 2021).
73 “Southern Middle Belt Forum accuses Fulani Herdsmen of committing Genocide against Nigerians”, The Daily Times, 26 de julho de 2019, https://dailytimes.ng/southern-middle-belt-forum-accuses-fulani-herdsmen-of-committing-genocide-against-nigerians/ (acesso em 14 de janeiro de 2021).
74 “Pregnant Mother among Five Christians Slain in North-Central Nigeria”, Morning Star News, 22 de julho de 2019, https://morningstarnews.org/2019/07/pregnant-mother-among-five-christians-slain-in-north-central-nigeria/ (acesso em 14 de janeiro de 2021).
75 Ibid.
76 “Muslim cleric who hid Christians during attacks honored in the US”, Bukola Adebayo, CNN, 18 de julho de 2019, https://edition.cnn.com/2019/07/18/africa/nigeria-cleric-honored-intl/index.html (acesso em 14 de janeiro de 2021).
77 “A liturgy to invoke ‘peace and security’ in Enugu after the murder of Fr. Paul Offu”, Agenzia Fides, 5 de agosto de 2019, http://www.fides.org/en/news/66462-AFRICA_NIGERIA_A_liturgy_to_invoke_peace_and_security_in_Enugu_after_the_murder_of_Fr_Paul_Offu (acesso em 15 de outubro de 2020).
78 Ibid.
79 “A priest killed while going to mediate in the conflict between two rival populations”, Agenzia Fides, 30 de agosto de 2019, http://www.fides.org/en/news/66542-AFRICA_NIGERIA_A_priest_killed_while_going_to_mediate_in_the_conflict_between_two_rival_populations (acesso em 8 de janeiro de 2021).
80 “Boko Haram kill villagers in Christmas Eve attack”, BBC, 25 de dezembro de 2020, https://www.bbc.com/news/world-africa-55448105 (acesso em 15 de janeiro de 2021).
81 “11 Nigerian Christians Executed in ISIS Christmas Video”, Jayson Casper, Christianity Today, 28 de dezembro de 2019, https://www.christianitytoday.com/news/2019/december/isis-nigeria-executes-christians-iswap-christmas-boko-haram.html (acesso em 8 de janeiro de 2021).
82 “Islamic State in Nigeria ‘beheads Christian hostages’”, BBC News, 27 de dezembro de 2019, https://www.bbc.com/news/world-africa-50924266 (acesso em 8 de janeiro de 2021).
83 “NIGERIA: Bishop Kukah – ‘Genocide is happening in Nigeria’”, Ajuda à Igreja que Sofre, 6 de agosto de 2020, https://acnuk.org/news/nigeria-bishop-kukah-genocide-is-happening-in-nigeria/ (acesso em 14 de janeiro de 2021).
84 “Attacks on Christians in Nigeria increased during 2019”, Ann Marie Foley, Catholic Ireland, 26 de dezembro de 2019, https://www.catholicireland.net/attacks-christians-nigeria-increased-2019 (acesso em 14 de janeiro de 2021).
85 “Boko Haram überfällt Siedlung und tötet Bewohner”, op. cit.
86 “The head of a Catholic community in central Nigeria has been killed”, in Agenzia Fides, 22 de janeiro de 2020, http://www.fides.org/en/news/67280-AFRICA_NIGERIA_The_head_of_a_Catholic_community_in_central_Nigeria_has_been_killed (acesso em 15 de outubro de 2020).
87 Ibid.
88 “NIGERIA: Bishops Lead Protest Against Persecution of Christians”, Catholic Information Service for Africa, 3 de março de 2020, http://cisanewsafrica.com/nigeria-bishops-lead-protest-against-persecution-of-christians/ (acesso em 14 de janeiro de 2021).
89 Ibid.
90 Ibid.
91 “Fulani Jihadists On Killing Spree”, International Society for Civil Liberties and the Rule of Law, 4 de abril de 2020, https://csmnigeria.org/blog/487-fulani-jihadists-on-killing-spree (acesso em 14 de janeiro de 2021).
92 Ibid.
93 Ibid.
94 Ibid.
95 “Fulani Herdsmen in Nigeria Kill More than 60 Christians in Five Weeks, Sources say”, Morning Star News, 5 de abril de 2020, https://morningstarnews.org/2020/04/fulani-herdsmen-in-nigeria-kill-more-than-60-christians-in-five-weeks-sources-say/ (acesso em 14 de janeiro de 2021).
96 “Couple Abducted from Wedding in Attacks in Northwest Nigeria that Kill 12 Christians”, Morning Star News, 12 de abril de 2020, https://morningstarnews.org/2020/04/couple-abducted-from-wedding-in-attacks-in-northwest-nigeria-that-kill-12-christians/ (acesso em 14 de janeiro de 2021).
97 “More than two dozen Christians killed in Nigeria”, Diana Chandler, Baptist Press, 6 de maio de 2020, https://www.baptiststandard.com/news/world/more-than-two-dozen-christians-killed-in-nigeria/ (acesso em 14 de janeiro de 2021).
98 “Four Christians Killed, Head of High School and Family Shot in North-Central Nigeria”, Morning Star News, 7 de maio de 2020, https://morningstarnews.org/2020/05/four-christians-killed-head-of-high-school-and-family-shot-in-north-central-nigeria/ (acesso em 14 de janeiro de 2021).
99 “‘Beyond reprehensible’: Christian aid workers executed in Nigeria”, Catholic News Agency, 28 de julho de 2020, https://www.catholicnewsagency.com/news/islamic-extremists-execute-christian-aid-workers-in-nigeria-13045 (acesso em 15 de outubro de 2020).
100 “Gunmen Killed Four Christians in Bayelsa State, Nigeria”, International Christian Concern, 11 de agosto de 2020, https://www.persecution.org/2020/08/11/gunmen-killed-four-christians-bayelsa-state-nigeria/#:~:text=08/11/2020%20Nigeria%20(International%20Christian%20Concern)%20%E2%80%93%20Unidentified%20gunmen,were%20in%20the%20local%20church%20of%20Azikoro%20village. (acesso em 14 de janeiro de 2021).
101 “Children Killed, Christian Leaders Kidnapped in Nigeria”, Morning Star News, 2 de outubro de 2020, https://morningstarnews.org/2020/10/children-killed-christian-leaders-kidnapped-in-nigeria/ (acesso em 14 de janeiro de 2021).
102 “Christians Killed in Central and Southwestern Nigeria”, Morning Star News, 29 de novembro de 2020, https://morningstarnews.org/2020/11/christians-killed-in-central-and-southwestern-nigeria/ (acesso em 14 de janeiro de 2021).
103 “Year 2020 Ended In Nigeria With 2,400 Christians Hacked To Death By Jihadists”, Intersociety, The Nigerian Voice, 4 de janeiro de 2021, https://www.thenigerianvoice.com/news/295194/year-2020-ended-in-nigeria-with-2400-christians-hacked-to-d.html (acesso em 14 de janeiro de 2021).
104 “Year 2020 Ended In Nigeria With 2,400 Christians Hacked To Death By Jihadists”, op. cit.
105 Ibid.
106 “Nigeria’s Government Agrees: Islamist Terrorists Target Christians”, Jayson Casper, Christianity Today, 2 de março de 2020, https://www.christianitytoday.com/news/2020/march/nigeria-boko-haram-iswap-target-christians-government-agree.html (acesso em 8 de janeiro de 2021).
107 Ibid.
108 “Decomposing body of Pastor discovered in bush five days after he was kidnapped by suspected Fulani herdsmen in Edo”, Linda Ikeji, 10 de março de 2018, https://www.lindaikejisblog.com/2018/4/decomposing-body-of-pastor-discovered-in-bush-five-days-after-he-was-kidnapped-by-suspected-fulani-herdsmen-in-edo.html (acesso em 14 de janeiro de 2021).
109 “Nigerian priest kidnapped on de setembro de 1 has been released”, Agenzia Fides, 6 de setembro de 2018, http://www.fides.org/en/news/64713-AFRICA_NIGERIA_Nigerian_priest_kidnapped_on_de setembro de_1_has_been_released (acesso em 16 de outubro de 2020).
110 “Five nuns kidnapped in south-eastern Nigeria, another two injured”, Agenzia Fides, 30 de outubro de 2018, http://www.fides.org/en/news/65004-AFRICA_NIGERIA_Five_nuns_kidnapped_in_south_eastern_Nigeria_another_two_injured (acesso em 16 de outubro de 2020).
111 “The four priests kidnapped in southern Nigeria have been released thanks to the police force”, Agenzia Fides, 12 de novembro de 2018, http://www.fides.org/en/news/65068-AFRICA_NIGERIA_The_four_priests_kidnapped_in_southern_Nigeria_have_been_released_thanks_to_the_police_force (acesso em 16 de outubro de 2020).
112 “‘Enough with kidnappings and murders of priests and religious in Nigeria’”, Agenzia Fides, 3 de abril de 2019, http://www.fides.org/en/news/65832-AFRICA_NIGERIA_Enough_with_kidnappings_and_murders_of_priests_and_religious_in_Nigeria (acesso em 15 de outubro de 2020).
113 “Fr. John Bako Shekwolo kidnapped, parish priest of Saint Teresa of Ankuwa, in the State of Kaduna”, Agenzia Fides, 27 de março de 2019, http://www.fides.org/en/news/65791-AFRICA_NIGERIA_Fr_John_Bako_Shekwolo_kidnapped_parish_priest_of_Saint_Teresa_of_Ankuwa_
114 “There is still no news of 4 seminarians kidnapped in Kaduna”, Agenzia Fides, 13 de janeiro de 2020, http://www.fides.org/en/news/67227-AFRICA_NIGERIA_There_is_still_no_news_of_4_seminarians_kidnapped_in_Kaduna (acesso em 14 de outubro de 2020).
115 “Two Young Christian Women Killed in Kaduna State, Nigeria”, Morning Star News, 20 de janeiro de 2020, https://morningstarnews.org/2020/01/two-young-christian-women-killed-in-kaduna-state-nigeria/ (acesso em 8 de janeiro de 2021).
116 “Catholic priest kidnapped on Sunday 1 de março de released”, Agenzia Fides, 5 de março de 2020, http://www.fides.org/en/news/67510-AFRICA_NIGERIA_Catholic_priest_kidnapped_on_Sunday_1_de março de_released (acesso em 15 de outubro de 2020).
117 “Suspected Fulani Kidnappers Of Anglican Priest In Delta Demand N15m”, Felix Igbekoyi, The Independent, 20 de abril de 2020, https://www.independent.ng/kidnappers-of-anglican-priest-in-delta-demand-n15m-ransom/ (acesso em 14 de janeiro de 2021).
118 “Couple Abducted from Wedding in Attacks in Northwest Nigeria that Kill 12 Christians”, Morning Star News, 12 de abril de 2020, https://morningstarnews.org/2020/04/couple-abducted-from-wedding-in-attacks-in-northwest-nigeria-that-kill-12-christians/ (acesso em 14 de janeiro de 2021).
119 “The faithful pray for the prompt release of Fr. Amadasun Idahosa, victim of kidnapping for extortion”, Agenzia Fides, 15 de julho de 2020, http://www.fides.org/en/news/68358-AFRICA_NIGERIA_The_faithful_pray_for_the_prompt_release_of_Fr_Amadasun_Idahosa_victim_of_kidnapping_for_extortion (acesso em 15 de outubro de 2020).
120 “Children Killed, Christian Leaders Kidnapped in Nigeria”, Christian News, 5 de outubro de 2020, https://christiannews.net/2020/10/05/children-killed-christian-leaders-kidnapped-in-nigeria/
121 “A priest kidnapped and then released”, Agenzia Fides, 30 de setembro de 2020, http://www.fides.org/en/news/68734-AFRICA_NIGERIA_A_priest_kidnapped_and_then_released (acesso em 14 de outubro de 2020).
122 Ibid.
123 Ibid.
124 “Nigeria’s Government Agrees: Islamist Terrorists Target Christians”, Jayson Casper, Christianity Today, 2 de março de 2020, https://www.christianitytoday.com/news/2020/march/nigeria-boko-haram-iswap-target-christians-government-agree.html (acesso em 8 de janeiro de 2021).
125 “Nigeria’s Katsina school abduction: Boko Haram says it took the students”, BBC News, 15 de dezembro de 2020, https://www.bbc.com/news/world-africa-55295701 (acesso em 16 de dezembro de 2020).
126 “Nigerian Military frees over 300 students abducted by Boko Haram”, ANI News, 18 de dezembro de 2020, https://www.aninews.in/news/world/others/nigerian-military-frees-over-300-students-abducted-by-boko-haram20201218130924/ (acesso em 8 de janeiro de 2021).
127 “Nigerian Bishop Kidnapped, Catholics Pray for His Safety”, National Catholic Register, 29 de dezembro de 2020, https://www.ncregister.com/cna/nigerian-bishop-kidnapped-catholics-pray-for-his-safety (acesso em 8 de janeiro de 2021).
128 “Fulani Muslim Militants in Nigeria Kill 18 People, Attack Christian Pastor and Kidnap His Wife”, World News Broadcast, 11 de janeiro de 2021, https://worldnewsbroadcast.com/fulani-muslim-militants-in-nigeria-kill-18-people-attack-christian-pastor-and-kidnap-his-wife/ (acesso em 14 de janeiro de 2021).
129 Ibid.
130 Ibid.
131 “Year 2020 Ended In Nigeria With 2,400 Christians Hacked To Death By Jihadists”, op. cit.
132 Ibid.
133 Ibid.
134 “Nigerian religious leaders demand lifting of COVID-19 lockdown”, Cristina Krippahl, 19 de maio de 2020, Deutsche Welle, https://www.dw.com/en/nigerian-religious-leaders-demand-lifting-of-covid-19-lockdown/a-53499533 (acesso em 8 de janeiro de 2021).
135 “Nigeria: ‘Ein Land der Vernichtungslager und Massenfriedhöfe’”, Vatican News, 4 de julho de 2018, https://www.vaticannews.va/de/welt/news/2018-07/ein-land-der-vernichtungslager-und-massenfriedhoefe.html (acesso em 18 de outubro de 2020).
136 “Nigeria at 60. A Call to Hope, Independence Message by Bishop Matthew Hassan Kukah, Catholic Bishop, Diocese of Sokoto, 1 de outubro de 2020”, https://catholicdiocese-sokoto.org/latest-news (acesso em 19 de novembro de 2020).
137 “Ein ‘todkrankes Land’”, Die Tagespost, 15 de outubro de 2020, pág. 7.

LISTA DE
PAÍSES

Clique em qualquer país do mapa
para ver seu relatório ou utilize o menu acima.

Religious Freedom Report [MAP] ( 2021 ) Placeholder
Religious Freedom Report [MAP] ( 2021 )
Perseguição religiosa Discriminação religiosa Sem registros
Perseguição religiosa
Discriminação religiosa
Sem registros

Calem-se as armas!

Quanto rezamos ao longo destes anos pela paz no Iraque! (…) E Deus escuta; escuta sempre! Cabe a nós ouvi-Lo, andar nos seus caminhos. Calem-se as armas! Limite-se a sua difusão, aqui e em toda a parte! (…) Chega de violências, extremismos, facções, intolerâncias!

Papa Francisco

Palácio Presidencial em Bagdá. Sexta-feira, 5 de março de 2021. Discurso do Santo Padre às autoridades, à sociedade civil e ao corpo diplomático do Iraque.

SOBRE A ACN

ACN (Ajuda à Igreja que Sofre no Brasil) é uma organização católica fundada em 1947 pelo Padre Werenfried van Straaten para ajudar os refugiados de guerra. Desde 2011 reconhecida como fundação pontifícia, a ACN dedica-se a ajudar os cristãos no mundo inteiro – através da informação, oração e ação – especialmente onde estes são perseguidos ou sofrem necessidades materiais. A ACN auxilia todos os anos uma média de 5.000 projetos em 130 países graças às doações de benfeitores, dado que a fundação não recebe financiamento público.

Conheça a ACN