A Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre (ACN) aprovou mais uma série projetos para os próximos meses que dão continuidade ao auxílio às famílias mais carentes nas diversas cidades da Síria. Um foco especial desta ajuda é Alepo, que está atualmente na linha de frente da batalha entre exército do governo e grupos rebeldes, que ainda controlam o fornecimento de água e eletricidade da cidade. Ao mesmo tempo a ACN prometeu renovar o apoio às famílias dos refugiados internos da Síria, em cidades como Damasco e Tartus.

O número de cristãos na zona de conflito caiu ainda mais nos últimos meses, ao passo que o número de famílias que precisam de ajuda para sua sobrevivência básica tem crescido muito rapidamente. A maior parte do apoio prometido é para a continuação dos programas de ajuda de emergência já estabelecidos, com a diferença de que o número de pessoas que necessitam de suporte aumentou bastante, resultado do agravamento da situação em quase todas as partes do país.

Apoio da ACN

A ACN continuará sua ajuda para 2.817 famílias em Alepo e Al Hassakeh, onde há mais de cinco anos as pessoas têm enfrentado todo tipo de dificuldade, sofrimento e medo. Os voluntários que organizam a ajuda que chega às famílias nos escreveram dizendo:

“Por causa da sua ajuda somos capazes de ficar ao lado do nosso povo e de ajudá-los, fazendo com que seu fardo fique mais leve. Continuamos a trabalhar em conjunto e, com o seu apoio, estamos tentando manter um número cada vez maior de famílias, tanto quanto possível, naquilo que elas necessitem para viver com dignidade. Precisamos apoiá-las no seu cotidiano, especialmente as que têm filhos e idosos, porque são os mais vulneráveis. A vida tornou-se muito pesada e árdua. Nossas famílias lutam entre o medo e a ansiedade sobre o futuro. A pergunta que elas se fazem a todo tempo é se vão conseguir permanecer ali, e qual será o futuro.”

O fornecimento de leite e fraldas para cerca de 650 crianças de até dois anos em Tartus e em outros locais da diocese de Latakia faz parte do auxílio prometido para os próximos meses. Graças à generosidade dos benfeitores, tal ação foi capaz de ajudar cerca de 200 bebês no início deste ano. Juntamente com o pedido de ajuda adicional, a ACN recebeu uma mensagem do responsável pelo projeto local, descrevendo como “os pais estão encantados por sentir que não estão abandonados por Deus.” E ainda: “Vocês têm sido a imagem visível do Deus invisível. O auxílio de vocês alivia e impulsiona as famílias em crise, que se não tivessem sua ajuda poderiam sentir que ter um bebê é um fardo, quando na verdade é pura felicidade.”

Eles ainda precisam de você

De acordo com a FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura), três a cada quatro sírios estão vivendo em extrema pobreza atualmente, incapazes de manter as necessidades mais básicas e alimentos para a sobrevivência. Nos últimos 18 meses, o custo do combustível mais do que duplicou. A farinha de trigo aumentou de preço em cerca de 300% e o arroz em cerca de 650% em comparação com os preços anteriores a guerra.

A ACN quer ampliar a ajuda às famílias deslocadas de Alepo, Hama e Idlib, cuja maioria foi realocada em Tartus e Latakia e agora precisam de auxílio para pagarem o aluguel. Até alguns meses atrás, havia ali 100 famílias que recebiam apoio, mas os violentos confrontos em Alepo e em outras partes do país resultaram no aumento das famílias deslocadas para 450, todas elas em grande necessidade. Além disso, 507 famílias que fugiram de Damasco também esperam por ajuda para com moradia, tratamento médico, roupas, educação e alimentação.

Estes são apenas alguns exemplos de ajuda de emergência que a ACN tem dado e que pretende continuar dando, para auxiliar o povo e a Igreja local na Síria. Ao todo, a ACN se empenha para arrecadar mais de 4,5 milhões de reais, a fim de aliviar os sofrimentos do povo sírio ao longo dos próximos meses.