versão para impressão

Nossa Senhora e os Santos

15 de outubro de 2020

Outubro é o mês do Rosário de Nossa Senhora e novembro o mês de todos os Santos e das santas almas (finados). Juntos, estes dois meses nos lembram mais uma vez da nossa vocação à santidade.

O Rosário é uma escola de oração. De acordo com São João Paulo II, a contemplação dos mistérios de Cristo no Rosário é uma verdadeira “pedagogia da santidade”. Sem oração não pode haver santidade. Por isso Maria e todos os santos (cuja festa celebramos em 1º de novembro), nos acompanham em nosso caminho pela vida. Todos eles desejam uma coisa, e apenas uma coisa, para nós: que um dia possamos estar unidos a eles no céu.

Também os falecidos que, para chegar à santidade ainda precisam passar como que pelo “fogo da purificação”, e que recordamos especialmente no dia 2 de novembro, precisam da nossa oração e de nossa firme determinação pela santidade, para que eles, por sua vez, intercedam por nós a partir do Céu. O escritor católico francês Léon Bloy disse uma vez: “Só existe uma coisa verdadeiramente triste no mundo: não ser santo.” E Madre Teresa de Calcutá respondeu de modo semelhante a um jornalista: “Santidade não é um luxo para poucos, mas um dever para cada um de nós”.

Deus vem a nós em seu Filho; então podemos simplesmente dizer: Jesus é nossa santidade! Portanto, ser santo significa acolher Jesus, acreditar em Jesus, adorá-lo, amá-lo, confiar nEle. Significa deixar Jesus viver, reinar, trabalhar e amar em mim.

Nossa Senhora é a mais santa de todas as criaturas

Podemos aprender o que é santidade com a Virgem de Nazaré que, em todas as situações, repetia: “Fiat voluntas Tua”. Cumprir a vontade do Pai em todas as coisas, sejam grandes ou pequenas. É por isso que São Maximiliano Kolbe ensinava esta fórmula de santidade: “V” maiúsculo = “v” minúsculo. E acrescentava: “Quando a nossa vontade estiver conforme a Vontade de Deus, então seremos santos”. Santa Faustina experimentou isso, quando, passeando, rezava o terço até chegar ao cemitério. Lá ela rezou pelos falecidos e depois perguntou-lhes interiormente: “Tenho certeza de que vocês estão felizes, não estão?” Ao que ela, interiormente, ouviu: “Estamos felizes por termos feito a vontade de Deus.”

Caros amigos, vamos usar esse tempo propício, outubro e novembro, para “endireitar” nossas vidas, como escreveu São Josemaria Escrivá: “Cada dia um pouquinho. Esta é uma tarefa sem fim quando se deseja realmente ser santo”. Nisso somos ajudados pelo Céu inteiro e, sobretudo, por Nossa Senhora, a mais santa de todas as criaturas.

Pe. Martin M. Barta
Assistente Eclesiástico Internacional

Leave A Comment