versão para impressão

“Graças ao Papa Francisco, as pessoas estão interessadas no cristianismo”

12 de novembro de 2014

“A Igreja Católica na Tunísia pode fazer seu trabalho sem problemas políticos, graças a Deus. As autoridades sabem que não temos nada a esconder e que as nossas instituições de caridade estão aqui para servir o povo”, comenta padre Sérgio Perez durante conversa com a Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre (AIS).

O argentino, que pertence à ordem religiosa “Instituto do Verbo Encarnado”, tem trabalhado como pároco da Catedral de Tunes, capital do país, nos últimos quatro anos. “A Igreja Católica é a única comunidade religiosa no país que tem um acordo com o Estado, celebrado entre a Santa Sé e o Estado da Tunísia em 1960. Isso nos dá a segurança jurídica, mas também traz restrições. De acordo com este modus vivendi, não estamos autorizados a fazer manifestações públicas de fé católica, como as procissões ou similares. No seu conjunto, este acordo proíbe qualquer forma de proselitismo”, explica.

Padre Sérgio considera a nova Constituição do país, que foi aprovada em janeiro deste ano, um progresso. “Ela não só garante a liberdade de culto, mas também dá verdadeira liberdade de consciência. Isso inclui conversões religiosas, como as do islamismo para o cristianismo. Isso seria inconcebível em muitos países islâmicos”, afirma. “É claro que a teoria é uma coisa e a prática é outra; mas isso ainda é muito novo na política. Teremos de ver como as coisas se desenvolvem”. Há já algum tempo no país, padre Sérgio foi percebendo um crescente interesse pelo cristianismo na Tunísia. “Graças a Papa Francisco, mais e mais pessoas estão se interessando, especialmente aqueles que seguem o Islã de forma mais cultural do que por razões religiosas. Isto também acontece atualmente na Argélia e em outros países”.

O religioso tem visto um grande número de tunisianos que se juntaram a grupos jihadistas. “No entanto, nós, cristãos, não sentimos quaisquer ameaças dos jihadistas ainda”. O jihadismo vem do exterior e, na verdade, não tem raízes na Tunísia, enfatiza padre Sérgio. Segundo ele, a composição da comunidade cristã do país, que é quase exclusivamente de estrangeiros, mudou muito nos últimos anos. “Isso tem algo a ver com o fato de que centenas de famílias cristãs da África Subsaariana chegaram ao país por meio do Banco Africano de Desenvolvimento, que se estabeleceu temporariamente na Tunísia, depois de serem forçados a deixar a Costa do Marfim, em 2003, por razões de segurança. O Banco já voltou para a Costa do Marfim levando seus empregados cristãos com ele. Nossas paróquias sentiram isso profundamente. No entanto, ainda temos muitos estudantes cristãos da África Subsaariana aqui, a quem oferecemos atendimento pastoral”.

A Igreja Católica é a maior igreja individual na Tunísia. Em Tunes, a Igreja é representada por um arcebispo. Várias ordens religiosas ajudam a promover a missão de caridade da igreja e manter escolas, moradia estudantil e instalações médicas. Há também congregações protestantes menores, bem como as comunidades ortodoxas. Em 2012, o número de cristãos foi estimado em 25 mil, cerca de 20 mil destes são católicos. Porém, não há números oficiais.

A Ajuda à Igreja que Sofre tem, há anos, apoiado a igreja na Tunísia em sua missão. Este ano, por meio da ajuda da AIS, a ordem “Servas do Senhor e da Virgem de Matará” conseguiu a compra de um carro novo.

Leave A Comment