versão para impressão

Ex-relator da ONU fala sobre Relatório da ACN

8 de abril de 2021

“O Relatório de Liberdade Religiosa em todo o mundo é importante para nos lembrar das atrocidades que acontecem em muitas partes do nosso globo. Afinal é de particular importância para aqueles que sofrem tais violações.” Esta é a opinião expressa pelo Professor Heiner Bielefeldt, o ex-Relator Especial da ONU sobre Liberdade de Religião ou Crença, em referência ao último Relatório de Liberdade Religiosa no Mundo publicado pela ACN.

A ACN apresenta este documento sob o título “Relatório de Liberdade Religiosa no Mundo – Edição 2021” no dia 20 de abril em Roma e em outros países como o Brasil. O professor Heiner Bielefeldt é um dos autores deste relatório, que analisa a situação da liberdade religiosa em todos os 196 países do mundo e cobre todas as religiões e sistemas de crenças. Ao todo, mais de 30 especialistas e jornalistas internacionais contribuíram para este relatório.

Ex-relator tem uma história ligada aos Direitos Humanos

Teólogo, filósofo e historiador, o Professor Heiner Bielefeldt foi Relator Especial sobre Liberdade Religiosa ou Crença no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas (UNHRC) de 2010 a 2016. Atualmente, ele ocupa a cadeira de Direitos Humanos e Política de Direitos Humanos na Universidade de Erlangen, na Alemanha.

O professor Bielefeldt, ex-Relator Especial da ONU,  observou que são, acima de tudo, as minorias religiosas e étnicas, que sofrem os abusos contra a liberdade religiosa. “Temos testemunhado violações da liberdade religiosa de dimensões genocidas. Em Xinjiang, onde os uigures (povo de origem turcomena que habita principalmente a Ásia Central) estão sofrendo enormes violações, centenas de milhares de pessoas estão sendo colocadas em campos de detenção. Vimos limpeza étnica, com os Rohingya sendo expulsos de seu próprio país em Mianmar. ”

Ele também observou o sofrimento das comunidades cristãs no Oriente Médio que viram violações semelhantes de seu direito à liberdade religiosa. Eles “sentiram que deveriam deixar os países onde passaram sua infância, sua juventude, porque não o fizeram ver um futuro para as comunidades religiosas ”. Além disso, ele acrescentou, “forças radicais, forças fanáticas, até tentaram apagar vestígios do passado, das origens da cristandade em alguns países do Oriente Médio”.

O Relatório da ACN

Sobre o relatório da ACN, o professor Bielefeldt, observa que é “realmente importante” para as pessoas que sofrem com as violações da liberdade de religião. “Que elas possam confiar que as pessoas em algum lugar em nosso planeta comum vão pensar em mim e talvez orar por mim. ” Ele acrescentou que, afinal  “o pior que pode acontecer a uma pessoa é ser detida em um lugar e pensar, ‘ninguém saberá o que aconteceu. E eu estou esquecido, sou de alguma forma um pária da humanidade expulso do mundo humano’. Consequentemente, o relatório da ACN sobre liberdade religiosa é uma fonte de esperança para muitas pessoas”.

Leave A Comment