O Papa Francisco apoia ACN em campanha recebendo uma delegação da Fundação Pontifícia e abençoando seis mil Rosários que, em 15 de setembro, serão distribuídos aos cristãos sírios de todas as denominações, sobretudo aqueles cujos parentes foram sequestrados ou mortos durante a guerra, como parte da campanha de oração “Consola meu povo”, promovida pela ACN em conjunto com as Igrejas Católica e Ortodoxa da Síria.

Durante a oração do Angelus de hoje, o Santo Padre reiterou sua proximidade com o povo sírio e elogiou a iniciativa ecumênica “Consola meu povo” promovida pela ACN. Os seis mil Rosários abençoados pelo Santo Padre foram feitos por artesãos cristãos de Belém e Damasco a fim de serem distribuídos nas paróquias sírias no dia 15 de setembro, por ocasião da festa das Sete Dores da Santíssima Virgem Maria. Durante as missas e nas procissões, os fiéis vão orar principalmente pelos mortos e suas famílias. Existem cerca de duas mil famílias cristãs que perderam um dos seus entes queridos durante o conflito. Além disso, 800 cristãos foram sequestrados.

Além dos Rosários, Bíblias também serão distribuídas

Juntamente com os Rosários, serão distribuídas Bíblias em árabe, doadas pela ACN. Além disso, serão distribuídas cruzes feitas com madeira de oliveira da Terra Santa, doadas pela Igreja Ortodoxa. Nesse mesmo dia, o Santo Padre voltará a participar da iniciativa. Ele abençoará, ao final do Angelus, o ícone da “Santíssima Virgem Maria das Dores, consoladora dos sírios”. O ícone foi doado pela Igreja Ortodoxa.

A delegação recebida nesta manhã pelo Papa, na residência Santa Marta, incluiu o presidente executivo internacional da ACN, Thomas Heine-Geldern. Também estavam os diretores de algumas sedes nacionais europeias da Fundação.

O Papa é um grande apoiador da ACN

“O Santo Padre apoiou nosso compromisso com a Síria e o Oriente Médio em várias ocasiões. Seu apoio a esta nova iniciativa é muito importante para nós. Sua proximidade é um grande consolo para aqueles que perderam entes queridos por causa da guerra”, comentou Heine-Geldern. Ele lembrou também que desde o início do conflito sírio, a ACN apoiou 850 projetos para o povo sírio. Isso permitiu que numerosas famílias cristãs sírias permaneçam em sua terra natal. “Mas a assistência material não é suficiente”, disse Thomas Heine-Geldern. Ele continuou reforçando que “o povo sírio precisa de apoio espiritual e proximidade na oração. E este é precisamente o significado da campanha ‘Consola meu povo’”.

Não é a primeira vez que o Papa Francisco apoia uma campanha da ACN em benefício da população síria e do Oriente Médio, agredidos pelos conflitos: no dia 2 de dezembro de 2018, um domingo, depois do Angelus, o Papa Francisco acendeu a vela que iniciava a campanha de oração da ACN “Velas pela Paz na Síria“; e também entregou metade do valor arrecadado no leilão do Lamborghini que recebera da montadora, para a ajudar o projeto da ACN de reconstrução das casas dos cristãos destruídas pelos ataques do Estado Islâmico, na planície de Nínive, no Iraque.