//Catedral de Marawi é retomada

Catedral de Marawi é retomada

2017-09-13T17:41:18+00:00setembro 13th, 2017|Notícias|

A catedral de Marawi, profanada pelos jihadistas, foi assumida pelas Forças Armadas filipinas.

Depois de mais de três meses, as Forças Armadas das Filipinas (AFP) finalmente retomaram a Catedral de Santa Maria na cidade de Marawi. A catedral foi profanada e destruída por seguidores terroristas do grupo autodenominado Estado Islâmico (EI) no dia 23 de maio de 2017. As Forças Armadas filipinas (AFP) tiveram que esvaziar a igreja de dispositivos explosivos improvisados.

As paredes da catedral estavam cobertas de balas e fragmentos de ícones destruídos e outras decorações da igreja espalhadas pelo chão. O altar da catedral foi completamente destruído e uma imagem decapitada é a única que ficou de pé.

Além da catedral, os soldados filipinos também conseguiram libertar a Grande Mesquita, o maior lugar de adoração para os muçulmanos que vivem na cidade de Marawi. Ela não foi devastada como a catedral católica, o Exército revelou que os terroristas cavavam furos e túneis sob o lugar sagrado e fizeram buracos nos muros da mesquita para travar tiroteios contra o exército.

Durante os últimos três meses, o exército realizou grandes bombardeios na cidade de Marawi, mas deliberadamente se absteve de bombardear as mesquitas como um sinal de respeito pelos maranaos, o grupo étnico muçulmano que há séculos considerou a cidade de Marawi sua casa . No entanto, esta medida foi explorada pelos terroristas, que transformaram as mesquitas em fortalezas contra o exército filipino.

De acordo com Norodin Alonto Lucman, um dos chefes maranaos, é proibido aos muçulmanos usarem mesquitas como locais de lançamento para atividades prejudiciais aos muçulmanos e aos não-muçulmanos.

“Isso só demonstra como essas pessoas não respeitam nenhuma religião, seja cristã ou muçulmana”, disse o tenente general Carlito Gálvez, Jr., chefe do Comando do Oeste de Mindanao da AFP.

Os clérigos muçulmanos denunciaram a profanação da catedral apesar das ameaças de terroristas para executar muçulmanos que criticam o EI.

Em 25 de agosto de 2017, o jornal local The Philippine Star informou que a polícia e os soldados muçulmanos realizavam ritos de oração no Masjid Saad Huzam Almusairi, que eles também conseguiram retomar dos Mautes. Esta foi a primeira cerimônia de adoração de Jumaah no Masjid Saad desde 23 de maio.

Zia Alonto Adiong, porta-voz do comitê provincial de gerenciamento de crises em Marawi, sob o cargo de governador em Lanao del Sur, disse que policiais e soldados cristãos ajudaram a limpar o local de culto e a proteger seus arredores.

“Isso novamente foi uma indicação tácita de que o conflito aqui não é um conflito entre muçulmanos e cristãos, são esses grupos que estão juntos para restaurar a lei e a ordem na cidade de Marawi”, disse Adiong.

Enquanto isso, em uma entrevista à ACN no início deste mês, o bispo Marawi, Dom Edwin de la Peña, revelou que sua prelazia está começando a elaborar planos para esforços de reconstrução e reabilitação em Marawi.

Perguntado se havia planos concretos já para reconstruir a Catedral, o Bispo dela Peña respondeu: “Mais do que a Catedral, o que é mais importante é restaurar a comunidade cristã e suas boas relações com os muçulmanos que vivem em Marawi”.

Ajuda de emergência, Marawi
A ACN presta ajuda de emergência aos deslocados de Marawi.

Em 8 de agosto de 2017, o ACN – Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre – enviou uma ajuda para aquisição de kits de saúde para 1.500 pessoas deslocadas internamente da cidade de Marawi.

Dom de la Peña agradeceu a ACN por essa doação e pediu a todos os cristãos que continuem a apoiar a prelazia de Marawi e a diocese de Iligan para ajudar pessoas internamente deslocadas na cidade de Marawi. O bispo também expressou sua esperança de que os cristãos percebessem que Cristo também está presente no sofrimento dos cristãos.

“Quando fazemos a missão, não distinguimos se as pessoas que estamos ajudando são cristãs ou não. E então espero que não consideremos mais a nossa afiliação religiosa, ajudamos porque precisamente o Senhor está nos dizendo que existe a necessidade, que existe seu irmão e sua irmã. Nós ajudamos porque há uma necessidade e onde há uma necessidade, é aí que Deus está nos chamando “, disse o Bispo dela Peña.

Os terroristas inspirados no EI, que conta agora somente com 30 a 45 de seus 200 membros anteriormente, estão fortemente armados e ainda controlam uma área de cerca de 600 metros quadrados em Marawi. Ainda há cerca de 56 reféns cristãos, incluindo o Vigário Geral da prelazia de Marawi, Pe. Teresito “Chito” Suganob.

Por ACN com relatórios de “The Philippine Star” e “GMA News”.

Leave A Comment