A pandemia do coronavírus mergulhou milhões de pessoas na fome e no desespero. Em todo lugar a Igreja é desafiada até o limite, sobretudo nos países mais pobres. Seu serviço de amor contribui para a sobrevivência de muitos, como na ajuda existencial para religiosas.

A prelazia de Humahuaca, na Argentina, é uma dessas áreas muito pobres. Ali, dez religiosas de quatro comunidades lutam em muitas frentes pastorais e humanitárias. A ajuda existencial, doada pelos benfeitores da ACN, se torna visível no trabalho em asilos para idosos, mulheres e órfãos; no interior e nas cidades; no internato para meninas e na Pastoral Juvenil. As Irmãs Claretianas atuam em todo lugar. A ajuda de vocês certamente as encoraja. E a confiança em Deus que irradiam é o que contagia.

A ajuda existencial alimenta as chamas do amor. Para a catequista Nancy elas são as “Irmãs do Sorriso”. Porque é a perseverança e a alegria das Irmãs que as anima a continuar sempre procurando soluções, apesar das circunstâncias. Com a sua renúncia, as Irmãs dão às pessoas coragem para enfrentar a vida – e assim dão a nós um exemplo de amor.

Na diocese de Tacna, no Peru, são 36 religiosas de 11 comunidades; na Venezuela, 48 só da diocese de La Guaira; e milhares em outros países, especialmente na África, que, graças à ajuda de subsistência dos benfeitores da ACN, trabalham em silêncio e sem queixa, alegres e com o coração cheio de amor. Elas veem Cristo nos pobres, e os pobres veem nos sorrisos das irmãs o próprio rosto de Deus.