versão para impressão

Estação de fronteira no Malaui terá nova capela

8 de julho de 2021

A sub-paróquia católica de São José em Mathotho é uma estação de fronteira da paróquia Nkhate. O vilarejo fica no sul do Malaui, na diocese de Chikwawa, numa área remota e subdesenvolvida. A população de Mathotho é materialmente pobre, mas forte na fé. Ao todo, há 900 famílias católicas na comunidade.

Os católicos de Mathotho esperam há muito ter uma igreja deles. Afinal a distância da paróquia central em Nkhate é muito grande – uma caminhada de 20 km para aqueles que querem participar da missa dominical.

Nem é necessário dizer que este é um desafio que só os jovens ou os adultos saudáveis podem enfrentar. Os mais fracos, os idosos, as grávidas, as crianças e muitos outros já cansados devido ao trabalho físico duro que precisam fazer para sobreviver, não conseguem participar das missas.

Fiéis da estação de fronteira querem uma capela

Em 1970, eles construíram a primeira capela do vilarejo. De palha e barro, ela era reformada a cada dois ou três anos. Em 1980, eles construíram uma capela de tijolos, mas novamente só com o material que havia no local, não muito forte. Agora, há grandes rachaduras nas paredes e infiltrações na época de chuvas e, nos últimos dois anos, o prédio está sem uso. Além disso, ele se tornou muito pequeno para a crescente comunidade católica.

Enfim, agora os encontros de oração e de liturgia acontecem do lado de fora, embaixo de uma árvore. Esta não é uma solução satisfatória. A comunidade católica forte e vigorosa precisa de uma igreja própria para adoração. Mas as pessoas ficam tristes por saber que não poderão levantar dinheiro suficiente com seus próprios recursos para tal construção.

Por isso, Padre Samson Kayuni, o pároco, procurou a ACN para ajuda – tanto material quanto espiritual, na forma de nossas orações. Ele escreve, “Quando nos levantamos aos domingos para ir à Santa Missa, para santificar nosso dia, que nos lembremos em nossas preces destes fieis católicos que não podem fazer o mesmo porque não têm um lugar próprio onde possam se reunir e rezar”.

Esperança de grandes mudanças

O Padre acredita que a construção da nova capela trará grandes mudanças. “Estamos confiantes de que muitas almas se voltarão para Deus, através da presença de Jesus no meio deles. Também haverá desenvolvimento social, colocando um fim à imoralidade e à pobreza e trazendo um sentido de comunidade pacífica. Em resumo, a salvação de almas é o significado último e a meta da existência da Igreja no mundo”.

Os fieis católicos contribuirão com seu próprio trabalho físico para a construção da igreja. E eles também vão garantir o suprimento de areia necessário. A ACN prometeu contribuir para que isso seja possível.

versão para impressão

A sub-paróquia católica de São José em Mathotho é uma estação de fronteira da paróquia Nkhate. O vilarejo fica no sul do Malaui, na diocese de Chikwawa, numa área remota e subdesenvolvida. A população de Mathotho é materialmente pobre, mas forte na fé. Ao todo, há 900 famílias católicas na comunidade.

Os católicos de Mathotho esperam há muito ter uma igreja deles. Afinal a distância da paróquia central em Nkhate é muito grande – uma caminhada de 20 km para aqueles que querem participar da missa dominical.

Nem é necessário dizer que este é um desafio que só os jovens ou os adultos saudáveis podem enfrentar. Os mais fracos, os idosos, as grávidas, as crianças e muitos outros já cansados devido ao trabalho físico duro que precisam fazer para sobreviver, não conseguem participar das missas.

Fiéis da estação de fronteira querem uma capela

Em 1970, eles construíram a primeira capela do vilarejo. De palha e barro, ela era reformada a cada dois ou três anos. Em 1980, eles construíram uma capela de tijolos, mas novamente só com o material que havia no local, não muito forte. Agora, há grandes rachaduras nas paredes e infiltrações na época de chuvas e, nos últimos dois anos, o prédio está sem uso. Além disso, ele se tornou muito pequeno para a crescente comunidade católica.

Enfim, agora os encontros de oração e de liturgia acontecem do lado de fora, embaixo de uma árvore. Esta não é uma solução satisfatória. A comunidade católica forte e vigorosa precisa de uma igreja própria para adoração. Mas as pessoas ficam tristes por saber que não poderão levantar dinheiro suficiente com seus próprios recursos para tal construção.

Por isso, Padre Samson Kayuni, o pároco, procurou a ACN para ajuda – tanto material quanto espiritual, na forma de nossas orações. Ele escreve, “Quando nos levantamos aos domingos para ir à Santa Missa, para santificar nosso dia, que nos lembremos em nossas preces destes fieis católicos que não podem fazer o mesmo porque não têm um lugar próprio onde possam se reunir e rezar”.

Esperança de grandes mudanças

O Padre acredita que a construção da nova capela trará grandes mudanças. “Estamos confiantes de que muitas almas se voltarão para Deus, através da presença de Jesus no meio deles. Também haverá desenvolvimento social, colocando um fim à imoralidade e à pobreza e trazendo um sentido de comunidade pacífica. Em resumo, a salvação de almas é o significado último e a meta da existência da Igreja no mundo”.

Os fieis católicos contribuirão com seu próprio trabalho físico para a construção da igreja. E eles também vão garantir o suprimento de areia necessário. A ACN prometeu contribuir para que isso seja possível.

Deixe um comentário