O mais recente cristão assassinado no Paquistão aumentou ainda mais o sofrimento e o medo entre os cristãos em todo o país. Desde o início da pandemia do coronavírus houve um aumento nos casos de violência religiosa e discriminação contra os cristãos no país. O recente assassinato de Nadeem Joseph provocou numerosos protestos entre os cristãos no país. Alguns o comparam ao caso de George Floyd nos Estados Unidos.

“Isto é terrível. Conheço bem a família de Nadeem. Ele foi um dos que sobreviveram ao ataque terrorista à igreja de Todos os Santos em 2013, quando outros membros de sua família foram mortos ”, disse Qamar Rafiq, amigo da família à ACN. “Este novo ataque à sua família destaca a vulnerabilidade dos cristãos no Paquistão e a facilidade com que eles podem ser atacados.”

Cristão assassinado no Paquistão sofria ameaças

“Em maio deste ano, Nadeem comprou uma casa na TV Colony, em Peshawar. Lá morava com seus dois filhos, sua esposa e sua sogra. A família de Nadeem foi assediada e ameaçada repetidamente por Salman K. Ele é um vizinho muçulmano que queria forçá-lo a deixar o bairro e se mudar para outro lugar, pois dizia que ali “não era para cristãos sujos”, explica Rafiq.

“Em 4 de junho, Salman e seus filhos mais uma vez ameaçaram a família de Nadeem. Eles ordenaram que deixassem o distrito nas próximas 24 horas. Caso contrário deveriam estar prontos para enfrentar as graves consequências de se mudarem para um bairro muçulmano”, disse Rafiq à ACN.

Nadeem imediatamente informou a polícia sobre essas ameaças repetidas, mas antes que a polícia chegasse, Salam abriu fogo contra Nadeem, que foi atingido por três balas. Ele também atirou em dois outros membros de sua família, que correram para resgatá-lo. “Os vizinhos, ao ouvirem os tiros, fecharam as portas. Nenhum deles ajudou os feridos ou tentou ligar para a emergência”, acrescentou Rafiq. Após várias cirurgias no Hospital Lady Reading, Nadeem morreu em 29 de junho.

Para bispo o assassinato é uma violação dos direitos humanos

Em uma declaração divulgada pela Comissão Nacional de Justiça e Paz (CNJP), Dom Joseph Arshad, presidente da Conferência Paquistanesa de Bispos Católicos, instou a polícia a fazer todo o possível para levar à justiça o culpado do assassinato deste cristão. “Este caso é uma clara violação dos direitos humanos e um ato ilegal, portanto ele não pode ficar impune”, afirma o comunicado dos bispos. Nele também há um pedido para que o governo proteja a família Nadeem, cujas vidas estão novamente em perigo.

Joel Amir Sahotra, ex-membro da Assembléia Provincial de Punjab e líder da comunidade cristã, explicou em declarações à sede da ACN em Portugal que “a discriminação religiosa contra as minorias é infelizmente muito comum no Paquistão”. Ele acrescenta que “as pessoas não estão dispostas a alugar propriedades para não-muçulmanos”. De fato, frequentemente “eles até dizem abertamente que não-muçulmanos não podem morar lá. É como a Idade da Pedra”, declarou Sahotra. “Que tipo de mentalidade é essa? Eu realmente não tenho resposta para isso. Não sei se as pessoas no Ocidente podem entender que situação difícil temos que enfrentar aqui por causa de nossa fé.”

A ACN continua ajudando os cristãos que mais sofrem no Paquistão, seja por meio de ajuda concreta e também por meio de orações, como no Dia de Oração pelos Cristãos Perseguidos. Para continuar socorrendo as comunidades mais carentes no Paquistão, mas também no Brasil e em todo o mundo, a ACN precisa da sua ajuda. Clique aqui e faça a sua doação.

Assista também ao programa A Igreja pelo Mundo Paquistão, Cidade do Medo, no canal da ACN Brasil no Youtube.