versão para impressão

Bispo pede orações pela paz e por seu povo

6 de janeiro de 2021

Feliz Ano Novo. São as palavras mais ouvidas atualmente. Estas são também as três primeiras palavras de Dom Juan José Aguirre, Bispo de Bangassou, no sudeste da República Centro-Africana, à Fundação Ajuda à Igreja que Sofre. Não seria nada de especial, se não fosse pelo fato de que ele as diz apenas um dia depois que sua cidade foi tomada por grupos rebeldes armados e os combates continuam em várias partes da cidade. O Bispo pede orações e paz pelo seu povo.

Ele deseja para os outros o que nem ele nem seu povo tiveram, porque uma coalizão rebelde, que acusa o governo de ter manipulado as eleições de 27 de dezembro, atacou várias cidades nas últimas semanas. Atualmente eles controlam não só Bangassou, mas também uma grande parte do território nacional.

Bispo pede orações após seguidos ataques

Soldados do governo sofreram vários ataques na cidade em 3 de janeiro, até que o fogo cruzado os deixou sem munição e eles fugiram. ” Deixando-nos sozinhos, eu e meu povo, mas Deus ficou ao nosso lado.” É assim que se sente este bispo missionário que nos conta como, apesar de tudo, não se sentia sozinho. Embora muitas pessoas tenham fugido para a vizinha República do Congo, separada deles apenas por um rio. “Estava lá na noite mais escura, embora estivesses dormindo”, é como D. Aguirre expressa o seu pensamento a este Deus silencioso, mas mesmo tempo presente.

“Passamos uma noite tranquila aqui na missão, em uma espécie de calma tensa. Mas um tanque da Missão Integrada Unidimensional das Nações Unidas para a Estabilização na República Centro-Africana (MINUSCA por sua sigla em francês) formado por soldados marroquinos, esteve nos arredores”, acrescentou o bispo, ele próprio religioso comboniano de origem espanhola. A MINUSCA tenta acalmar as coisas com suas patrulhas, transferindo as forças armadas, a polícia e as forças de segurança do governo para sua base, que aguardam até que possam ser evacuadas.

Preocupação com crianças e idosos

A preocupação principal de Dom Aguirre é com as crianças e os idosos. “Já houve crianças feridas por balas perdidas”, diz ele. “Crianças que fugiam para o Congo. Uma bala caiu sobre um deles, como uma espada de Dâmocles, e ninguém sabia dizer de onde viera. Por isso, mesmo enquanto fugiam, a violência dos agressores ainda os aterrorizava ”, acrescenta.

O bispo Aguirre espera que os novos “senhores e governantes” do lugar não sejam cruéis com a população. Já se passaram muitos anos de violência, morte e destruição. Mudanças de poder e intrigas para dominar um país muito rico em minerais e recursos, mas com uma população totalmente mergulhada na miséria. são uma coalizão rebelde de forças antigovernamentais, que se autodenominam Coalizão de Patriotas pela Mudança (PCC) e composta por cinco diferentes senhores da guerra que saquearam o país durante anos. Muitos deles são estrangeiros do Níger, Chade e Sudão.

Quanto ao bispo, fiel à sua missão, não se preocupa com a política, mas apenas deseja poder continuar a cumprir a sua missão. “Como mostrar um rosto de ternura amorosa em meio a tanta violência? ”, Questiona.

Cuidado e atenção com os que mais sofrem: os mais vulneráveis

Na missão católica, um dos poucos enclaves que podem resistir apesar dos ataques e da violência dos últimos dias, as crianças órfãs foram acolhidas: “Elas são inocentes, você olha nos olhos delas e elas não sabem nada sobre rebeldes, mercenários, de lutas pelo poder … Eles só ouvem os tiros e as explosões e ficam com muito medo. ”

A missão também mantém um abrigo para idosos em outra parte da cidade. Dom Aguirre está preocupado com a situação desses 50 idosos, muitos deles com demência senil. “Os mais vulneráveis pagam pelos pratos quebrados. Nossos padres e freiras ainda estão aqui, cada um no seu lugar, dando tudo, convivendo com o povo nestes momentos de ansiedade. Existem muitos traumas que precisam ser curados. O sofrimento de Cristo está por trás de cada um deles. Ore pela paz, reze por nós e pelo meu povo “. O Bispo pede orações por seu povo.

Depois de terríveis guerras e lutas entre o governo e vários grupos de milicianos e mercenários entre 2013 e 2019 com massacres, estupros e saques da população civil, a República Centro-Africana parecia começar a se acalmar em 2020. No entanto, a esperança foi truncada : “Estávamos trabalhando em tantos belos projetos de reconstrução no país … Agora, teremos que recomeçar muitos deles.” Porém, não soa como um simples lamento, porque Dom Aguirre acrescenta: “Os tempos do homem não são os tempos de Deus!”.

A Fundação ACN colaborou em 2020 com 22 projetos em seis dioceses da República Centro-Africana. Principalmente com o apoio à subsistência de sacerdotes e religiosos, bem como com o apoio à formação de seminaristas.

Leave A Comment