Libéria

2018-11-14T11:48:28+00:00

LIBÉRIA

RELATÓRIO DA LIBERDADE RELIGIOSA (2018)
ÁREA
111.369 km2
HABITANTES
4.615.000
versão para impressão

DISPOSIÇÕES LEGAIS EM RELAÇÃO À LIBERDADE RELIGIOSA E APLICAÇÃO EFETIVA

A separação entre Igreja e Estado e a liberdade religiosa estão consagradas na Constituição da Libéria.1

A lei não requer que as comunidades religiosas obtenham o registo estatal,2 mas o registo é procurado em muitos casos pois estas organizações recebem isenções fiscais e isenção de taxas alfandegárias de importação.

As escolas privadas, muitas das quais são geridas por organizações da Igreja ou islâmicas, recebem apoio financeiro estatal.3

Ao contrário de outros países da região, o Islamismo não é dominante na Libéria, que foi fundada pela repatriação de antigos escravos norte-americanos. Uma parte significativa da população é cristã,4 mas curiosamente é frequente as pessoas de uma religião seguirem os ritos e costumes de outras confissões religiosas. A tolerância religiosa é amplamente defendida pela sociedade em geral. Há duas principais grandes organizações religiosas: o Conselho (Protestante) de Igrejas da Libéria e o Conselho Nacional Muçulmano da Libéria.5

Durante o período em análise, a Libéria (juntamente com a Guiné e a Serra Leoa) tem estado a recuperar do grave surto de ebola, que reivindicou mais de 4.800 vidas6 até à altura em que foi declarado oficialmente extinto. O impacto da epidemia foi enorme. A Libéria regressou a um período de recessão, o sistema de saúde desadequado deteriorou-se ainda mais, a pobreza e a fome permaneceram graves. Todos estes problemas foram agravados por uma infraestrutura que ainda vem do tempo da guerra civil (1989-2003).7 A epidemia de ebola teve impacto na prática e cultura religiosas. A rápida propagação do vírus e o risco extremo de infecção impediram muitas pessoas de enterrarem os seus mortos de acordo com a tradição cristã ou muçulmana.8

INCIDENTES

Não houve alterações constitucionais ou incidentes graves relacionados com a liberdade religiosa na Libéria durante o período em análise.

Uma iniciativa para consagrar na Constituição a noção de que a Libéria é um “país cristão” desencadeou um grande debate. Os críticos incluíram a antiga Presidente Ellen Johnson Sirleaf, além da Igreja Católica e das Comunidades Batistas, Luteranas e Muçulmanas. Contudo, alguns pastores protestantes expressaram-se a favor da proposta.9

A situação do domingo como dia feriado leva repetidas vezes a disputas entre cristãos e muçulmanos, com estes últimos a alegarem que isto privilegia injustamente os cristãos.10

PERSPECTIVAS PARA A LIBERDADE RELIGIOSA

Os efeitos da eleição do antigo jogador de futebol nacional e internacional George Weah como Presidente do país continuam por ver. Weah é conhecido como metodista. Nasceu numa família cristã, mas converteu-se ao Islamismo antes de voltar ao Cristianismo.11 É reconhecido por trabalhar muito, tendo começado a vida nos bairros de lata e tendo-se tornado numa estrela do desporto, chegando inclusivamente a concluir um curso universitário. Weah apelou a que os grupos religiosos promovam a coexistência pacífica.12

NOTAS

1 Gabinete de Democracia, Direitos Humanos e Trabalho, ‘Liberia’, International Religious Freedom Report for 2016, Departamento de Estado Norte-Americano, https://www.state.gov/j/drl/rls/irf/religiousfreedom/index.htm#wrapper (acesso em 2 de abril de 2018).
2 Gabinete de Democracia, Direitos Humanos e Trabalho, op. cit.
3 Ibid.
4 Para ver a percentagem de diferentes comunidades religiosas no total da população, ver Grim, Brian et al. (eds): Yearbook of International Religious Demography 2017, Brill: Leiden/Boston, 2017; Munzinger Länder: Liberia’, Munzinger Archiv 2018, https://www.munzinger.de/search/start.jsp (acesso em 12 de abril de 2018).
5 Munzinger Archiv 2018, op. cit.
6 Ibid.
7 Ibid.
8 Ibid.
9 Ibid.
10 Ibid.
11 Michael Gregory, ‘Ein Stürmer als Präsident’, Die Tagespost, 24 de janeiro de 2018, https://www.die-tagespost.de/politik/pl/Ein-Stuermer-als-Praesident;art315,185164 (acesso em 12 de fevereiro de 2018); Vincent Hugueux, ‘George Weah: “Au Liberia, personne ne peut me battre!”’, L’Express, 10 de outubro de 2017, https://www.lexpress.fr/actualite/monde/afrique/george-weah-au-liberia-personne-ne-peux-me-battre_1949547.html (acesso em 14 de abril de 2018).
12 ‘You quizzed George Weah’, BBC Sports Talk Forum, 18 de setembro de 2001, http://news.bbc.co.uk/sport2/hi/sports_talk/forum/1550731.stm (acesso em 2 de abril de 2018).

POR PAÍS
Clique em qualquer país para ver seu relatório
Religious Freedom Report [MAP] Placeholder
Religious Freedom Report [MAP]
Perseguição religiosa Discriminação religiosa Sem registros
DIÁLOGO
CONDIÇÃO NECESSÁRIA PARA A PAZ
Papa Francisco e Xeique Ahmed el-Tayyib, Grande Imã da Mesquita de Al-Azhar, Egito

SOBRE A ACN

A ACN (Aid to the Church in Need em inglês) é uma Fundação Pontifícia com sede no Vaticano, que foca sua assistência na Igreja, onde ela é mais carente ou perseguida. Mais de 60 milhões de pessoas são beneficiadas – todos os anos – por meio dos mais de 5 mil projetos apoiados pela ACN em cerca de 140 países, incluindo o Brasil.