“Viver de amor, dar-se sem medidas. Sem ter salário, porque quem ama não sabe calcular.” A citação é de Santa Terezinha do Menino Jesus, e ela se encaixa perfeitamente na vida de Padre Francisco Magalhães, que desafia a matemática em sua vida missionária.

Padre Magalhães é responsável pela Paróquia Nossa Senhora da Saúde – em Frecheirinha, Ceará – e pelas vinte e oito comunidades que estão em seu território pastoral. Ele procura estar presente pelo menos uma vez por mês nessas comunidades, realizando celebrações, visitando as famílias e ministrando os sacramentos. Se a matemática não pode explicar como ele consegue conciliar tudo isso em um mês, o amor pela Igreja o faz, e esse amor transborda em cada palavra com que ele descreve sua entrega a Deus.

Das vinte e oito comunidades, apenas dezoito têm capelas onde os fiéis podem se reunir para rezar. Nas demais, o Padre Magalhães promove a experiência da Igreja Primitiva, celebrando nas casas dos paroquianos e testemunhando de maneira concreta a dimensão familiar do “ser Igreja”. Para chegar em algumas dessas comunidades, ele precisa percorrer até 25 km, ou seja, ele vive a missão itinerante sem mesmo sair de sua área paroquial. E é por causa dessa agitada dinâmica que ele descreve de maneira irreverente seu dia a dia da seguinte forma: “Eu moro praticamente dentro do carro, e meu lugar de descanso é a casa paroquial”.

História com a ACN

Padre Magalhães conheceu a ACN, ainda como seminarista, em Fortaleza, por meio da Bíblia da Criança e dos programas de televisão com o Padre Evaristo Debiasi. Ele se tornou benfeitor e passou a divulgar para tantos quanto podia as maravilhas de fazer parte dessa Obra. Já ordenado, ele solicitou a ajuda da ACN para a compra de uma Kombi, para ajudar no processo formativo dos seminaristas, e foi atendido. Era o momento de receber o pedaço de pão que ele há anos ajudou a multiplicar.

E não parou por aí. Além de ajudar algumas necessidades da paróquia, recentemente a ACN apoiou o Padre Magalhães em seus estudos de especialização em orientação espiritual, para ajudar no acompanhamento de seminaristas e religiosas com os quais ele colabora com a formação.

“A ACN é uma mãe pra mim”, afirma Padre Magalhães, reconhecendo não só o maternal apoio recebido em suas necessidades, mas o quanto a fundação é uma forma autêntica de atender os filhos de Deus em tantos lugares do mundo.

A realidade do cristianismo na República Centro-Africana – apresentada no Eco do Amor alguns meses atrás, a partir do testemunho de Dom Aguirre – moveu Padre Magalhães a compartilhar as informações com toda a paróquia e arrecadar uma quantia para encaminhar para os projetos dessa região. Para ajudar ainda mais, o padre está organizando para o final do ano um bazar, a fim de doar o que for arrecadado para aos projetos da ACN.

Só mesmo um coração que aprendeu o que é o amor é capaz de ensinar essa matemática inversa, na qual quanto mais se divide, mais se tem, e onde a multiplicação é resultado da soma entre o amor a Deus e o amor ao próximo.

Essa é a matemática do Evangelho. Que esse testemunho lhe inspire a também calcular o que mais é possível fazer pelos cristãos que sofrem no mundo inteiro.