A ACN recebeu informações de fontes nos Camarões sobre a nova forma de ataque do Boko Haram.

De acordo com a fonte, “eles chegam durante a noite, entram nas casas e sequestram apenas as mulheres. As levam para a periferia e amputam uma orelha de cada uma das vítimas. Então as mulheres amputadas são liberadas sob a ameaça que irão retornar, informando que este foi somente um aviso, caso não aceitem as ordens do grupo extremista”, disse.

O ataque ocorreu no dia 29 de julho, na cidade de Gagalari, na diocese de Yagoua, região norte dos Camarões. A cidade fica a 120 quilômetros da paróquia mais próxima.

As mulheres amputadas, foram encontradas e recolhidas pelo exército e, em seguida, transferidas a 260 quilômetros de distância, onde poderiam ser medicamente assistidas em segurança.

A amputação de um ouvido é uma forma de aterrorizar os habitantes da região que, segundo os terroristas, “escutam o governo e as vozes daqueles que não seguem a ideologia extremista do Boko Haram”.

Por razões de segurança, os homens não dormem dentro das casas e há até mesmo um comitê de vigilância, “mas não adiantou esse repulsivo ataque surpresa. As mulheres foram arrastadas para fora de suas casas diante dos olhos de seus filhos”.

A população, principalmente crianças e mulheres, está traumatizada e aterrorizada. “Mas o que vão fazer? São pessoas simples, que vivem da agricultura e agora, com as chuvas, estão à espera da colheita. Para onde eles vão? “