//Início da reconstrução em Nínive

Início da reconstrução em Nínive

2018-05-11T14:56:19+00:00 Maio 19th, 2017|Notícias|

Em três aldeias da Planície de Nínive, com auxílio da ACN – Ajuda à Igreja que Sofre, foram iniciados os trabalhos de reconstrução das primeiras 100 das cerca de 13 mil casas destruídas pelo grupo autodenominado Estado Islâmico (EI) no Iraque. Na no dio 8 de maio, pelas igrejas das três aldeias cristãs de Bartella, Karamless e Qaraqosh, as oliveiras foram entregues aos proprietários das casas para plantá-las nos seus terrenos. Esse gesto também significou uma mensagem para essas famílias: reponham suas raízes onde vocês nasceram, vivam e tragam frutos de paz e reconciliação.

 

Entre os presentes na “cerimônia das oliveiras” para marcar o início dos trabalhos de reconstrução estavam os membros do Comitê de Reconstrução de Nínive (NRC), que inclui representantes das três principais Igrejas cristãs da região, a Igreja Ortodoxa Siríaca, a Igreja Católica Siríaca e a Igreja Católica Caldeia, juntamente com três peritos e consultores nomeados pela ACN, além de Philipp Ozores, que é secretário geral da ACN.

O comitê foi criado em 27 de março deste ano para planejar e supervisionar a reconstrução das quase 13 mil casas cristãs danificadas (669 delas totalmente destruídas) pelas forças do EI durante a ocupação da região. O custo total do programa de reconstrução é estimado em mais de 250 milhões de dólares. A ACN já disponibilizou 450 mil euros para a comissão e para as três igrejas cristãs que representa.

Numa pesquisa realizada em março, ficou demonstrado que 41% das famílias cristãs queriam claramente retornar para as suas próprias casas na Planície de Nínive, que elas foram forçadas a abandonar durante a invasão do EI em 2014. Mais 46% dessas famílias consideram seriamente a possibilidade de retornar. Em contraste, há pouco tempo, em novembro de 2016, apenas 3,3% dessas famílias, quando responderam a esta mesma pergunta, estavam considerando seriamente retornar às suas aldeias.

Momento decisivo de ajuda

“Esses números são um flash do dilema histórico que enfrenta o cristianismo no Iraque hoje”, diz o padre Andrzej Halemba, responsável pelos projetos da ACN para o Oriente Médio e presidente em exercício do Comitê de Reconstrução de Nínive. ” Ao iniciar o trabalho nesses três primeiros locais de reconstrução, esperamos enviar um sinal claro para as milhares de famílias cristãs que foram expulsas de suas casas na Planície de Nínive e que agora vivem em condições improvisadas em Erbil e em outras cidades do Curdistão iraquiano”, acrescenta. “Este é um momento histórico decisivo. Se perdermos esta oportunidade de ajudar os cristãos a voltarem para as suas casas na Planície de Nínive, essas famílias provavelmente iriam decidir deixar o Iraque para sempre. Isso seria uma enorme tragédia. A presença dos cristãos nesta região é de vital importância, e não apenas historicamente, mas também politicamente e culturalmente. Os cristãos representam uma ponte de paz entre os vários grupos muçulmanos que estão lutando entre si; eles contribuem de forma decisiva para o sistema educacional e são respeitados por todos os muçulmanos moderados”. O padre Halemba conclui com um apelo para orações. “Para todos os nossos irmãos e irmãs cristãos no Ocidente, nós pedimos não apenas o apoio financeiro, mas também que eles apoiem com suas orações a coragem dos milhares de cristãos iraquianos que tomaram a decisão de retornar às suas aldeias e permanecer no Iraque”.

Enquanto isso, o programa da ACN continua distribuindo ajuda alimentícia básica para as 12 mil famílias que foram forçadas a fugir de Mosul e das outras cidades e aldeias das Planícies de Nínive, Erbil e outras cidades, como Dehouk, Kirkuk, Zakho e Alqosh. Os pacotes mensais de alimentos são distribuídos a todas as “pessoas deslocadas internamente” (IDPs), independentemente da crença religiosa. Desde março de 2016, a ACN foi a única organização internacional que vem apoiando regularmente os deslocados internos dessa região desde que começou a crise em 2014.

Leave A Comment