//Índia: Quando Deus toca um intocável

Índia: Quando Deus toca um intocável

2018-05-11T14:49:47+00:00 Fevereiro 9th, 2018|Notícias|

“Vivemos neste canto do mundo, esquecidos por todos”. Esse dolorido lamento é de Asha, uma camponesa mãe de quatro filhos, que vive no segundo país mais populoso do mundo, a Índia. A sensação de abandono e marginalidade parte do total desprezo que ela vive todos os dias, como os outros 60% de cristãos que, como ela também, são Dalits.

A Índia é dividida numa ordem social conhecida como sistema de castas. Esse sistema tem origem no ano 7 d.C. e é baseado na crença hindu, religião que representa 80% da população total da região. Segundo a crença, a posição de uma pessoa na vida se baseia nas boas ações e nos pecados de sua vida passada, por isso é a casta que determina quem serão os cônjuges, amigos, empregos e residências que cada um poderá ter.

Existem quatro grandes castas e centenas de castas menores. Cada casta possui deveres e privilégios específicos, como os Brahmins, que são originalmente os sacerdotes e intelectuais; os Kshatriyas, que assumem a posição de soldados; os Vaishyas compõe o grupo de comerciantes e os Sudras que realizam tarefas domésticas. Os Dalits, termo que significa “oprimidos”, são tão baixos na hierarquia social que estão fora do sistema de castas e ocupam cargos como catadores de lixo, removedores de resíduos humanos e animais mortos, trabalhadores de couro, varredores de rua e sapateiros, que na Índia são consideradas tarefas degradantes para um membro de casta. O simples toque de um Dalit é considerado contaminador. Assim, nasceu o conceito de “intocável” que rotula todos os membros dessa casta.

Essa marca pesa sobre Asha que se vê privada de condições básicas para o sustento de sua casa. Trabalhando no campo, ela ganha pouco mais de R$2 por dia, o que a coloca num difícil dilema: “Devo comprar sal e arroz para minha família ou mandar meus filhos para a escola?”

Seu marido tenta completar a renda trabalhando informalmente como pintor, mas nem sempre há trabalho disponível e coisas como consertar o telhado da cozinha acabam se tornando inviáveis. “Quando chove não consigo cozinhar porque o telhado fica vazando e as crianças têm que dormir com fome.”

A miséria gera no coração de Asha um sentimento de impotência e desesperança que só a fé é capaz de curar. Embora toda a semana seja uma luta pelo pão de cada dia, aos domingos a família de Asha nunca deixa de ir a Igreja agradecer. Muito mariana, ela reza todos os dias para que a mãe de Jesus os preserve de todo mal: “Nossa Senhora é minha mãe e ela me mostra o caminho”. Tudo que Asha deseja é que seus filhos construam uma história diferente e não se sintam também esquecidos por todos.

O testemunho de Asha, como também o de Bita e Swetha, revelam a transformação da pessoa por meio da fé e do trabalho pastoral da Igreja na Índia. A doação dos benfeitores permite que a ACN apoie a formação de seminaristas e catequistas, construção de igrejas e capelas, impressão de Bíblias e aquisição de bicicletas para missionários itinerantes. Como parte da Igreja, eles sentem que ninguém é “intocável” para o amor e cuidado de Deus.

Leave A Comment