versão para impressão

Muitas catástrofes em Moçambique

19 de março de 2021

“Quase semanalmente, novas histórias de terror de Moçambique chegam à ACN. Praticamente despercebido pela comunidade internacional, o país está sofrendo muitas catástrofes humanitárias”, explicou Ulrich Kny, responsável pelos projetos da ACN para o país no sudeste da África.

Desde 2017, Moçambique tem sido alvo de inúmeros ataques jihadistas. Os objetivos exatos perseguidos pelas unidades terroristas não são conhecidos. Os observadores sugerem uma mistura de interesses econômicos, políticos e religiosos. Em 10 de março, o governo dos Estados Unidos classificou os terroristas como um desdobramento do grupo “Estado Islâmico” (EI) e como uma organização terrorista global, e impôs sanções.
Mas, dada a obscuridade dos protagonistas e seus apoiadores, é improvável que as sanções tenham muito efeito. De acordo com a mídia dos EUA, testemunhas oculares relatam decapitações em massa e violência inimaginável contra a população civil.

Catástrofes cada vez mais devastadoras

Enquanto o terrorismo continua devorando a região ao longo da fronteira com a Tanzânia, aumentando ainda mais a miséria dos refugiados, o país também está sofrendo com a pandemia COVID. “Embora a primeira onda tenha sido comparativamente amena, o número de pessoas infectadas disparou desde janeiro. É alarmante como o número de mortes aumentou. São muitas catástrofes”, disse Ulrich Kny. Além disso, a cólera também está se espalhando devido às condições catastróficas de higiene nos campos de refugiados, que não têm acesso a água potável.

Mais de 600.000 pessoas fugindo

Kny relatou uma conversa que manteve com a religiosa Aparecida Ramos Queiroz, responsável pela coordenação dos projetos de socorro na Diocese de Pemba, no norte de Moçambique. Centenas de milhares de refugiados do norte do país encontraram refúgio na capital da província de Cabo Delgado e nas comunidades vizinhas. De acordo com a ONU, no final de 2020 havia quase 670.000 pessoas deslocadas.
Ataques foram realizados em nove dos 17 distritos da província de Cabo Delgado. A violência é dirigida a toda a comunidade, não apenas aos cristãos, denunciou a Irmã Aparecida. “Tanto as instituições muçulmanas quanto as cristãs estão sendo atacadas. Nós, cristãos, não somos o alvo principal dos insurgentes ”.

No entanto, a Igreja sofreu grandes perdas com a violência, continuou a religiosa. Ela disse que várias igrejas foram destruídas completamente. Seis das 23 paróquias da Diocese de Pemba estão desertas. A situação é tão instável que a maioria dos membros da paróquia fugiu. Apesar disso, uma religiosa e um jovem vigário paroquial ainda trabalham em uma das aldeias abandonadas da paróquia para servir aquelas pessoas que são pobres demais para fugir.

Padres e religiosos cuidam dos refugiados

“Nesse ínterim, o governo começou a reassentar os refugiados de Pemba para outras partes da região. Muitos encontram abrigo com outras famílias, outros em novos assentamentos de refugiados ”, Ulrich Kny descreveu a situação. Ele explicou, então, que a maioria dos padres e religiosas das áreas de conflito fugiram junto com os membros de suas paróquias. “Eles agora estão tentando continuar seu trabalho pastoral entre os refugiados de suas paróquias. Os membros da Igreja local estão os apoiando em seu trabalho tanto quanto podem”.

A ACN concedeu ajuda de emergência porque, apesar dos esforços de ajuda internacional, há uma escassez aguda de alimentos e muitas pessoas estão morrendo de fome. “Graças a este apoio, os padres e religiosas podem distribuir alimentos aos refugiados”, relatou Kny. Outro projeto foi iniciado para fornecer assistência psicossocial aos refugiados. Muitos estão gravemente traumatizados depois de passarem por um sofrimento inimaginável devido aos ataques terroristas e seu deslocamento forçado. Até agora, mais de 120 agentes pastorais e voluntários em Pemba receberam treinamento psicológico.

A ACN também fornece ajuda de subsistência para padres e religiosos, bem como para cursos de treinamento para seminaristas e futuras irmãs. Há também a ajuda para a expansão da infraestrutura da Igreja, trabalho com a mídia da Igreja e outros projetos. Kny explicou: “A Igreja em Moçambique é uma âncora de esperança e caridade num mar de sofrimento e violência. É por isso que definimos este país como uma das prioridades. Afinal, qualquer forma de apoio pode amenizar o sofrimento deste povo oprimido e desenraizado, vítima de tantas catástrofes.”

Para que essa ajuda possa continuar, precisamos também da sua ajuda. Faça sua doação!

Conheça mais sobre a campanha da ACN para a África: Curando as Feridas na África!

Assista ao vídeo da Irmã Núbia Zapata explicando sobre a situação em Moçambique: África, Moçambique

Leave A Comment