versão para impressão

Matanças devem parar já em Mianmar

19 de março de 2021

Tags: , /

No dia mais sangrento desde o início do golpe em Mianmar, o Cardeal Charles Maung Bo, líder dos católicos do país, diz que as matanças devem parar.

No dia 14 de março, quando 50 pessoas foram mortas pelas forças do governo de Mianmar, que abriram fogo contra a população manifestante, uma cópia da carta do Cardeal Charles Maung Bo, arcebispo de Yangon, pedindo o fim do derramamento de sangue, foi enviada em seguida para a ACN: “Pedimos a todas as partes em Mianmar que busquem a paz. Afinal, nas últimas semanas, enfrentamos grandes desafios como nação. Mas esta crise não será resolvida com derramamento de sangue. Busque a paz! ” O cardeal, que é arcebispo de Yangon (Rangoon), acrescentou enfim: “As matanças devem parar imediatamente. Muitos morreram. ”

De acordo com a Associação de Assistência a Presos Políticos da Birmânia, pelo menos 126 morreram desde que a junta militar assumiu o controle em 1º de fevereiro. Então, no fim de semana, a lei marcial foi declarada em seis distritos de Yangon após ataques incendiários contra fábricas chinesas. Acredita-se que a China forneceu apoio aos militares no último golpe nacional. A maioria das mortes de ontem ocorreu nos distritos de Hlaing Tharyar e Shwepyitha de Yangon, onde as fábricas estão localizadas.

“Matanças são de nossos próprios povos”

Em um tweet, o Movimento pela Desobediência Civil, que tem coordenado os protestos, negou a responsabilidade pelos ataques. Além disso eles afirmam que “a junta terrorista é totalmente responsável pelo incêndio de fábricas chinesas”. Pedindo o fim de toda violência, o Cardeal Bo acrescentou: “O sangue derramado não é o sangue de um inimigo. É o sangue de nossas próprias irmãs e irmãos, nossos próprios cidadãos. Somos uma nação de sonhos. Nossos jovens têm vivido com esperança. Não nos tornemos uma nação de decepções sem sentido. Pare de matar. Cesse a violência. Abandone o caminho das atrocidades. Que todos os inocentes sejam libertados. Eles são nosso próprio povo. ”

A carta também enfatizou, contudo, a solidariedade do Papa com todo o povo da Birmânia, acrescentando que o Cardeal Pietro Parolin, Secretário de Estado do Vaticano, também encorajou a Igreja a se envolver na pacificação. Então o Cardeal Bo concluiu: “Fortificado pelo mandato e encorajamento do Vaticano, nós, a Igreja Católica, nos comprometemos, juntamente com todas as pessoas de boa vontade, com a tarefa de ver esta nação se erguer novamente em entendimento mútuo e paz.”

Leave A Comment