//Ajuda para a formação de 74 seminaristas em meio aos perigos de Bukavu

Ajuda para a formação de 74 seminaristas em meio aos perigos de Bukavu

2015-02-09T18:39:04+00:00fevereiro 10th, 2015|Projetos|

A vida em Bukavu, na República Democrática do Congo, é perigosa. Bloqueio nas estradas, gangues e raptos fazem parte do cotidiano. Bukavu fica na região da fronteira com Uganda, Ruanda e Burundi, região que tem sido o palco de alguns dos mais sangrentos conflitos na recente história de África.

Esses anos de lutas e conflitos violentos, normalmente devido aos valiosos recursos naturais da região, destruíram sua estrutura civil e social. Grupos armados comandam a região e tanto o exército quanto a polícia não são independentes nem tão pouco de confiança. O que se vê, então, é uma região sem lei, onde a única lei é a da selva e a única regra é a das armas.

Gangues de criminosos e mercenários contratados, pertencentes a poderosos grupos de interesses, estabelecem as normas. E, no momento, há muito pouca perspectiva de melhora ou mudança. Impossível deixar de lado, a situação econômica é terrível e há crise por todo o país. A Igreja Católica, em Bukavu, esforça-se para ajudar, mas não consegue atender a todas as necessidades e ela própria depende da ajuda do exterior. O país e as pessoas estão fragilizados pelos anos de guerra e violência e mesmo a Igreja sofreu grandes perdas. Nos dois últimos anos foram raptados muitos padres e religiosas, e dois deles foram assassinados.

Os jovens seminaristas do seminário São Pio XII demoraram a acostumar-se à insegurança e aos perigos – como se alguém pudesse ou devesse se habituar a isso. Contudo, recusam deixar-se desviar do seu objetivo e continuam a estudar e a rezar na esperança de, um dia, se tornarem fiéis sacerdotes. A sua formação é apoiada, há anos, pela AIS. E, mais um ano o seminário precisa da nossa ajuda, a fim de garantir a formação dos seus seminaristas. Como explica o reitor, Padre Crispin Bunyakiri Mukengere, os fundos não vão durar até ao fim do ano letivo e, como confirma, “sem o vosso auxílio, a formação no seminário não será possível.”

Leave A Comment