//A Igreja Católica é um fator importante no desenvolvimento de Madagascar

A Igreja Católica é um fator importante no desenvolvimento de Madagascar

2012-05-18T14:07:54+00:00 Maio 18th, 2012|Projetos|

“A força da Igreja é a sua proximidade com o povo, e particularmente com os mais pobres.” Com estas palavras, Roman Majewski descreveu a missão e a responsabilidade da Igreja Católica em Madagascar.


“A Igreja realiza uma contribuição importante para o desenvolvimento do país”, enfatizou o sacerdote, durante uma visita à sede da fundação pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), em Königstein, Alemanha. Pe. Majewski é oriundo da Polônia e é membro da Ordem dos Missionários Oblatos de Maria Imaculada (Oblati Mariae Immaculatae, OMI). Ele explicou que, embora a situação política interna neste Estado insular na costa Sudeste da África seja difícil, logo de numerosas convulsões, a Igreja foi capaz de preservar a sua independência. Os bispos são respeitados como “os anciãos da nação”.

Pe. Majewski continuou: “Apesar de Madagascar ser um país rico em recursos naturais, 80 por cento das pessoas vivem na pobreza”. A falta de educação e a corrupção generalizada prejudicam o desenvolvimento deste país, que com uma superfície de 587.000 quilômetros quadrados é o segundo maior estado insular do mundo atrás apenas da Indonésia. Madagascar tem hoje 22 milhões de habitantes. Mais da metade deles pertencem a religiões indígenas, e sete por cento são muçulmanos. A proporção de cristãos é de aproximadamente 40 por cento, e cerca de um quarto dos cidadãos de Madagascar são católicos. Entre outras coisas, a propagação da fé é realizada em escolas por diversas ordens missionárias, incluindo a dos Oblatos. Eles vêem o ensino religioso como parte indispensável da educação escolar. Como o Estado só garante educação nas cidades, há uma significativa carência de escolas no interior do país.

“Oblatos” é uma palavra derivada do latim “oblatus”, que significa “dedicado”. O termo aplica-se aos membros desta comunidade missionária, que dedicam suas vidas totalmente a Deus e ao serviço dos seus próximos. Os Oblatos têm oferecido assistência pastoral em Madagascar por 30 anos. 60 membros da Ordem, dois terços deles nativos de Madagascar, estão atualmente trabalhando em quatro das 21 dioceses do país, especialmente entre os pobres: eles cuidam dos anciãos e dos doentes, distribuem medicamentos e alimentos, e dirigem várias escolas. A AIS está atualmente considerando uma proposta de oferecer ajuda material a um projeto dos Oblatos da Diocese de Fianarantsoa no sudeste de Madagascar, onde a Ordem planeja construir um centro pastoral e social, e realiza diversas atividades sociais e de caridade além de oferecer oportunidades educativas. Uma Lanhouse também está nos planos para dar à população rural acesso à internet e às mídias sociais.

A fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) é inteiramente financiada por doações de particulares. Ele apóia a Igreja e aqueles que trabalham para a Igreja servindo os demais, e financia pelo menos 5.000 projetos por ano, particularmente aqueles que se ocupam do cuidado pastoral dos fiéis. Outro aspecto indispensável de trabalho da AIS é o seu compromisso com a liberdade religiosa e a reconciliação. Desde que foi fundada em 1947, a entidade tem sido a voz dos cristãos oprimidos e perseguidos em todo o mundo. A cada dois anos a fundação pontifícia AIS publica um relatório sobre a liberdade religiosa em todo o mundo, e também um pequeno relatório chamado Perseguidos e esquecidos? enfocado na perseguição aos cristãos ao redor do mundo.

No Brasil, a fundação Ajuda à Igreja que Sofre também está presente atuando em diversos projetos de ajuda aos mais necessitados. Um deles é o projeto Fazendas da Esperança, que abrigam jovens dependentes químicos que desejam ver-se livres das drogas e do álcool. O projeto foi visitado pelo Santo Padre, o Papa Bento XVI, em sua visita ao Brasil em2007.

2 Comments

  1. Braz Vicente Machado 10 de junho de 2012 at 14:01 - Reply

    Disse Jesus,”ide por toda parte e pregai o evangelho a toda criatura “,assim faz a nossa Igreja Catolica,fico muito feliz por ser contribuite para AIS BRASIL.

  2. D. José Maria Maimone 28 de junho de 2012 at 14:28 - Reply

    Eu não consegui o e-mail da A.I.S.
    Queria informar que fiz um depósito no Sicredi, hoje no valor de R$170,00; sendo R$100,oo para a entidade e os R$70,00 para que me enviem 10 “EU CREIO – Pequeno Catecismo Católico”.

Leave A Comment