Soa como uma “missão impossível” quando, após a sua ressurreição, Jesus envia os apóstolos ao mundo inteiro para pregar o Evangelho a toda criatura. Entretanto, o que era aparentemente impossível – considerando os meios de comunicação, de transportes e de tecnologia da época – foi feito pelo Espírito Santo com o seu poder.

Primeira Missão

Hoje temos nas mãos inúmeras possibilidades para a missão. Com nossos recursos, meios de comunicação e aviões a jato, podemos atingir os recantos mais distantes do mundo com a mensagem de Cristo em segundos. Mas tudo isso permanece sem efeito se nos faltar a força propulsora do Espírito Santo. A “primeira missão” é, portanto, invisível e puramente espiritual. Quer dizer: “Permanecei em mim. Então produzireis muitos frutos” (cf. Jo 15,5).

Só podemos realizar essa “primeira missão” no silêncio, no encontro pessoal com Deus. Santa Teresa de Calcutá escreveu em seu testamento espiritual: “Causa-me preocupação o fato de que algumas de vocês ainda não se encontraram realmente com Jesus – a quatro olhos, só vocês e Jesus. Será que vocês realmente perceberam, com os olhos da alma, com quanto amor Ele olha para vocês? Enquanto vocês não escutarem como Jesus fala no silêncio dos seus corações, não poderão escutá-lo dizendo nos corações dos pobres: ‘Tenho sede’.”

Segunda e Terceira Missão

Também a “segunda missão” tem um caráter bastante íntimo, porque ela acontece em nossas famílias e comunidades, no círculo de nossos amigos, conhecidos, colegas, nos lugares em que nós vivemos e trabalhamos. Ela consiste no esforço do amor mútuo, na reconciliação e na unidade. Jesus reza ao Pai também por isso: “para que todos sejam um, como Tu, Pai, estás em mim e Eu em ti; para que assim eles estejam em Nós e o mundo creia que Tu me enviaste” (cf. Jo 17,21). Esta unidade é que nos dá força e a credibilidade necessária para a “terceira missão”: anunciar o Evangelho a todos os homens.

Caros amigos, nem todos têm a vocação de ir a terras estrangeiras e de pregar publicamente o Evangelho. No entanto, a missão universal é impossível sem a missão da oração e da unidade, para a qual todos nós somos chamados. Dessa forma, o missionário não está sozinho, pois sua missão é sustentada pelo poder do Espírito Santo. Para isso vale a pena usar também meios modernos de comunicação e de transporte.

Não existe meta mais sublime do que levar a salvação a todas as pessoas. Por isso, a doação de vocês serve não apenas para uma boa finalidade, mas ela produz frutos de eternidade. Ela traz em si a força da sua oração e do seu amor. É essa a nossa “dívida” de uns para com os outros (cf. Rm 13,8). Nada é maior que doar vida eterna! Esta é a quintessência do amor, a força impulsionadora do Espírito Santo, o objetivo da missão: quero que não morras nunca, quero que vivas.

Pe. Martin M. Barta
Assistente Eclesiástico Internacional