“A Igreja Católica existe no Marrocos. E é samaritana!”. Assim disse o bispo Cristóbal López, de Rabat, sobre o país que o Papa Francisco visitará no final de março.

A universalidade da Igreja Católica torna-se palpável em muitos lugares onde o cristianismo é uma minoria. Isso acontece também com o Marrocos, um país com 37 milhões de habitantes. Sua população é composta por 99,9% de muçulmanos e apenas 0,08% de católicos. Uma pequena Igreja realiza seu trabalho pastoral entre os fiéis católicos do país. Principalmente, no entanto, a Igreja apoia os mais desfavorecidos entre a população marroquina e os milhares de jovens que atravessam o deserto da África Subsaariana. Eles estão à procura de um futuro na Europa. O Papa Francisco planeja viajar para a região situada na fronteira entre a África e a Europa nos dias 30 e 31 de março e, em resposta a um convite do Rei Mohammed VI e dos bispos do país, visitar as cidades de Rabat e Casablanca.

Viver e trabalhar no Norte da África

Em entrevista à ACN, Dom Cristóbal López Romero, bispo de Rabat, falou sobre o que significa viver e trabalhar nesta nação no norte da África.

“A Igreja Católica existe no Marrocos”, disse orgulhosamente o bispo no começo da entrevista. “É uma igreja vibrante e jovem. Abençoada com misericórdia e com um forte desejo de testemunhar.” O país do norte da África tem duas catedrais, uma em Tânger e uma segunda em Rabat. A primeira foi construída durante o tempo do protetorado espanhol. A segunda, durante o tempo do protetorado francês. O bispo López Romero continuou: “Mais jovens do que pessoas idosas vêm à nossas igrejas, mais homens que mulheres, mais negros do que brancos”.

Arcebispo de Rabat, Marrocos

Arcebispo de Rabat, Marrocos

Os membros da Igreja no Marrocos são em sua maioria estrangeiros, fiéis de mais de 100 países diferentes. Eles geralmente trabalham em empresas que operam subsidiárias no Marrocos. Além disso, muitos deles vêm de países da África Subsaariana, como o Congo, o Senegal ou a Costa do Marfim. Eles se mudam para o Marrocos para prosseguir seus estudos e, na Igreja Católica, encontram o “clima de família” que estão procurando. Os religiosos católicos que trabalham no país são de mais de 40 países diferentes. Dom López explica: “Ser católico significa ser universal, global”. Essa universalidade exige não só que as pessoas deixem de lado aquilo que as torna distintas, como também se concentrem no que é compartilhado. “Nós procuramos o que é importante, essencial. As diferenças nos enriquecem. Nós somos abertos uns com os outros. Vemos as diferenças como uma oportunidade, não um problema”.

É como uma Igreja Samaritana

A Igreja no Marrocos e as instituições de caridade com que trabalha, recebem e ajudam quem é mais vulnerável. Principalmente, eles são ativos dentro da sociedade marroquina e para os imigrantes vindos de países ao sul do Saara. De fato, são eles que estão tentando alcançar a Europa ou permanecer no norte da África. “A Igreja aceita e cuida dos necessitados. Isto é, é uma Igreja Samaritana”, disse o entrevistado.

Por meio da Cáritas, o Marrocos cuida de milhares de migrantes que atravessam o Saara. Depois de completarem essa difícil travessia, “permanecem presos” no país, sem poder continuar para a Europa. “Essas pessoas precisam de cuidados e de um ouvido solidário. A maioria deles está doente quando chega. Muitas mulheres estão grávidas. A Igreja os “recebe, protege, promove e integra, assim como o Papa Francisco nos pediu”. O trabalho da Igreja no Marrocos é tão importante que “até as autoridades muçulmanas apreciam seus esforços”.

Fuga da África

Dom López foi perguntado sobre o motivo de os jovens estarem fugindo da África. O bispo explicou que as razões econômicas são o principal impulso para a maioria dos jovens migrantes. Eles estão fugindo da pobreza e do desemprego. Mas, muitos deles também estão fugindo de guerras, hostilidades, perseguições ou desastres naturais.

De acordo com o bispo de Rabat, o problema da migração na África será impossível de resolver enquanto não houver mudanças. “Na Europa, 30% dos alimentos produzidos continuam a ser jogados fora”, e as pessoas continuam a viver “em excessos e grandeza”, enquanto que, ao mesmo tempo, esperam que aqueles “que vivem em circunstâncias miseráveis aceitem passivamente seu destino” e a sociedade permaneça inconsciente de seu comportamento. “Certamente não é cristão e pode até ser chamado de desumano de que a Europa proteja suas fronteiras para que não tenha que compartilhar o que pertence a todos e o que a Europa se apropriou”, expressou sua indignação.

“O capitalismo mata”

O bispo lembrou ainda as palavras do Papa Francisco: “O capitalismo mata”. “Em vez de fornecer ajuda, devemos pagar pelas matérias-primas que exploramos. Devemos ter certeza de que as corporações multinacionais pagam os impostos que devem. ”Ele acredita que a África não pode ser ajudada com “migalhas, mas com planos de justiça e desenvolvimento. Nós não somos nada sem amor, somos menos ainda sem justiça”.

“O jovem marroquino” – o bispo retornou ao tópico anterior – “está preso em seu próprio país”. O Marrocos está sofrendo por causa de sua localização geográfica, pelo fato de não haver uma maneira realista de deixar o país. Para o sul está o vasto deserto do Saara, para o oeste, o Atlântico, para o leste, a Argélia – e a fronteira para este país está fechada devido à guerra – e para o norte, a Europa. “Muitos jovens do Marrocos apontam para a Espanha e perguntam: ‘Por que eles podem vir aqui, mas eu não posso ir lá?’”

Existe liberdade religiosa no Marrocos?

Uma questão totalmente diferente, com a qual o Papa Francisco certamente será confrontado durante sua viagem, é o status da liberdade religiosa no país. Como a Fundação Pontifícia ACN concluiu no Relatório Liberdade Religiosa no Mundo de 2018, de acordo com a sua constituição, o Reino do Marrocos é um Estado Soberano muçulmano. O artigo 3 diz: “O Islã é a religião do Estado, com a garantia do livre exercício de crenças a todos”. No entanto, a Constituição proíbe partidos políticos, parlamentares ou emendas constitucionais que infrinjam o Islã.

O Parlamento Europeu reconhece que a liberdade religiosa está consagrada constitucionalmente no Marrocos. No entanto, acrescenta que “os cristãos e especialmente os muçulmanos que se converteram ao cristianismo enfrentam numerosas formas de discriminação e não podem pisar em uma igreja.” Sob o Código Penal marroquino, proselitismo por não-muçulmanos – isto é, “abalar a fé” – da população muçulmana, é ilegal. A distribuição de materiais religiosos não-islâmicos também é restringida pelo governo.