Outubro

2018-12-07T16:00:10+00:00maio 10th, 2010|Um Mendigo de Deus|

O amor a Cristo requer de nós que trabalhemos pela paz. Cada um de nós já buscou com todas as forças restabelecer a paz? Sem dúvida, políticos e diplomatas empreenderam viagens, proferiram discursos, forjaram planos, redigiram propostas e promoveram negociações entre diferentes grupos.

Sem dúvida, cientistas, artistas, clérigos e pacifistas reivindicaram que se depusessem as armas. Sem dúvida o homem comum protestou nas ruas e fez manifestações, lamentou as vítimas e, conforme a propaganda a que esteve exposto, culpou um ou outro partido. Mas talvez nós, pequenos ou grandes, tenhamos deixado de confiar a obra de justiça, que é a paz, com o empenho de toda nossa força de persuasão, à única pessoa que realmente esta acima dos partidos e grupos.

Talvez se tenha falado demais com os poderosos e muito pouco com o Todo-Poderoso, com o Senhor da Criação, o Condutor da História, o Doador de todas as dádivas e Príncipe da paz, que espera que a ele cheguemos com nossos problemas insolúveis.

Rezamos o suficiente pela paz? Tivemos fé suficiente para pedir àquele a quem tudo é possível? Invocamos com inabalável confiança a Palavra de Cristo: “… tudo o que pedires ao Pai em meu nome, ele vo-lo concederá” (cf Jo 15,16)? Depositamos continuamente o sofrimento de nossos irmãos aos pés de Deus, não como censura a um partido, mas como uma súplica à sua infinita misericórdia? Desfrutamos nossa liberdade de filhos de Deus incomodando-o longa e inconvenientemente, até ele atender nossas preces? Ou já perdemos a força de pedir, de crer e remover montanhas, na crise que, como furtiva doença, castiga nossa Igreja?

Padre Werenfried van Straaten
— Texto tirado do livro “Um Mendigo de Deus”

Leave A Comment