Estudo de Caso: Nigéria

2018-10-17T16:00:52+00:00
NIGÉRIA
ESTUDO DE CASO
versão para impressão

Católicos assassinados por extremistas durante a Missa

Abril de 2018: Dois sacerdotes e 17 paroquianos foram mortos quando pastores fulani extremistas islâmicos invadiram uma igreja durante a Missa na diocese de Makurdi, na região central da Nigéria. O Padre Joseph Gor e o Padre Felix Tyolaha estavam entre os que morreram quando os fulani atacaram durante a Missa no início da manhã, na Igreja de Santo Inácio, em Ukpor-Mbalon, no estado de Benue.

Perante um aumento dos ataques dos fulani, o Governador de Benue, Samuel Ortom, disse durante o funeral das vítimas que só naquele estado tinham sido mortas 492 pessoas.

As avaliações da violência destacaram diferenças étnicas entre cristãos e fulanis e disputas sobre as pastagens do gado dos pastores, mas a religião parece estar tornando-se um fator cada vez mais importante.

Após a violência fulani na Semana Santa de 2018, que matou dois dos seus fiéis, o Padre Alexander Yeyock, pároco da Igreja de São João em Asso, disse: “O ataque tem duas dimensões. A primeira é islamizar a comunidade cristã. A segunda dimensão é que os pastores fulani querem confiscar a nossa terra arável para as transformar em pastagens.”

O Bispo Wilfred Chikpa Anagbe de Makurdi disse à ACN: “Há uma agenda clara, um plano para islamizar todas as áreas que atualmente são predominantemente cristãs na região central do país.”

Os bispos nigerianos emitiram uma declaração com palavras muito fortes condenando os ataques e, uma vez mais, apelaram para que o governo federal proteja as vidas.

Fontes: Aid to the Church in Need (UK) News, 13 de abril de 2018, 21 de maio de 2018, Governador Samuel Orton, Conferência Episcopal Católica da Nigéria, 26 de abril de 2018.