Padre Ishaq Ghulam ainda é jovem. Ele foi ordenado há quatro anos atrás no Paquistão, um país de maioria muçulmana, onde os cristãos são “socialmente discriminados, politicamente oprimidos e perseguidos pela fé que professam”, nos diz um dos irmãos do próprio padre Ghulam.

Nos últimos dois anos, Ishaq Ghulam tem sido o pároco de uma comunidade católica no deserto de Thal, constituída de 200 famílias católicas. Muitas delas vivem amplamente dispersas pelo deserto, algumas estão a 40 km de distância da paróquia. A seca, a areia, a alta temperatura, tudo torna a vida das pessoas e animais ainda mais difícil. Com muito trabalho, as famílias conseguem sobreviver.

Ainda assim o padre Ghulam possui uma alegria incrível e muita coragem frente a estes desafios. Ele é incansável no deslocamento de toda área que abrange seu pastoreio. Não é um trabalho fácil. Ele tem a sua disposição um carro velho, que com dificuldade consegue trafegar por estradas totalmente irregulares e cheias de areia do deserto. Há lugares onde as dunas de areia chegam até onde os olhos podem enxergar, tornando difícil a localização e a escolha de qual rumo tomar. Mesmo quando há um trecho de pista que mais se aproxima de uma estrada de verdade, há muitos buracos, um maior que outro, impossibilitando o trafego normal, ainda mais de um carro não preparado e pior, velho.

No inverno as coisas são ainda piores, a temperatura muda radicalmente para um frio congelante, ocasionando algumas panes no carro, no meio do deserto. E quando isto ocorre, não se pode esperar virar uma esquina e parar numa oficina.

Estes incidentes não são coisas que abalam a fé e vontade do padre Ghulam, mas com freqüência ele fica doente quando seu carro quebra no frio do deserto, deixando-o preso na estrada vazia. No entanto, o padre não está mais preocupado com sua saúde, mas com a necessidade de ministrar o dom que Deus lhe deu aos seus paroquianos. Sem um veículo apropriado é simplesmente muito difícil para ele chegar a todas pessoas que estão à espera de confissão, direcionamento espiritual, sacramentos, missas e outros.

Uma coisa é clara, devido ao tipo de terreno que o padre está, somente um jipe robusto seria viável, uma vez que um veículo menor não poderia lidar com as condições do deserto. Além disso, também é importante adaptar o jipe para transporte de doentes ao pronto atendimento e levar qualquer tipo de ajuda às pessoas que passam necessidade, o que hoje não é possível.