//Fortalecimento da Igreja Católica diante da expansão islâmica

Fortalecimento da Igreja Católica diante da expansão islâmica

2010-06-02T19:14:42+00:00junho 1st, 2010|Projetos|

O vicariato apostolico de Kontagora está situado no estado do Niger, noroeste da Nigéria. Aqui, como em outros 12 dos 36 estados da Nigéria a lei islâmica (charia) é aplicada, não somente num âmbito privado, mas também na lei civil. O Islã está se espalhando cada vez mais forte aqui e também invadindo a vida dos não-muçulmanos.

O bispo Timothy Carroll de Kontagora está extremamente preocupado com as pessoas do seu vicariato apostólico. Apesar de, atualmente, mais de 80% do povo ainda pertencer à religiões tradicionais da África, a maioria está procurando um novo caminho para o futuro. Ninguém quer ser visto como um pagão, explica o bispo Timothy. Então eles tem 2 opções: ou a conversão ao islã ou aceitar a fé do cristianismo. Sabendo disto, os lideres do islã estão explorando está oportunidade. Cada aldeia que se converte ao islã, uma mesquita é construída com a riqueza do petróleo árabe, e um professor islâmico fica a disposição das pessoas. A Igreja Católica está fazendo o que pode para conter está situação, mas os meios financeiros são muito limitados. O bispo Timothy escreveu: “Os próximos 5-10 anos serão decisivos. Se não fizermos nada para evangelizar estas pessoas, nós perderemos elas para sempre para o islã”. Nesta mesma carta ele ainda citou as palavras de Jesus: “Vocês não dizem que faltam quatro meses para a colheita? Pois eu digo a vocês: ergam os olhos e olhem os campos: já estão maduros para a colheita” (Jo 4,35). A Igreja Católica será capaz de colher aqui, ou vamos deixar a colheita para o Islã?

Durante os últimos 3 anos a Igreja Católica abriu cinco novas missões nesta área, levando o evangelho de Cristo para muitas pessoas – e ao mesmo tempo levando assistência medica, educação e ajuda no desenvolvimento social. Aproximadamente 80% das pessoas aqui não sabem ler ou escrever, por isso a Igreja Católica criou cursos de alfabetização. O baixo nível de educação resulta também em péssimas condições de saúde, também aqui a Igreja está envolvida, buscando melhoras. De açodo com um provérbio africano, “Educar uma mãe é educar uma família inteira”, portanto uma das religiosas da diocese, formada em enfermaria, ensina as mães como evitar doenças e dar às crianças uma alimentação saudável. A Igreja também está ajudando as pessoas na perfuração de poços, já que a água potável também é extremamente importante.

Mas acima de tudo, a Igreja está preocupada em salvar almas. Há pouquíssimos padres nesta região, em contraste com o sul e oeste do país, desta forma leigos recebem formação para conduzir o povo na liturgia da palavra, nas orações e cantos. Capelas tem sido construídas, mas não significa sem dificuldades, pois em alguns lugares como em Nsanji Nkoso, os muçulmanos têm tentado impedir a construção. Outras, recém construídas foram derrubadas durante a noite, enquanto em alguns casos, lideres do povo ordenam os católicos a demolirem sua própria igreja.

E assim a Igreja Católica enfrenta inúmeros desafios aqui, sabendo que as pessoas em Kontagora estão numa encruzilhada. Aqueles que não abraçarem o cristianismo se tornarão muçulmanos, e essas pessoas vão efetivamente se perder na fé. É por tudo isto que o bispo Timothy apela por ajuda urgente para apoiar estas cinco novas missões e colher os frutos, que já estão maduros, para Deus.

3 Comments

  1. RAQUEL CRISTINA BARRETO POPADIUK 6 de junho de 2010 at 14:11 - Reply

    pOIS É, OS CATÓLICOS REALMENTE ESTÃO DEIXANDO DE LADO A EVANGELIZAÇÃO. pRECISAMOS ACORDAR. cRISTO ESTÁ ESPERANDO NOSSA CORAGEM E NOSSA ENTREGA TOTAL, SE EXISTEM TANTOS NAO CATÓLICOS É PORQUE ESTAMOS FALHANDO EM TODOS OS NÍVEIS. QUE NESTE ANO SACERDOTAL QUE SE ENCERRA DAQUI A UNS DIAS, PEÇO A DEUS MAIS EMPENJHO DOS SACERDOTES, AMEM O QUE FAZEM, DEIXEM DE LADO ESCOLAS, INTERNET, VIDA DE LUXO, E SE DEDIQUEM MAIS AO EINO DE DEUS. SE ABRAÇAMOS UM SACARAMENTO É NELE QUE DEVEMOS CAMINHAR. FALO AQUI COMO ESPOSA, APESAR DE TANTOS PERCALÇOS NA MINHA, VIDA NÃO DEIXEI DE LADO O SACRAMENTO QUE ABRACEI, LUTEI, VENCI O ALCOOLISMO DO MEU MARIDO, E CUIDO DOS FILHOS E NETOS, MESMO COM MUITA DIFICULDADE. SOU FIEL A DEUS EM TUDO O QUE FAÇO.ASSIM CAMINHO E AJUDO OUTROS A CAMINHAREM. COM TESTEMUNHO DE FÉ E CORAGEM. NÃO DESISTIR NUNCA CONFIAR SIM. DEUS É NOSSO ESCUDO. REZO PARA TER PADRES EM MINHA FAMÍLIA. SE DEUS ME CONCEDER ESSA GRAÇA FICAREI MUITO FELIZ.

  2. genison melo dos santos 10 de junho de 2010 at 22:51 - Reply

    estamos passando por momentos dificies em nossa igreja prescisamos nos unir nesta corrente de oraçao pelos irmaos e a igreja de Cristo que sofre..

  3. Neurivaldo, Rafard/SP-Brasil 11 de junho de 2010 at 19:57 - Reply

    Vejo nesta matéria dois pontos tristes a serem refletidos:
    1º) Vemos Nossa Igreja em sérias dificuldades financeiras. Sinceramente, não sondo os dízimos para ver se são suficientes ou não para suprir as necessidades paroquiais e ainda haver excedente para ofertar a outras localidades. O que sei é que criticamos a exigência do dízimo fixado, que algumas igrejas estabelecem. Desta feita, acho que falta uma maior conscientização de nós católicos na caridade e estímulos das missões vocacionais e evangelizadoras, uma vez que não somos forçados a dar contribuições, por isso mesmo que colaboro com a AIS, pois deposito nela a competência de enviar nossa ajuda a onde mais necessitarem, lógico, além do dízimo em minha comunidade paroquial.
    2º) Na contrapartida de nossa dificuldade financeira, vem todo o poderio do Islã e seu ouro preto, levando, as aldeias convertidas, todos os recursos materiais (Mesquitas) e humanos (professores) necessários. Assim, eles não levam as pessoas à conversão, mas as compram ou as seduzem, pois não constroem e ensinam seus ensinamentos buscando a conversão, mas forçam a conversão para que tenham esses recursos. Será que uma fé comprada é duradoura? Ou será que buscam estabelecer um sistema político/religioso? Não tenho as respostas, mas sempre me lembro desta frase: “…muitos são os convidados mas poucos são os escolhidos…” Embora acredite que Deus tem obreiros seletos para levar Sua verdade através de Nosso Senhor Jesus e seus escolhidos, será que ainda não falta de nós que não podemos ou não queremos ser missionários, pelo menos nossa entrega as orações para que cheguem a estes todas as graças de Deus? Oremos: “Que nossos missionários encontrem da parte de nosso Pai Eterno toda as providências para suas subsistências e de suas missões e, que se abram nossos corações, para que sejamos solidários e evangelizadores através de nossas colaborações”, Amém.

Leave A Comment