Eles são felizes. Porque sabem o que fazem. “Estou muito feliz por ter recebido de Deus o chamado ao sacerdócio”, diz o Irmão Ivan. “Com a ajuda de Deus espero poder contribuir para que o Evangelho chegue a todos os cantos desse mundo.”


O nome leigo do Irmão Ivan é Vasyl Barchuk. Ele pertence a um grupo de rapazes da Igreja greco-católica da Ucrânia que estão fazendo sua formação nos quadros do Mosteiro do Deus Encarnado, em Ivano-Frankivsk. Ele, assim como a maioria dos seus colegas, quer atuar como missionário, de preferência no Leste Europeu, lá onde o comunismo devastou o coração e a mente de tanta gente. A Boa Nova deve voltar de novo a irrigar e tornar frutíferos os desertos interiores. Ele está pronto para ir aonde Deus o mandar e agradece por toda colaboração que vocês puderam dar através de suas doações.

Também Ruslan Boyko, Irmão Mykola, sentiu que, “por Deus, pode fazer coisas maiores do que apenas lecionar alemão ou inglês”. A atividade de professor lhe dava satisfação, mas não o plenificava. Ele sentia que Deus queria mais. Era essa a sensação que ele tinha desde a sua infância, quando ia à Santa Missa com suas avós Anna e Bohdana; naquele tempo ainda iam secretamente, porque na Ucrânia os comunistas perseguiam os cristãos, sobretudo os católicos. Anna e Bohdana lhe ensinaram a rezar e o levaram ao Padre Mykola que, tal como as avós, lhe plantou no coração o amor a Jesus e Maria. A partir dessa semente de seus jovens anos brotou a sua vocação.

Os caminhos da vocação nem sempre são planos. O Irmão Tymofiy foi lenhador e marceneiro antes de poder entrar no seminário. Já com 16 anos teve de cuidar de sua mãe e de seus irmãos, porque o pai adoeceu gravemente. “Assim aprendi a conhecer o lado duro da vida profissional e entendi o quanto é realmente importante aprender e saber”. O lado duro da vida espiritual ele já conhecia. Seus pais e a avó Kateryna o tinham levado, como menino pequeno, para a “Igreja clandestina”. Mais tarde ele participou de viagens de peregrinação e de procissões, até descobrir que Deus “queria de mim mais do que construir casas ou fazer só as coisas que me agradavam”.

A sociedade hoje precisa urgentemente de padres – constata Irmão Mykhaylo. “Um padre é mais do que um soldado, do que um professor, do que um especialista em comércio. Ele pode substituir a todos eles, mas nenhum deles pode substituí-lo”. Para o Irmão Mykhaylo, a razão também é clara: “Eu quero me tornar padre com a ajuda de vocês e prestar meu serviço no altar, onde todos os dias quero celebrar o mistério da santa Eucaristia, aquele mistério que é maior do que tudo no mundo”. Trazer Deus à terra, levar Cristo em pessoa a todos os povos, seja na Ucrânia ou onde for…

Será que cada um de nós já pode dizer: “Eu contribuí para isso”?