//Reconstrução da casa paroquial em Nova Topola, destruída durante a guerra

Reconstrução da casa paroquial em Nova Topola, destruída durante a guerra

2009-08-21T15:37:18+00:00 agosto 14th, 2009|Projetos|

De 1992 até 1995, enquanto seguia o colapso da Iugoslávia, a guerra se enfureceu na Bósnia e Herzegovina. Umas 243.000 pessoas morreram, enquanto 2 milhões se tornaram refugiados em resultado da guerra e da alteração do mapa da república.

Entre eles muitos eram padres e religiosos. Muitos foram seqüestrados e brutalmente torturados, contudo conseguiram sobreviver, enquanto outros foram assassinados. Este era na realidade o destino do padre da paróquia de Nova Topola, Padre Ratko Grgic. No dia 16 junho ele foi preso por soldados. Desde então nada se soube sobre ele. Seus paroquianos nem mesmo puderam lhe dar uma sepultura digna, seu corpo nunca foi encontrado. Sua igreja também não foi poupada. Só em 1991 a mesma capela foi completamente restaurada, mas há pouco mais de um ano ela foi queimada, compartilhando o destino de inúmeras igrejas, conventos e capelas por toda parte da Bósnia e Herzegovina.

Agora os Católicos de Nova Topola querem reconstruir a casa paroquial, de forma que, apesar de todas as experiências dolorosas do passado, possa ser reavivada a vida da paróquia mais uma vez. Tal é a importância da paróquia para essas pessoas que foram forçadas a fugir para o estrangeiro durante a guerra e estão agora retornando novamente. Em Nova Topola, a comunidade Católica já numera aproximadamente 500 fiéis.

O bispo Komarica de Banja Luka, cuja diocese de Nova Topola esta cituada, tem pedido incansavelmente e durante anos, ajuda aos refugiados croatas das guerras que agora desejam voltar às suas casas. O país se tornou a casa de pessoas idosas, queixa-se ele que, já fazem 14 anos desde a guerra, e até agora só um punhado dos croatas Católicos voltaram para casa, e a maioria dos que permaneceram em suas casas são agora idosos. Outra vez o bispo lamentou a falta de vontade política por parte do governo bósnio e à comunidade internacional na ajuda aos refugiados. Apenas 2% do total da ajuda recebida chegou à croatas católicos, sustenta ele. “Os refugiados não têm casas e quando retornam, eles freqüentemente tem que viver sem água e eletricidade. Eles não conseguem encontrar nenhum trabalho e a sociedade mostra de forma clara que eles não são bem vindos”, relata o Bispo de Komarica. Incansável na defesa da sua gente e contra a injustiça, ele ainda espera que os responsáveis políticos, finalmente, possam manter as suas promessas, mas na maioria das vezes as pessoas ficam esperando em vão. E assim a Igreja precisa agir, caso contrário, provavelmente será tarde. AIS está tentando ajudar a Igreja na Bósnia e Herzegovina a curar as feridas da guerra e olhar mais uma vez com esperança para o futuro.

Uma paróquia que prospera pode prover um novo sentido de pertença as pessoas, cujas casas foram deixadas em ruínas. E assim nós prometemos nossa ajuda para o padre Anto Pelivan, o novo pároco da igreja e sucessor do padre Ratko Grgic que desapareceu na guerra. Assim ele poderá voltar como um pastor ao seu rebanho e viver entre seu povo em Nova Topola.

One Comment

  1. Nilson Barcellos Nunes 24 de setembro de 2009 at 11:39 - Reply

    Parabén pelo trabalho, numa época em que se substitue a ditadura do comunismo ortodoxo pelo consumismo desenfreado.

Leave A Comment