//Ajuda emergencial para refugiados em Damasco: aliviar os piores sofrimentos

Ajuda emergencial para refugiados em Damasco: aliviar os piores sofrimentos

2012-09-10T13:34:51+00:00julho 26th, 2012|Projetos|

Atendendo a um pedido do Arcebispo maronita de Damasco, Samir Nassar, a Fundação Pontifícia “Ajuda à Igreja Que Sofre” concedeu uma ajuda emergencial de mais de 20.000 euros a refugiados e sacerdotes em Damasco, capital da Síria. Estes recursos se destinarão aos primeiros socorros e ao alojamento de 107 famílias de refugiados em uma paróquia. Além disso, a entidade entregou também uma ajuda para a subsistência de doze sacerdotes.

Depois das lutas dos últimos dias, os que receberam o auxílio da “Ajuda à Igreja Que Sofre” relataram a terrível situação em que se encontra a capital síria: não há nem mantimentos suficientes, não há pão, nem frutas e nem verduras. As crianças não têm leite e não há suficiente eletricidade e gás para cozinhar. Para muitos, não é possível abandonar Damasco, devido às contínuas lutas nas ruas e pela falta de caminhos rumo à fronteira, ou pela própria falta de recursos. Além disso, sequestros e assaltos ocorrem diariamente e muitas das passagens fronteiriças estão fechadas.

O Arcebispo Nassar descreveu a estarrecedora situação em que se encontram muitos refugiados cristãos em Damasco, fazendo um dramático apelo. Em sua mensagem, Dom Nassar diz, entre outras coisas: “As famílias temem por suas vidas. Saem fugindo em grande número dos bairros mais perigosos e formam uma longa fila de pessoas que fogem pela estrada rumo ao Líbano. As estradas para a Jordânia, o Iraque e a zona do norte em direção à Homs-Aleppo estão fechadas ou não podem ser transitadas por causa dos confrontos. O êxodo para o Líbano acontece em meio ao pânico geral. Espero que estas pessoas encontrem refúgio”.

A Associação Católica Internacional “Ajuda à Igreja que Sofre” (AIS) é financiada exclusivamente com doações particulares e apoia os membros da Igreja que ajudam especialmente os mais necessitados. Anualmente a entidade financia cerca de 5.000 projetos, principalmente de caráter pastoral. A “Ajuda à Igreja Que Sofre” tem como prioridade o compromisso pela liberdade religiosa e a reconciliação. Desde sua fundação em 1947, a Obra se identifica com a defesa dos cristãos oprimidos e perseguidos. A cada dois anos, a AIS publica uma documentação “sobre a liberdade religiosa no mundo” e um relatório “sobre a perseguição dos cristãos em escala internacional”.

Leave A Comment