O escritório italiano da Ajuda à Igreja que Sofre (ACN) reuniu uma delegação para visitar, de 1 a 4 de abril, a cidade de Erbil, capital do Curdistão iraquiano, para realizar uma doação financeira pessoal e entregar alguns paramentos sagrados a pedido do Papa Francisco. A delegação será conduzida por Alessandro Monteduro, diretor da ACN Itália, ao lado do Bispo de Carpi, Dom Francesco Cavina, do Bispo Antonio Suetta, de Ventimiglia-San Remo e Don Massimo Fabbri, representando a arquidiocese de Bolonha.

“Assim que o Santo Padre soube desta minha visita com a ACN, ele me telefonou expressando seu desejo de enviar um presente para nossos irmãos iraquianos na fé”, informou o bispo Cavina. O Papa também deu uma carta em que ele elogia a visita organizada pela ACN como uma “iniciativa que expressa a amizade, a comunhão eclesial e íntima com tantos dos nossos irmãos e irmãs, cuja situação de aflição e conflito nos entristece profundamente e nos chama a defender o direito inalienável de cada pessoa de professar livremente a própria fé.”

No Curdistão, a delegação se reunirá com o arcebispo caldeu Bashar Matti Warda, de Erbil, e com ele visitará os centros de refugiados no subúrbio de maioria cristã de Ankawa. Na sequência, visitarão a Vila Padre Werenfried, nome em homenagem ao fundador da ACN, que é um assentamento de 150 casas pré-fabricadas, lar de 175 famílias cristãs refugiadas; além de passar também pelas escolas – também em edifícios pré-fabricados doados pela ACN – onde cerca de sete mil crianças iraquianas são hoje capazes de continuar seus estudos. A delegação também se reunirá com o bispo sírio Petros Mouche, de Mosul, que agora foi forçado a viver em Erbil, juntamente com seus fiéis, desde que a cidade foi invadida pelos combatentes do grupo Estado Islâmico.

“Desde o início, a ACN tem apoiado os refugiados cristãos no Curdistão iraquiano”, lembra Alessandro Monteduro, o diretor de ACN Itália. “Nós doamos alimentos, casas e escolas, para que eles pudessem viver com dignidade. Para não falar do apoio ao trabalho pastoral, de modo que os cristãos possam continuar a viver plenamente a sua fé. É uma fé que corajosamente se recusaram a renunciar, mesmo à custa de suas próprias vidas”.

De junho de 2014 até o momento, a ACN apoiou projetos no valor de mais de 45 milhões de reais para os cristãos iraquianos. Este apoio também continuou ao longo desta Quaresma, durante a qual foram aprovados projetos em auxílio dos 250 mil cristãos que ainda permanecem no Iraque.