“Muitas pessoas pensam somente na floresta como o ‘pulmão verde’ do mundo; Eles estão tão fixados sobre os problemas ambientais que atingem as florestas, que parecem esquecer do povo que vive nelas”

O Vicariato Apostólico de Yurimaguas está localizado na região amazônica do Peru, onde a maioria da população é indígena ou mestiça. A variedade de línguas e culturas faz a vida aqui ser tão colorida como a floresta tropical, porém isso não torna a vida desta gente menos sofrida. O povo vive em cabanas e numa região atingível apenas por barco. Há poucas estradas e as que existem ficam intransitáveis na estação chuvosa. Cuidados médicos e de ensino são prestados quase exclusivamente pelos missionários.

As mulheres cozinham em fogueiras aquilo que plantam no campo. “Como uma freira, eu geralmente sento com as mulheres e cozinho com elas. É importante estar perto do povo, simplesmente ser como eles”, diz Irmã Maria Luisa, que há 37 anos deixou tudo para seguir a Cristo na floresta.

Embora seja fácil encontrar um sorriso no rosto desta irmã, por vezes ele se indignou pela maneira que o índio é tratado, esquecido e deixado à margem da sociedade. Ela comenta, “Muitas pessoas pensam somente na floresta como o ‘pulmão verde’ do mundo; Eles estão tão fixados sobre os problemas ambientais que atingem as florestas, que parecem esquecer do povo que vive nelas. Graças a Deus, nós, a Igreja,estamos também do lado deste povo, dos índios, e nossa presença mostra que eles não foram esquecidos. E para nosso próprio espanto, vivendo nestas circunstâncias, eles poderiam querer tudo, pois não possuem nada, mas um sincero desejo foi observado na maioria: ‘Eles querem poder ler a Bíblia!'”.

Dom José Luís Astirraga de Yurimaguas escreveu para AIS dizendo: “As pessoas ouviram ao apelo do Papa e dos Bispos da América Latina para uma nova evangelização. Há um sentimento de entrega e de amor a Deus. Eles querem rezar e se preparar para esta evangelização de que ouviram, tendo e lendo a Bíblia, mas não há Bíblia para este povo”.

Na verdade, a demanda para as Sagradas Escrituras é cada vez maior. Mais e mais fiéis tem em comum a vontade de conhecer melhor a Boa Nova do Senhor, mas não há Bíblias, nem mesmo nas escolas. Na capital Lima, existem algumas a venda, mas são muito caras. A Irmã Maria Luisa faz ecoar o apelo do Bispo e espera também pelo nosso apoio. “A quem mais viríamos para obter este pão sagrado, que é a palavra de Deus?”, ela pergunta.

Este é um apelo a todos cristãos de toda parte, para ajudar que a mensagem do Evangelho possa alcançar toda tribo, raça e língua.

A Ordem dos Missionários de Jesus Cristo tem organizado um programa dentro do Vicariato Apostólico de Yurimaguas que vai se destinar ao estudo da Bíblia nas paróquias e nas escolas. A AIS irá entregar 2.000 Bíblias.