//A vida é um dom

A vida é um dom

2009-08-20T16:00:00+00:00agosto 1st, 2009|Palavra Viva|

O mês de agosto nos recorda naturalmente o mês da Família e das vocações. A família cristã, nascida do amor eterno de Deus, é o santuário maior da vida, o berço-fonte das distintas vocações: Papa, bispo, padre, religioso, religiosa e os ministérios leigos. Cada um é chamado a ser discípulo, discípula de Cristo santificando-se lá onde se encontra, vive e trabalha.

Na verdade, precisamos refletir mais sobre a origem primeira e última de nossa vida humana. Particularmente como cristãos precisamos nos conscientizar sobre valor e o sentido maior da existência humana. Cada vida é dom supremo de Deus dado ao mundo.

Infelizmente vivemos num tempo em que se perdeu progressivamente o valor da vida através de uma cultura de morte que prioriza o relativo em detrimento dos valores do absoluto. Para não poucos a vida não é mais o valor principal a ser defendido a nível pessoal, social e humanitário.

Por outro lado, sabemos que sempre que o valor da vida foi questionado o ser humano adoeceu em seu ser mais interno, em sua existência. O estudo das ciências humanas, das religiões e particularmente do cristianismo nos atesta que sempre que a vida foi ferida, a pessoa humana adoeceu a nível pessoal, familiar, social, comunitário e os próprios povos e civilizações desapareceram.

Resta a cada um de nós um primeiro e sério questionamento. Que valor damos para nossa vida, para a vida dos que nos cercam, para a vida de cada pessoa no mundo?  Sem um sério compromisso com a vida, com a vida de cada pessoa, com a defesa da vida de todos, desde a concepção no útero materno até à hora da morte natural, o verdadeiro amor é ferido e Cristo é negado com sua mensagem e doutrina. É o apóstolo amado do Mestre quem nos diz: “Quem diz amar a Deus a Quem não vê e não ama o irmão que vê, se engana. Quem ama a Deus que ame igualmente a seu irmão (1Jo 4,20). Não podemos negar. O primeiro mandamento de Deus tem por exigência: o amor a Deus e o amor aos irmãos”.

O valor da vida humana é inegociável. Deus não vacilou em nos enviar seu único Filho ao mundo, assim como Cristo não temeu sacrificar sua própria vida para nos salvar… Isto deve nos falar muito… Se não nos fala mais, é sinal claro que na prática de nossa vida cristã estamos distantes de Cristo.

É na consciência do valor e da dignidade de todos que a Igreja não aceita sob qualquer pretexto a manipulação da vida defendendo-a em todos os níveis e situações. Se alguém quiser ser cristão e pertencer ao grupo dos seguidores de Jesus não pode ter outra maneira de pensar, de viver e de se posicionar. Fazer justiça é uma coisa, desprezar e matar é bem outra.

A Igreja através do Ano Catequético e do Ano Sacerdotal, que se iniciam, não nos convida apenas para sermos melhores conhecedores de Jesus, mas acima de tudo, a sermos discípulos e discípulas verdadeiros de Jesus. Discípulo não é tanto o que conhece e fala de Jesus, mas o que busca viver de Jesus, em Jesus e por Jesus.

Com o apóstolo dos povos, São Paulo, somos convidados a dizer: “Já não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim”. Por fim, resta-nos em Cristo a resposta ao apelo do apóstolo das gentes: “No amor convido-os a ser imitadores de Cristo como eu busco ser”.

Leave A Comment

A ACN está na Copa do Mundo. Ajude-nos a ganhar!