//Um “novo” ano

Um “novo” ano

2014-01-08T13:54:11+00:00janeiro 8th, 2014|Palavra Viva|

Um ano novo infelizmente nem sempre é ou será um novo ano. Tudo depende do que dele cada um de nós se dispuser a fazer.

Deus é nosso Pai. Por um momento convido você para nos deixarmos tocar por esta verdade. Permitamos que ela penetre em nossa mente, nossa vida, particularmente em nosso coração. Quem nos revelou que Deus é o Pai foi o próprio Jesus, que há poucos dias celebramos o seu Natal. Admitirmos na fé esta verdade é acolhermos que em nossa natureza humana espiritual somos todos irmãos uns dos outros. Esta verdade de fé tem por exigência o rompimento com todo o tipo de exclusão por razões de raças, classes, de religião, de cor, etc.

Digamos como o apóstolo Felipe: “Jesus, mostrai-nos o Pai e isto nos basta”. Desde a nossa infância fomos ensinados a rezar a oração do Pai Nosso. Entretanto, não fomos suficientemente conscientizados que esta oração tem por exigência o reconhecimento de que todos somos filhos e filhas de um mesmo Deus Pai. Isto nos compromete.

Os cristãos sabem pela fé que a história da criação e da salvação da humanidade dependeu e depende de quatro “sim”: o primeiro “sim” foi e continua a ser proferido por Deus Pai, de onde brota toda a criação e vida; o segundo “sim” foi dito por Maria, a Mãe de Jesus e nossa, recebendo o Criador no seio da humanidade; o terceiro “sim” foi proferido por Cristo na gratuidade da entrega da cruz e deste sim brotou a redenção da humanidade; resta o quarto “sim”, que deve ser proferido por mim e por você, para que a humanidade deixe de ser uma realidade de tantos conflitos e exclusões para se transformar numa humanidade mais fraterna e justa para todos e com todos.

No mês de janeiro e fevereiro muitos de nós gozamos de merecidas férias. Que bom!Um direito que deveria ser de todos e não de poucos. Se me permitem, ofereço uma sugestão para passarmos as férias de modo saudável. Antropólogos são praticamente unânimes no afirmar que a qualidade de vida de uma pessoa depende de quatro prioridades a serem colocadas e assumidas na vida.

01 – Amar-se. Quem não se ama não ama ninguém. Quem não é justo, ético e honesto consigo não tem direito de pedir que o outro o seja. A melhor forma de amar uma mulher ou a um homem, de amar os pais ou os filhos, é amar-se. Ninguém dá do que não possui.

02 – Buscar o bem do outro, de todos, seja quem for. “Ama teu próximo como a ti mesmo”. Exigir o meu direito é ter que admitir que o outro tem o mesmo direito e aspirações que possuo. Quem não respeita e não defende o direito do outro, não merece ser respeitado no seu direito.

03 – Manter uma sadia relação com os bens da criação. Vivemos dando prioridade ao ter, ao gozar, ao usufruir, ao aparentar, sendo, por vezes, mais servos das coisas do que seus donos. Ao invés de cuidarmos da natureza a destruímos ameaçando o nosso próprio futuro e o futuro das novas gerações.

04 – Manter uma sadia relação com o Criador. Quando o homem se esquece do Criador, adoece consigo mesmo, com o outro e com o mundo ao redor. Não dar espaço para Deus em nossa vida é um ato de desamor conosco e com os outros.

Portanto, é sempre válido refletir: Como me encontro comigo mesmo? Com o meu próximo? Como me relaciono com os bens da criação? E com Deus?

Para quem está de férias, um bom descanso, e feliz Ano Novo, pleno de vida, de paz e das graças do bom Deus a todos, é tudo o que desejo a você.

Leave A Comment

A ACN está na Copa do Mundo. Ajude-nos a ganhar!