Maio nos recorda o dia do trabalho, o dia de nossas queridas mamães e o mês de Maria. Sim, Maria aparece preanunciada por Deus em sua missão desde o Gênesis. Deus a anunciou como a mulher que haveria de “calcar a cabeça da serpente”, destruindo o mal (Gen 3,13).

Maria está igualmente visualizada nas figuras das grandes mulheres bíblicas do AT: como Ester, Judid, Rebeca, etc. É anunciada pelo profeta Isaias como a “Virgem que nos traria o Salvador da humanidade” (Is 7,14). No NT é o próprio Deus Quem através do anjo Gabriel a apresenta em sua missão no plano divino e humano: “Ave Maria, cheia de graça, o Senhor está contigo, bendito é o fruto do teu ventre, Jesus”… Izabel, sua prima, exclama: “Donde me vem a honra de receber a Mãe de meu Salvador” (Lc 1,28;43), e profetiza, “todas as gerações te proclamarão de bem-aventurada” (Lc 1,48). E acima de tudo, foi o próprio Jesus Quem a deu como nossa Mãe e Mãe da Igreja ao pé da cruz: “Mãe, eis ali teu filho, filho eis ali tua Mãe” (Jo 19,26).

Maria é presença marcante no Pentecostes, na vida da Igreja nascente, como através dos dois mil anos da história do cristianismo. Sua missão é muito clara. Basta recordar sua intercessão em Lourdes, França, pedindo nossa conversão. Em Fátima, Portugal, pedindo que rezássemos o terço para a conversão dos pecadores. Em Guadalupe, México, interveio a favor dos índios como seus filhos queridos. Em Aparecida, Brasil, se apresenta como negra pedindo para que acolhêssemos os negros como seus filhos queridos. E agora em Medjugorje pede insistentemente para que nos convertamos e acolhamos a seu Filho amado, Jesus. Ela apresenta Jesus como o único que pode trazer a paz e a vida para toda a humanidade.

Não podemos negar. O mundo está sem rumos, as tensões aumentam em todas as direções, as famílias sem encontram feridas, o coração humano vazio, a humanidade vive uma experiência de orfandade coletiva. Maria aparece como a ternura de Deus para o coração humano perdido. Todos nos sentimos como que órfãos e Maria nos indica novamente a misericórdia e o colo de Deus. É por isto que A amamos e A veneramos.

Com o mês de maio recordamos de modo todo particular as nossas queridas mamães terrenas. O que dizer a vocês mulheres e mães? Antes de tudo gostaria dizer a cada uma de vocês: mulheres casadas, solteiras, religiosas, velhas e novas, que ser mulher é ser encarnação da ternura e do amor de Deus no tempo. Muito obrigado porque vocês existem como mulheres, seja qual for sua idade e missão. Sim, quero louvar e bendizer a Deus pela sua existência, pela sua maternidade física e espiritual. Só Deus é capaz de retribuir tanto amor e generosidade de vocês! Todo meu, nosso carinho, amor e gratidão. Que Deus as abençoe.

Que Maria, a Mãe das mães, conceda a cada uma de vocês tudo aquilo que tanto merecem e aspiram em seu coração.