Deus é a origem e o fim de tudo o que vive. Ele deseja nos dar vida, a sua própria  vida, uma vida plena (Jo.10.10). Aliás, o amor de Deus é sem limites, imensurável. A vida que Deus Pai quer partilhar conosco é antes de tudo Ele próprio, o amor de Jesus e a vida no Espírito Santo.


O que pode haver de mais transformador e revolucionário em nossa vida cristã? Somos amados por Deus desde toda eternidade. Aliás, Deus só sabe amar. Na Pessoa de Jesus, que se tornou um de nós por sua encarnação, toda pessoa é dignificada ao extremo. Por isto mesmo, Deus não aceita a exclusão de ninguém, desde a concepção até a hora da morte. Todos são seus filhos e filhas. O amor de Deus exige irreversivelmente o amor ao irmão, particularmente aos irmãos mais pequeninos e necessitados.

Na Gruta de Belém Deus assumiu nossa vida, nossos sonhos e sofrimentos, como nossos próprios pecados sem ter Ele nenhum pecado. Não estamos mais a sós no mundo. Nós temos a Deus por Pai, Jesus por irmão e o Espírito Santo por guia e luz de nossa vida. O amor de Deus por nós não se limita ao tempo, tem  a dimensão da eternidade.

Sim, Deus Pai nos amou e nos ama com o mesmo amor com que amou e ama seu Filho amado, Jesus. Esta é a grande verdade que a Bíblia, a Igreja e acima de tudo Cristo nos ensinam. “Pai… que o mundo reconheça que me enviaste e os amaste, como amaste a mim” (Jo.17.22). Por sua vez, Cristo, como verdadeiro Deus e verdadeiro homem, é o grande revelador do amor do Pai, e ao mesmo tempo, o grande revelador do amor humano e da verdadeira dignidade humana. A Igreja nos ensina que somente em Cristo encontraremos a razão e o sentido maior para a nossa vida.

No iniciar de mais ano nos resta a atitude da gratidão e de ação de graças por tudo o que recebemos de Deus e da vida no ano que passou, como nos resta uma séria reflexão sobre o sentido que queremos dar à nossa vida a nível pessoal, de família, de comunidade, de Igreja e como cidadãos da humanidade.

No amor a Deus e aos irmãos, Cristo nos convoca para assumirmos o compromisso de viver nossa vida segundo os verdadeiros valores humanos e evangélicos. Como cristãos, membros vivos do Povo de Deus, somos sempre devedores do amor. Em ordem de nosso batismo temos o compromisso de levar a Boa Nova de Jesus a todos os povos. Enquanto houver alguém que sofre no mundo, que se encontra à margem da vida, que ainda não conheceu Jesus, nossa missão de discípulos missionários de Cristo não está cumprida.

Na verdade, se quisermos que as portas do céu um dia se abram para nós, primeiro devemos abrir as portas de nosso coração e de nossa generosidade para os que precisam de ajuda material e espiritual em nosso meio e pelo mundo.

Não existe salvação sem amor a Deus e sem o amor ao irmão.“Na verdade vos digo: Tudo o que fizerdes ao menor dos meus será a mim mesmo que o fareis” (Mt.25.40).