//A morte não é o fim

A morte não é o fim

2013-12-03T16:03:59+00:00outubro 30th, 2013|Palavra Viva|

Um só é o projeto de Deus para a humanidade: a salvação. Foi para isto que o Pai enviou o seu único Filho amado ao mundo, não para nos condenar, mas para nos salvar (Jo 3,17). O apóstolo Pedro nos fala: “Pois vocês sabem que não foi com coisas perecíveis, isto é, com prata ou com ouro, que foram resgatados da vida fútil que herdaram dos seus antepassados. Vocês foram resgatados pelo sangue precioso de Cristo, como o de um cordeiro sem defeito e sem mancha.” (1Pd 1,18-19). Ninguém nos amou e nos ama como Jesus.

Jesus mostrou que não nascemos para terminarmos na morte, mas, pela morte, ganharmos a vida em plenitude na casa do Pai. Jesus é a resposta definitiva sobre as perguntas da vida. Donde vim, porque vivo e para onde vou. Ele é a nossa única esperança nos ensina o apóstolo Paulo.

Sabemos pela história que a maior busca do coração humano é a busca pela eternidade. Por caminhos diferentes todos procuram este caminho. Nada no tempo nos basta e nos sacia plenamente. Somos seres finitos em busca do infinito. Nascemos e vivemos no tempo, mas, no mais intimo, aspiramos pela eternidade. Como seres finitos, todos sofrem a morte, não como castigo, mas como dimensão da finitude humana. Em nossa natureza humano-espiritual somos dotados e destinados à imortalidade.

Acabamos de celebrar o Ano da Fé convocado pela Papa emérito, Bento XVI. Nós, os cristãos, acreditamos que a morte não aparece mais como decreto final de nossa vida, mas, ela se apresenta, mesmo com seu drama, como caminho-passagem para o encontro definitivo com a vida em plenitude na casa do Pai. Essa é a nossa fé e a nossa esperança. A grande verdade que todos os dias devemos tomar consciência é de que nada levamos desta vida a não ser a vida que cada um de nós leva.

Não refletirmos sobre a morte, é não levarmos a sério a vida. Por outro lado, nossa vida terrena não é apenas “um vale de lágrimas”. Nossa existência humana, marcada por provações e alegrias, erros e acertos, é o tempo da esperança onde se opera nossa salvação ou perdição. A partir de Jesus o presente de nossa vida, em cada dia, é o espaço sagrado no qual somos chamados a construir o “tesouro que não passa”.

A Igreja no findar de cada ano litúrgico nos questiona sobre o que estamos fazendo de nossa vida. Mas, se por um lado tudo na vida passa, pelo outro tudo se eterniza se vivermos o cotidiano de nossa vida em Cristo, por Cristo e para Cristo.

A morte não é o fim, mas passagem para o encontro definitivo na casa de Deus, onde jamais sofreremos a dor da separação, mas da felicidade eterna com Deus.

“Não fique perturbado o coração de vocês. Acreditem em Deus e acreditem também em mim. Existem muitas moradas na casa de meu Pai. Senão fosse assim eu lhes teria dito, porque vou preparar um lugar para vocês. E quando eu for e lhes tiver preparado um lugar, voltarei e levarei vocês comigo, para que onde eu estiver, estejam vocês também.” (Jo 14,1-3).

Leave A Comment