//Tememos um cenário como o do Iraque

Tememos um cenário como o do Iraque

2012-05-28T12:20:56+00:00maio 25th, 2012|Notícias|

“Tememos um cenário como o do Iraque”
Bispos sírio-ortodoxos falam sobre a dramática situação dos cristãos em Homs

Em uma visita à Fundação Pontifícia “Ajuda à Igreja que Sofre” (AIS) na cidade de Munique, na Alemanha, dois Bispos sírio-ortodoxos lançaram um pedido por um diálogo que proporcione um futuro pacífico na Síria, um país assolado por um sangrento conflito armado que vem ceifando milhares de vidas e a liberdade dos cristãos da região.

“Tememos um cenário como o do Iraque, onde numerosos cristãos são ameaçados ou inclusive assassinados, obrigados a fugir ou nem se atrevem a sair às ruas”, declarou o Arcebispo de Homs e Hama, Dom Silvanus Petros Alnemeh. Segundo os dados fornecidos pelo prelado, só no território de Homs 50.000 cristãos já abandonaram a cidade; muitos se alojam nos arredores ou em casas de parentes. Segundo partilhou o Bispo, ele mesmo já não reside em Homs devido ao conflito.

Os Bispos destacaram que a Igreja pode desempenhar um importante papel no processo de paz.
“A Igreja é símbolo de justiça e paz… e não de corrupção pelo Governo nem de violência em nome de Alá”, afirmou por sua parte o Arcebispo de Jezira e Euphrates, Dom Eustathius Matta Roham. Segundo ele “só os diálogos podem trazer a paz e, assim, possibilitar que os refugiados retornem”.

“O que aconteceu em Homs pode ocorrer também em outras cidades”, continuou o Arcebispo Dom Eustathius que destacou a complexa e tensa situação entre os grupos rebeldes e as forças do governo.
Os dois Bispos pediram oração e apoio para os habitantes da Síria, em especial os cristãos. Segundo os prelados, a situação é muito pior do que se pode imaginar.

A Associação Católica Internacional “Ajuda à Igreja que Sofre”, é uma fundação vinculada à Santa Sé financiada exclusivamente com doações particulares que apoia agentes pastorais e pessoas do âmbito eclesiástico que ajudam os mais necessitados e os cristãos perseguidos.

Anualmente a AIS financia pelo menos 5.000 projetos ao redor do mundo, principalmente aqueles de caráter pastoral. A “Ajuda à Igreja que Sofre” tem como prioridade o compromisso pela liberdade religiosa e a reconciliação. Desde sua fundação em 1947, a Associação se identifica com a defesa dos cristãos perseguidos. A entidade publica a cada dois anos um documento “sobre a liberdade religiosa no mundo” e um relatório “sobre a perseguição dos cristãos em escala internacional”.

Atuando desde a década de 60 no Brasil, a AIS contribui com a ação da Igreja em lugares carentes e apoia o trabalho missionário de sacerdotes, religiosos e religiosas, financiando projetos ao longo de todo o território brasileiro.

Leave A Comment