Morte brutal de padre jesuíta, que recebia apoio da Ajuda à Igreja que Sofre para conservação da Igreja na Síria, comove desde colaboradores da AIS à Santa Sé

Padre Frans van der Lugt, SJ está morto. O jesuíta holandês apoiado pela Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) foi baleado esta manhã, em Homs, por uma pessoa desconhecida, conforme relatado pelo seu companheiro jesuíta, Padre Ziad Hilal. “Padre Frans foi obviamente morto a tiros direcionados para a cabeça. Recebemos a notícia por meio do telefonema de um dos fiéis que estava com ele na cidade velha“, relatou. Padre Ziad disse ainda que Padre Frans van der Lugt (75) trabalhava na Síria desde 1967 e estava protegendo, com outros 20 cristãos, uma igreja semi-destruída, na cidade velha, que estava sob cerco há dois anos. Ele cuidava dos moradores remanescentes e também queria proteger a igreja jesuíta. Segundo o Padre Ziad, agora não é possível entrar na cidade velha nem mesmo para recuperar o corpo do padre Frans.

Ainda recentemente, no final de março, Padre Ziad estava em Bruxelas com a equipe da AIS para falar aos representantes da União Europeia sobre a situação em torno de Homs. Ele conversou por skype com Padre Frans, falou, entre outras coisas, sobre o próximo aniversário, que eles esperavam para comemorar juntos. Nesta ocasião Padre Ziad disse sobre seu companheiro sacerdote: “Para mim, ele encarna Cristo no mundo, que está disposto a morrer por seus amigos e que sempre nos dá esperança. Ele sempre me pergunta como eu estou e não fala muito sobre seu próprio bem-estar.”

Sabendo da triste notícia da morte de padre Frans, padre Andrzej Halemba, chefe da seção de projetos para o Oriente Médio da AIS, pediu às pessoas que orem pelo fim dos combates, pela paz na região, pelo falecido Padre Frans e para os cristãos sitiados.

A Ajuda à Igreja que Sofre tem apoiado constantemente as pessoas afetadas pela guerra civil na Síria. Diversos programas de ajuda à população cristã são coordenados pelo Padre Ziad na Síria e tantos outros estão em preparo. O número total de sírios que fugiram da guerra civil é, atualmente, estimado em nove milhões: 6,5 milhões estão em fuga do seu próprio país e mais de 2,5 milhões deixaram a Síria.