“Só podemos chorar diante desta catástrofe. Amanhã vamos começar a contar os mortos e feridos”, fala um padre que sobreviveu ao terremoto.

Milhares de pessoas morreram durante o terremoto de magnitude 7,0 na escala Richter que atingiu o país caribenho ontem (terça-feira, 12 de janeiro de 2010), causando perdas imensuráveis e buscas desesperadas por pessoas nos escombros dos edifícios.

Em meio a relatos de que milhões de pessoas foram afetadas pela catástrofe, a Ajuda à Igreja que Sofre buscou incansavelmente nesta quarta-feira fazer contato com bispos e com alguns dos projetos de auxilio na ilha. Quando, por fim, houve o contato, soubemos da morte do arcebispo de Porto Príncipe, capital haitiana, Dom Joseph Miot. Monsenhor Benoit, vigário geral da diocese, também é dado como desaparecido.

Também o edifício do seminário de Porto Príncipe foi gravemente danificado, e ainda não se conhece o destino dos seminaristas. Regina Lynch, diretora geral dos projetos da Ajuda à Igreja que Sofre disse: “Nosso coração vai realmente para o povo do Haiti neste momento. Estamos fazendo nosso melhor para entrar em contato com alguns de nossos parceiros de projeto no país, mas o colapso nos meios de comunicação torna impossível”.

Regina Lynch acrescentou: “Neste momento de dor extrema o mais importante é manter todo o Haiti em nossas orações. Oremos para que Deus possa consolar as pessoas nesta situação de imensa dificuldade. Esta é a primeira ajuda que podemos enviar imediatamente”.

Sublinhando que a AIS já prestou varias ajudas emergenciais ao Haiti anteriormente, Regina Lynch acrescentou: “Assim que tivermos informações precisas e atualizadas, iremos enviar ajuda de emergência”.

Falando hoje (quarta-feira 13) em sua audiência semanal, em Roma, o Papa Bento XVI apelou para as orações e apoio de emergência para o Haiti.

O Pontífice descreveu que seus pensamentos estão com “as pessoas atingidas pelo terremoto, que causou uma grande perda de vidas humanas, um grande número de desabrigados e desaparecidos e danos enormes”.

A AIS recebeu um relatório de um padre que escapou ileso quando o terremoto ocorreu em Porto Príncipe. O sacerdote, padre Marurício afirmou: “Mesmo as mais fortes casas da cidade estão parcialmente ou totalmente destruídas. Uma enorme nuvem de poeira surgiu ao redor da cidade como resultado do desmoronamento das casas”.

Descrevendo como um jardim de infância nas proximidades de uma capela católica foi destruído, ele acrescentou: “Todas as casas no alto do morro entraram em colapso. Uma multidão de pessoas saíram gritando e chorando. Só podemos chorar diante desta catástrofe. Amanhã vamos começar a contar os mortos e feridos”.