//Os cristãos na Turquia – entre o passado e o presente

Os cristãos na Turquia – entre o passado e o presente

2014-12-09T10:37:24+00:00dezembro 8th, 2014|Notícias|

A população da Turquia é considerada majoritariamente muçulmana sunita, quase 65% da população, mas com uma forte minoria de Alevis – um ramo do islamismo xiita – cujas estimativas variam entre 25% e 35% da população total. Os alevitas da Turquia estão um pouco à margem do mundo muçulmano. Eles não frequentam as mesquitas, mas sim a cemevi (ou “casas de oração”); eles não fazem o jejum do Ramadã, nem praticam as cinco orações diárias.

Enquanto os alevitas são considerados oficialmente pela administração turca como «muçulmanos», é evidente que, a partir dos fatos acima, estão fora do que é geralmente considerado como o Islã. Politicamente, eles se opõem ao governo islâmico e conservador do partido AKP (Adalet ve Kalkınma Partisi), que está no poder desde 2002, e tendem a apoiar uma pauta republicana, progressista e secular.

Sofrendo, por vezes, de um tipo semelhante de discriminação, os alevitas da Turquia estão exigindo o reconhecimento oficial da sua especificidade pela Diyanet, a administração de assuntos religiosos. Desde 2009, não é obrigatória a indicação de sua religião em sua carteira de identidade.

O mesmo se passa com os cristãos da Turquia, que são contabilizados em cerca de 100.000 pessoas, uma minoria muito pequena em relação a uma população que já ultrapassa 75 milhões. As comunidades cristãs são divididas entre vários ramos históricos – os armênios, com possíveis 80 mil pessoas, os cristãos siríacos, que estão entre 20.000 e 25.000, a Ortodoxa Grega (conhecida como rum em turco – que significa “Romana”, na verdade) e algumas centenas de ritos católicos latinos que vivem em algumas das maiores cidades nos arredores de Izmir e, sobretudo, em Istambul.

Istambul, esta vasta metrópole – que não é, no entanto, a capital da Turquia – é o lar de um verdadeiro mosaico do cristianismo oriental. Todas as igrejas do Oriente e do Ocidente estão aqui representadas – além das principais comunidades acima mencionadas. Eles incluem caldeus do Sudeste (originalmente da Hakkari), ortodoxa siríaca de Tur Abdin, búlgaros, russos (com suas igrejas construídas sobre os telhados de Karaköy), poloneses, ucranianos, igrejas protestantes e anglicanas e uma série de instituições católicas envolvidas em um sistema educacional e social. Um exemplo deste último é a escola Dom Bosco, dirigido pelas Irmãs Salesianas, ou o manicômio em Bomonti, gerido pela Irmãzinhas dos Pobres, que estão presentes na Turquia desde 1892.

Agora, com a explosão do número de refugiados de todo o mundo – mas principalmente os da África Subsaariana, Síria e Iraque – as igrejas em Istambul estão ficando cheias novamente. De um modo geral, e ainda hoje, as igrejas cristãs sempre se encontraram melhor em uma situação de “minoria” – e, na pior, em uma situação de “gueto” na Turquia. No entanto, a presença cristã não pode ser reduzida a estas pequenas comunidades. Mesmo a comunidade romana, reduzida a apenas algumas centenas de pessoas, é um símbolo que transcende em muito as fronteiras internacionais. O passado bizantino de Istambul e Anatolia não deve ser subestimado; ainda existem milhares de igrejas e mosteiros espalhados por todo o campo – muitas delas em ruínas e abandonadas. O peninsular histórico de Istambul não seria nada sem a silhueta maciça de Santa Sofia – Hagia Sofia – que remonta à primeira metade do século VI sob o imperador Justiniano. Por seu tamanho e graça, este monumento lembra o visitante que a sociedade turca também é construída sobre um passado cristão. Não devemos esquecer essa continuidade invisível atualmente.

Ao mesmo tempo, no sudeste do país, na região de Mardin, pode-se ainda encontrar o último dos mosteiros cristãos ativos na Turquia. Há cinco deles (cerca de 20 religiosos no total) e eles estão sob a jurisdição da Igreja Ortodoxa Siríaca. Alguns dos mosteiros produzem pistache, passas e azeite de oliva. Esta região é chamada de Tur Abdin, a “Montanha dos Servos de Deus”, uma antiga guarda da presença e espiritualidade siríaca. Os cristãos da região ainda falam uma língua de origem aramaica, conhecida como o turoyo. Em torno destes mosteiros, há uma série de aldeias cristãs, vinte ou mais ao todo, o que mais uma vez tem um caráter especificamente regional.

Desde 1915 e da destruição da Primeira Guerra Mundial, a população armênia de Anatolia Oriental foi – com raras exceções – deportada e massacrada pelo governo dos Jovens Turcos. O fato de que a Turquia sempre se recusou a reconhecer esse genocídio dos armênios é indicativo de um mal-estar que ainda constitui uma das principais desvantagens da Turquia no cenário internacional. A normalização das relações entre a Grécia e a Turquia, que começaram com a ajuda recíproca que estes países vizinhos deram um ao outro no momento dos tremores de terra em 1999, foi reforçada graças aos esforços conjuntos para resolver o problema de Chipre.

No entanto, ainda não é suficiente; os cristãos da Turquia continuam a depender demais das relações internacionais (com a Armênia e a Grécia, principalmente), enquanto que, na verdade, eles são cidadãos turcos em seu pleno direito. De fato, muitas vezes, a sua presença no território da República da Turquia é mais antiga do que as pessoas normalmente consideram como “Turco”. Este é um paradoxo que existe até hoje. Os cristãos na Turquia são muitas vezes considerados como “estrangeiros” no seu próprio país; o que é uma grande pena. Apesar da liberdade de culto, eles são constantemente forçados a justificar o seu lugar na sociedade. Nos últimos anos, tem havido assassinatos de católicos, religiosos e pastores protestantes, para não mencionar o assassinato de Hrant Dink, jornalista turco de origem armênia. Um grupo não insignificante da população turca, impulsionado pelo nacionalismo, ainda acusa os “cristãos” da Turquia de querer desestabilizar a “nação” turca e até mesmo de serem agentes estrangeiros, uma atitude que cheira a paranoia aguda.

Por fim, deve-se ter em mente que muitas das principais cidades mencionadas nos Evangelhos e nas viagens dos Apóstolos Pedro e Paulo estão hoje no território da Turquia – Antioquia, Éfeso, Cesaréia e até Sardes, e a região de Galatea, que é moderna Ankara. Os judeus – principalmente sefardita – tornam-se a terceira maior comunidade religiosa do país, com cerca de 25.000 fiéis. É por essa todo esse contexto que a visita do Papa à Turquia, na última semana, foi tão importante.

Leave A Comment