//Missão até o Céu

Missão até o Céu

2017-02-07T17:09:51+00:00fevereiro 7th, 2017|Notícias|

Escrever sobre alguém que perdemos é, muitas vezes, homenagear quem amamos. Maria, uma benfeitora da ACN, de Piracicaba (SP), nos escreveu para comunicar uma doação especial. Embora enviada por ela, essa doação era em nome de Irmã Adélia Queiroz, da Congregação das Irmãs Missionárias de Jesus Crucificado. Uma doação póstuma…

A família da freira enviou uma ajuda financeira para Maria, uma amiga/anjo, providenciar os gastos com o tratamento médico e cuidados de saúde necessários da Irmã Adélia. E assim ela o fez. Mas eis que chegou o momento do encontro definitivo da religiosa com o seu eterno amado, Deus. Irmã Adélia faleceu. E, do dinheiro enviado pela família, ficou um saldo positivo. Maria comunicou à família do saldo, mas acharam que ela deveria considerar esse dinheiro dela, pois muito tinha feito pela Irmã Adélia. Mas a amiga surpreendeu: “Sendo Irmã Adélia missionária, nada mais certo que doar para as missões”, foi o que decidiu Maria.

A ACN recebeu a doação e, junto, uma bela carta, que agora partilhamos com todos os benfeitores, como uma forma de, também nós, homenagearmos a Irmã Adélia de Queiroz Assumpção, mas também sua grande amiga, Maria.

Algumas pessoas que passam por nossa vida são presentes de Deus. Assim, em 2010, eu recebi um presente muito especial: a amizade, o carinho e a ternura da Irmã Adélia Queiroz de Assumpção. Foi em um sábado de 2010 quando fui participar da missa celebrada pelo Padre Rubens Marin, na casa das Irmãs Missionárias de Jesus Crucificado, na cidade de Piracicaba. A Irmã Adélia recebia a todos com um largo sorriso e dando as boas vindas… Logo ela procurava entre as pessoas quem poderia fazer as leituras da missa, distribuia os folhetos e a folha de canto… A comunidade que participava destas missas, das 17h aos sábados, não chegava a trinta pessoas.

Com um carisma pessoal, a Irmã Adélia conquistava a todos e tinha um carinho muito grande. Neste ano também soube que a Irmã Adélia dava aulas de reforço escolar a um menino de nove anos. Com o tempo fui conhecendo e convivendo mais com as Irmãs. A Irmã Adélia comprou um computador e impressora e eu comecei a ajudá-la a digitar e tambéma enviar e-mail… Ela queria aprender muito mais. Eu disse que o SESC (Serviço Social do Comércio) oferecia um curso gratuito para terceira idade e então ela passou a ir ao SESC comigo duas vezes na semana. Enquanto eu participava de atividades físicas, ela ficava na sala de informatica e logo fez amizades com todas as senhoras que faziam o curso.

A Irmã Adélia foi exemplo de simplicidade, amor sincero, humildade, um coração generoso com o próximo. Enquanto tinha saúde e podia andar sozinha pela cidade fez amizade com pessoas simples, como guardador de carro, o sorveteiro e outros que encontrava pelo caminho, muitas vezes entrava no surpermercado e comprava o arroz que faltava para ele… A Irmã Adélia, sempre desapegada a dinheiro, ajudava e fazia a alegria de pessoas simples, como a cuidadora Ana, a qual sempre ajudava e tinha um carinho especial pela família dela.

Todas as pessoas que conhecemos têm um papel em nossas vidas e algumas irão simplesmente nos inspirar e amar para nos fazer felizes. Ame, perdoe, viva e agradeça, era o lema da Irmã Adélia. Desta vida nada se leva eu que fica são as sementes do que a gente plantou sendo geradas no coração de quem muito amou e muito valorizou a amizade. Cada dia que vivemos é uma oportunidade que não volta. Por isso, devemos sempre pedir a direção de Deus no início e jamais se esquecer de agradecer no final. Somos todos visitantes deste tempo, deste lugar. Estamos só de passagem. O nosso objetivo é observar, crescer, amar. E depois voltarmos para casa.

Sempre vou ter saudades da Irmã Adélia, mas o seu exemplo de vida dedicada a servir a Deus sempre estará em minha vida, seu sorriso, sua ternnura, sua capacidade de amar.

Maria das Graças

Leave A Comment