//México, um dos países mais perigosos para sacerdotes

México, um dos países mais perigosos para sacerdotes

2018-03-16T13:29:05+00:00março 16th, 2018|Notícias|

De acordo com o portal de notícias católicas CCM, o México é o país mais perigoso da América Latina para sacerdotes. “Pelo nono ano consecutivo, e mesmo que não haja guerra em nosso solo, nosso país é a nação com maior número de assassinatos de sacerdotes”, disse o padre e jornalista Sergio Omar Sotelo Aguilar.

O padre Sergio Omar é membro da Sociedade Missionária de São Paulo Apóstolo e diretor do Centro Multimídia Católico (CCM). Em uma entrevista com a Fundação Pontifícia ACN, ele explicou por que 2017 foi um ano desastroso para o clero e a Igreja no México. “A liberdade religiosa foi completamente minada no México e está gravemente ameaçada pelo crime organizado”, afirmou.

Ele então disse à ACN que, em muitos casos, a morte de um padre não acontece por coincidência ou por causa de um encontro aleatório com criminosos comuns. “Em 80 por cento dos casos, os assassinos usam um “modus operandi” que inclui desde a difamação até a extorsão, vai do sequestro até a tortura e ao assassinato. Os meios de comunicação sem escrúpulos “explicam” ou “justificam” o assassinato de um sacerdote espalhando rumores – eles às vezes acusam as vítimas de serem alcoólatras ou até mesmo abusadores de crianças”.

Vítimas caluniadas

Após o assassinato de setembro de 2016 do padre Alfredo López Guillén, sacerdote na cidade de Janamuato, na arquidiocese de Morelia, o governador do estado de Michoacán, Silvano Aureolos, espalhou o rumor de que o padre pode ter sido pedófilo. A Conferência Episcopal Mexicana (CEM) denunciou inequivocamente esta alegação.

O estado de Michoacán, localizado ao longo da costa do Pacífico e um dos 32 estados mexicanos, luta contra a violência dos cartéis da droga devido à sua localização estrategicamente importante em uma das rotas da droga. Os sacerdotes, que denunciam o tráfico de drogas, bem como a corrupção das agências governamentais e da polícia, são colocados sob a mira dos chamados sicários, assassinos profissionais contratados, que trabalham para traficantes de drogas e seus cúmplices.

Agressões que seguem o mesmo padrão

Quatro outros sacerdotes foram assassinados em 2017. Dois deles foram vítimas de uma tentativa de sequestro, os outros dois morreram durante ataques de bomba na Catedral da Cidade do México e os escritórios da Conferência Episcopal Mexicana. Além disso, há centenas de ameaças e casos de chantagem dirigidos a sacerdotes e bispos, disse o padre Sergio Omar. Houve 884 casos apenas em 2017. A tortura esteve envolvida em 80 por cento dos casos em que os sacerdotes foram assassinados. Isso ilustra a estratégia de terror usada pelos cartéis da droga. “Matar um sacerdote também dá um exemplo, simboliza uma demonstração de poder pelas organizações criminosas”.

Um cardeal e 47 sacerdotes foram assassinados

O departamento de pesquisa do CCM mantém um registro exato e atualizado de sacerdotes, religiosos e leigos ao serviço da igreja que perderam a vida, ou receberam ameaças graves em 2017. Similar a jornalistas, eles também se tornaram os alvos do crime organizado porque são considerados líderes de opinião que se juntaram à luta contra as organizações criminosas. O crime organizado tornou-se ainda mais poderoso porque formou alianças com políticos, juízes e certos círculos dentro da polícia e das forças de segurança. “Isso prejudica a sociedade de cima para baixo!”

O padre Sergio Omar, que trabalhou como secretário da Comissão Episcopal de Comunicação da Conferência dos Bispos do México, descreve as ações do crime organizado e dos cartéis da droga como uma perseguição específica. Comunidades inteiras deixaram suas aldeias e a região depois de receber ameaças dessas organizações criminosas.

Os dados do CCM sobre a “verdadeira perseguição religiosa” acabaram de ser publicados em um livro publicado pelo padre Sergio Omar Sotelo Aguilar. O livro é um registro dos trabalhadores pastorais que foram mortos entre 1990 e 2017: além do cardeal D. Juan Jesús Posadas Ocampo, arcebispo de Guadalajara, que foi assassinado em 24 de maio de 1993 no aeroporto de Guadalajara, inclui também os nomes de 47 sacerdotes, um diácono, quatro religiosos, nove leigos ao serviço da igreja e um jornalista católico.

A situação está se tornando cada vez mais terrível

Nessa nação de 120 milhões de habitantes, 80 por cento dos quais são católicos, as autoridades reagiram à maioria dos assassinatos com completa indiferença. Nos últimos cinco anos, 19 sacerdotes e dois leigos foram assassinados. Dois sacerdotes ainda estão desaparecidos. Isso tem que mudar. Disse o padre Sergio Omar: “Não podemos permanecer calados quando o sangue de milhares de mexicanos é derramado. É por isso que estamos dirigindo um apelo urgente ao governo federal do México, às autoridades dos vários estados e aos governos das cidades: queremos que todos garantam que o cuidado pastoral possa ser realizado de forma segura em regiões assoladas por uma violência incontrolada e crescente. Não podemos permanecer em silêncio! “

Leave A Comment

A ACN está na Copa do Mundo. Ajude-nos a ganhar!