Após um ataque em Burkina Faso, quatro católicos foram mortos na segunda-feira, 13 de maio, na paróquia de Notre-Dame du Lac em Singa, na província de Bam. Logo após medidas de segurança foram anunciadas em um comunicado pelo Bispo Justin Kientega. O prelado é da Diocese de Ouahigouya, no nordeste de Burkina Faso. Falando à Fundação Pontifícia ACN, o Bispo explicou o que tinha acontecido: “Ao partirem em procissão para homenagear a Santíssima Virgem, foram atacados e quatro pessoas foram sequestradas. As pessoas achavam que iam ser mantidas em cativeiro, mas, ao invés disso, as executaram sem piedade”, revelou.

 

Medidas de Segurança

O Bispo exortou aos cristãos a renovarem suas orações pela paz após o ataque em Burkina Faso. Mas, ao mesmo tempo, delineou medidas cautelares e pediu maior vigilância para a segurança dos sacerdotes, religiosos e todos os fiéis católicos da Diocese. A região se encontra na fronteira com o Mali, no norte do país. A princípio, ele aconselhou seus sacerdotes e religiosos a evitarem o uso de roupas abertamente religiosas, como os hábitos religiosos ou batinas que os distinguiriam como tais. Dom Kientega também recomendou a intensificação das medidas de segurança. Ele pediu para não usar veículos obviamente marcados, viajar apenas em horários de muito tráfego – e nunca à noite – e evitar viajar sempre pelo mesmo trajeto.

Ele também os aconselhou a não divulgar suas reuniões com muita antecedência. Todas estas medidas refletem a situação tensa no país após a escalada da violência contra os cristãos. Elas estão destinadas a afetar seriamente o trabalho pastoral da Igreja. As comunidades católicas são geralmente muito dispersas, sobretudo no norte, onde a maioria da população é muçulmana ou animista.

 

Esforços de Vigilância

Como já aconteceu em outros países africanos, como Camarões e Nigéria, e na Ásia, principalmente no Paquistão e no Sri Lanka – que também foram afetados pelos ataques de grupos fundamentalistas islâmicos -, Dom Kientenga pediu aos seus padres que intensifiquem seus esforços. Recomendou que reforcem a vigilância em torno de suas igrejas e capelas. Com o apoio de vigilantes voluntários, eles podem responder rapidamente e avisar os fiéis em caso de perigo. Ele também os aconselhou a limitar a duração de suas celebrações religiosas. Finalmente, o Bispo sublinhou a sua preocupação em fornecer proteção adequada aos seus catequistas. Muitas vezes eles vivem e trabalham em áreas isoladas e, portanto, estão expostos a riscos ainda maiores.

 

Oração Pela Paz

Dom Kientenga concluiu sua mensagem com uma oração pela paz: “Que o Senhor, o Príncipe da Paz e Vitorioso sobre os poderes do mal, conceda a paz ao nosso país. Que Ele mesmo seja a nossa força e apoio, nossa esperança durante estes tempos de provação. Que Ele conceda o descanso eterno aos nossos mártires. E que o sangue que eles derramarem seja uma fonte de paz e fecundidade espiritual”.