//ACN visita Burkina Faso

ACN visita Burkina Faso

2017-12-18T19:47:29+00:00 dezembro 18th, 2017|Notícias|

Rafael D’Aquí, chefe do departamento de projetos responsável por Burkina Faso da Fundação Pontifícia ACN – Ajuda à Igreja que Sofre, visitou recentemente essa nação africana para estudar as necessidades da Igreja Católica no país. Na entrevista abaixo com Maria Lozano, ele explica a situação de Burkina Faso após o ataque terrorista em 13 de agosto, no qual 17 pessoas foram mortas. Por enquanto, apesar da crescente influência islâmica dos países da Península Arábica, a relação entre muçulmanos e cristãos no país ainda é pacífica.

Sr. D’Aqui, você retornou há algumas semanas de Burkina Faso, onde visitou diversos projetos apoiados pela ACN. Na noite de domingo 13 de agosto, 17 pessoas foram mortas em um ataque a um restaurante na capital Ouagadougou. Já se sabe quem estava por trás do ataque, os parceiros dos projetos da ACN no país comentaram sobre isso?

É trágico ver o país assaltado novamente pela catástrofe do terrorismo, uma praga que é tão difícil de erradicar. Até agora, não temos notícias de um grupo específico que tenha reivindicado a responsabilidade pelo ataque. O presidente da conferência episcopal, o arcebispo D. Paul Ouedraogo, fez uma declaração oficial deplorando o ataque e afirmando que “nenhum credo pode justificar a violência e ainda menos invocar a sua fé para perpetrá-la”. Os bispos pediram orações pela unidade nacional e pelo trabalho da paz.

Pois apesar de ter havido poucos incidentes de violência islâmica até agora, esta não é a primeira vez que o país foi alvo de jihadistas: apenas no ano passado – em 16 de janeiro de 2016 – 30 pessoas foram mortas em um ataque terrorista islâmico num restaurante e hotel, novamente na capital Ouagadougou. Você ficou preocupado quando visitou o país?

Eu já havia estado lá em 2008 e percebi o aumento das medidas de segurança, especialmente para as pessoas que viajavam. O ataque terrorista de 2016, atribuído à organização terrorista Al Qaeda no Magrebe Islâmico (AQMI), se destinava, acima de tudo, a um ataque contra estrangeiros – o hotel e o restaurante alvo eram conhecidos pela sua clientela internacional. Desta vez, também pensou-se que os terroristas na última segunda-feira estavam tentando ganhar atenção internacional, já que muitos dos mortos eram novamente estrangeiros … Durante a nossa recente visita, também estivemos em algumas áreas de alto risco como Djibasso e Dori, no fronteira com Mali e Níger; havia muitos pontos de controle ao longo da estrada. Posso imaginar que a segurança será ainda mais aumentada, embora eles saibam que, no final, os terroristas podem ser seu vizinho, ou algum outro indivíduo ao lado de você, que foi se radicalizando silenciosamente. É um fato muito triste. As pessoas têm que se unir contra a radicalização. No entanto, não acredito que esses terríveis acontecimentos tenham mudado as boas relações entre cristãos locais e muçulmanos. A reação geral dos muçulmanos locais a esses atos de violência é uma rejeição ao radicalismo.

Como a comunidade cristã reagiu? Houve mudança na situação em geral após esse último ataque?

Fiquei impressionado com as palavras do bispo auxiliar D. Leopold Ouedraogo de Ouagadougou, que falou na terça-feira 15 de agosto – dois dias após o ataque – durante a celebração da Assunção em Yagma, o maior santuário mariano do país. Milhares de pessoas se reuniram lá para celebrar sua fé, seguindo o trágico ataque. O bispo Leopold expressou sua alegria ao ver que tantas pessoas não temiam “aqueles que podem matar o corpo, mas quem não pode matar a alma” e ele declarou: “Algumas pessoas podem pensar que os eventos mais recentes de 13 de agosto poderiam nos ter desencorajado, mas estamos aqui porque “se o Senhor não constrói a casa, em vão os construtores trabalham”. E se o Senhor está conosco, não precisamos de ter medo. Para as famílias das vítimas enviamos uma mensagem de compaixão e simpatia. Nós sofremos com eles e esperamos que, através de nossas orações, o Senhor, que é um juiz justo, os levará ao seu Reino eterno, porque eles não mereceram isso”.

Burkina Faso é um país em grande parte desconhecido para muitos ocidentais. Como você descreveria o país em geral?

Eu tenho que dizer que Burkina Faso é um país cujo povo é muito pacífico, trabalhador e muito acolhedor. Embora ao mesmo tempo seja um país da África Ocidental lutando contra enormes desafios – pobreza, falta de água e falta de infraestrutura, entre os mais visíveis. De acordo com as estatísticas da ONU, é um dos países mais pobres do mundo com um índice extremamente baixo de desenvolvimento humano, o que se traduz em baixa expectativa de vida e baixo nível de escolaridade formal.

62% dos habitantes de Burkina Faso são muçulmanos. Você mencionou que geralmente existe um espírito de coexistência pacífica. No entanto, você também falou do perigo de radicalização. Há vestígios de radicalização islâmica que sejam visíveis no país, e há uma diferença entre o Norte e o Ocidente?

Eu diria que, ao invés de radicalização, o que realmente está ocorrendo é um lento processo de arabização (que é uma tendência geral) entre as novas gerações. Existem muitas oportunidades oferecidas pelos países da Península Arábica, sobretudo para países pobres como o Burkina, nomeadamente sob a forma de bolsas de estudos ou de trabalho. Em um país em que aprox. 60% da população é muçulmana, a influência dos países islâmicos é considerável. Existem ONGs aqui do Catar, do Kuwait e de outros países da região que visam, como já ouvi, avançar no desenvolvimento social, mas que, juntamente com sua ajuda social, estão exportando sua própria ideologia e sua própria interpretação do Alcorão. Eles estão preparados para financiar poços de água, construir mesquitas e ajudar os pobres, mas concentram sua ajuda exclusivamente em muçulmanos. Na parte ocidental de Burkina, há mais cristãos, mas no Norte não são mais do que cerca de 1% da população – embora a comunidade católica esteja muito presente no campo da saúde e educação, graças às várias congregações religiosas que estão trabalhando aqui, proporcionando um serviço para toda a sociedade e não apenas para os cristãos.

Em 2014 e 2015, a vida política e social de Burkina Faso foi marcada por uma profunda turbulência política. Houve grandes tensões, após a derrubada do presidente Blaise Compaoré, que havia governado o país por 27 anos e levando à eleição do novo presidente Kaboré. A situação no país finalmente se estabilizou?

No final de 2015, o presidente Kaboré assumiu o cargo, após uma época de grande turbulência. É verdade que ainda há muitas expectativas por parte das pessoas, que saíram nas ruas para exigir mudanças na política nacional – mudanças que ainda não foram cumpridas -, mas, por enquanto, não estamos mais a ver manifestações nas ruas. Espero que a democracia cause um reavivamento da vida do país e, a este respeito, acredito que os cristãos possam contribuir positivamente, com base no ensino social da Igreja, o que seria de grande benefício para todos. É claro que devemos ter em conta o fato de que o recente ataque terrorista também é um fator desestabilizador para a vida política e econômica do país.

No Burkina como um todo, cerca de 23% são cristãos e 19% são católicos. Como é vista a Igreja Católica no país?

Como mencionei de passagem, a Igreja está fazendo um trabalho incrível e é óbvio que ele beneficia todas as pessoas. Eu mesmo vi como nos centros de saúde eles estão cuidando de pessoas de diferentes religiões que procuram uma melhor qualidade de atendimento e uma atitude mais “humana” – algo que muitos dos centros de saúde estatais não podem oferecer. Mas, igualmente, no campo da educação, a presença da Igreja em muitos lugares é muito importante. Mesmo no norte, onde os católicos não representam mais de 1%, a Igreja mantém importantes centros educacionais para crianças, com atenção especial para os mais pobres e para as meninas.

Por que para as meninas?

Infelizmente, neste país ainda existe a prática de se casar com garotas em uma idade muito jovem e de violência contra as mulheres. Lidar com este problema é uma questão de educação. Por esta razão, em muitos lugares, a Igreja está tentando proteger as jovens, oferecendo-lhes a oportunidade de estudar numa situação de internato. A Igreja Católica em Burkina Faso se esforça para atrair a atenção da sociedade para a condição da mulher.

Mas no norte do país, os muçulmanos compõem quase uma maioria total. Como foi o seu encontro com a minoria católica lá no norte? O que mais o impressionou sobre isso?

As reuniões que tivemos com pessoas na diocese de Dori – na fronteira entre Mali e Níger – foram maravilhosas. Que alegria e quanta fé no meio do deserto! Após a missa dominical na catedral todos nós dançamos – bispos e fiéis – para agradecer a Deus pelas vocações sacerdotais, que estão em ascensão. Esta é uma área em que os apoiamos há anos, nesta nova diocese onde os católicos são minoria. Que alegria de saber que este ano eles tiveram quatro ordenações sacerdotais! Quão ativos são os fiéis! A população católica está muito dispersa em todo o território e muitas vezes um pouco isolada do resto do país, mas tem um poderoso espírito de serviço e um desejo de ajudar a toda a sociedade. O bispo é o presidente da União dos Crentes, uma organização que inclui muçulmanos, animistas e cristãos e que busca realizar projetos inter-religiosos de desenvolvimento social.

Qual foi o momento mais bonito da visita para você pessoalmente?

Experimentei muitos momentos de grandes emoções, mas para citar apenas um, na diocese de Tenkodogo, fiquei impressionado ao ver o impacto da construção de pequenas capelas nas aldeias. Visitamos duas comunidades onde a ACN ajudou a construir as capelas da pequena aldeia. Foi muito bonito. Na primeira, assistimos à missa às 6h e havia, apesar do horário, cerca de 200 pessoas – de todas as idades. Nós testemunhamos o batismo da pequena Juliette, um bebê de seis semanas de idade. Na outra aldeia, testemunhei que cerca de cem pessoas estavam trabalhando num campo ao lado da igreja, que ainda está em construção. Perguntei ao bispo o que todas as pessoas estavam fazendo e ele me disse: “Esse campo pertence ao nosso catequista; as pessoas gostam tanto dele que estão se juntando para ajudar a preparar o campo para a semeadura”. Eles estavam cavando o chão com enxadas e trabalhavam cantando com grande alegria. Depois, o chefe da aldeia também chegou; embora ele não seja católico, ele vai ali todos os dias para ver como está funcionando a construção da igreja, porque “quando a Igreja vem aqui, o desenvolvimento também chega para as pessoas”. Em ambas as comunidades, antes de terem suas pequenas capelas, as pessoas tinham que caminhar muitos quilômetros a pé para participar da Santa Missa.

Qual é o trabalho da ACN no Burkina Faso? Como está apoiando a Igreja Católica no país?

Nós, na ACN, compartilhamos quatro grandes áreas de preocupação com a Igreja no Burkina Faso – o apostolado familiar, a formação dos formadores, a vida de oração e contemplação e o apoio às congregações religiosas. Deixe-me explicar: o apostolado familiar porque, num país pobre como este, o que tantas organizações internacionais estão tentando fazer é impor sua própria forma de pensar, o que, muitas vezes, é contrário à cultura da vida. Para nós é importante formar famílias de acordo com o Evangelho – abertas à vida, responsáveis pela educação de seus filhos e um ambiente onde os jovens possam aprender o verdadeiro significado e o contexto da sexualidade.

Ao mesmo tempo, a presença dos sacerdotes e dos religiosos entre as pessoas é um tesouro precioso, e por isso nos esforçamos para ajudá-los a adquirir uma sólida formação, para que possam desempenhar bem o seu ministério. Além disso, não podemos esquecer que, no meio de tanta pobreza, também é necessário criar espaços de oração, ou simplesmente de descanso espiritual, onde as pessoas e os missionários podem ter a oportunidade de “recarregar suas baterias espirituais” para seus deveres do dia-a-dia.

Devo também acrescentar que encontramos em Burkina Faso com uma grande gratidão, onde quer que fôssemos – gratidão que quero transmitir a todos os nossos benfeitores. Um incidente bastante emocionante foi quando as comunidades da diocese de Tenkodogo nos fizeram um presente de dez galinhas, como uma forma de dizer “obrigado” aos nossos benfeitores. Infelizmente, não foi possível trazê-las no avião, para que eu as pudesse ter comigo aqui no escritório!

Leave A Comment