//Boletim Janeiro 2015

Boletim Janeiro 2015

2015-08-28T12:59:07+00:00janeiro 26th, 2015|Boletim|

“Não podemos considerar as divisões na Igreja como um fenômeno de certo modo natural, inevitável em toda forma de vida associativa. As nossas divisões ferem o corpo de Cristo, ferem o testemunho que somos chamados a prestar-lhe no mundo.” Papa Francisco, na conclusão da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, em janeiro de 2014.

“Ut omnes unum sint!”. Esta oração de Jesus ao Pai, “a fim de que todos sejam um!”, é decerto o mais belo e mais importante propósito que podemos fazer no início do novo ano. Diante das crescentes divisões dentro de nossas famílias, na sociedade, na política e nas culturas e, não por último, entre as religiões, o que almejamos mais do que nunca é a unidade e a paz. No entanto, apesar da globalização, estamos testemunhando uma divisão cada vez mais profunda entre os povos e as religiões. Guerras e terror rasgam abismos de ódio que parecem ser intransponíveis. Diante disso, será que é possível um movimento ecumênico mundial, capaz de reunir todos os habitantes da terra em unidade? Humanamente falando, é impossível; mas Deus é capaz de realizá-lo! A unidade é um dom “do alto” e o melhor fruto do amor, que vem somente de Deus.

Sobretudo para os cristãos de diversas denominações, o primeiro e maior mandamento é o amor que gera a unidade. No entanto, embora confessemos juntos a cruz e a salvação através de Jesus Cristo, estamos separados por muitas convicções teológicas. A separação dentro do cristianismo é uma ferida profunda que contradiz a verdade a ser anunciada ao mundo. Como podemos conduzir os outros à paz, se nós mesmos estamos divididos entre nós? Ecumenismo cristão não significa que as diversas denominações apenas se reconheçam e tolerem entre si. O verdadeiro ecumenismo deve ter como meta a plena unidade visível, caso contrário é uma traição à cruz de Cristo. A oração de Jesus ao Pai “Ut omnes unum sint!” não é uma esperança que só deverá se cumprir na “Jerusalém celeste”. Ao contrário: o pedido de Jesus pela unidade vale para todos os povos, agora e hoje. Jesus deu a sua vida na cruz também por esta unidade universal!

O verdadeiro ecumenismo começa quando nos orientamos para a cruz e estamos dispostos à reconciliação. Assim o diálogo ecumênico mais profundo já atingiu a sua meta. Nesse sentido o Papa são João Paulo II escreveu: “O testemunho [dos mártires] dado por Cristo até ao derramamento do sangue, tornou-se patrimônio comum de católicos, ortodoxos, anglicanos e protestantes. (…) O ecumenismo dos santos, dos mártires, é talvez o mais persuasivo. A communio sanctorum [comunhão dos santos] fala com voz mais alta que os fatores de divisão.”

Caros amigos, que a intenção da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, celebrada no Hemisfério Norte no mês de janeiro, nos acompanhe o ano todo, de modo que nosso amor a Deus e entre nós cresça dia após dia. Ofereçamos este esforço ecumênico a Maria, que Deus nos deu como Mãe da Unidade. Pois assim como não pode haver família sem mãe, assim também a coexistência pacífica entre os povos e as religiões, sem Maria, não é possível.

Abençoa-os com gratidão,

Pe. Martin Maria Barta
Assistente eclesiástico

 

Este é apenas o editorial do Boletim do mês.

Você pode baixar o boletim na íntegra nas informações adicionais abaixo

 

Leave A Comment

A ACN está na Copa do Mundo. Ajude-nos a ganhar!