Quarta, 07 Dezembro 2016 17:07

A trajetória de uma familia síria

A família de Hani Anton, de 48 anos de idade, possui 5 membros: ele, sua esposa Mary de 42 anos e 3 filhos. O mais velho é o Georgio com 20 anos; a filha do meio é a Joelle, que aos 17 anos está completando seus estudos após interrupção de um ano pelo início da crise; e o caçula é o Johnny de 13 anos, que também ficou fora da escola por um ano por questão médica (passou por três operações por mal formação congênita e obstrução dos ureteres e intentino) e agora termina a escola secundária.

Publicado em Notícias
Terça, 27 Setembro 2016 15:20

Síria: "Nós nunca estamos seguros"

Padre Andrzej Halemba, chefe do departamento dos projetos no Oriente Médio da Fundação Pontifícia ACN (Ajuda à Igreja que Sofre), acaba de voltar da Síria. Numa entrevista à ACN, ele fala sobre a atual situação do país, ainda em guerra.

Publicado em Notícias
Quarta, 19 Outubro 2016 16:23

"Revolução contra violência"

Padre Jacques Mourad, um monge sírio que foi mantido em cativeiro pelo grupo Estado Islâmico (EI) por 5 meses, ainda clama por diálogo.

Publicado em Notícias

A ACN - Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre - apresentou um livro em Roma para comemorar a vida do padre Ragheed Ganni, 10 anos depois de seu assassinato. Dez anos após a morte do padre Ragheed Ganni, sacerdote iraquiano assassinado em Mosul em 3 de junho de 2007, a ACN apresentou um livro sobre sua vida, escrito por outro sacerdote e seu amigo, o padre católico Rebwar Audish Basa. O lançamento do livro em sua homenagem ocorreu nos escritórios da seção italiana da ACN em Roma (Piazza San Calisto 16) no dia 1º de junho.

Publicado em Notícias

Nesta quarta-feira, 19 de outubro, após dois anos da invasão da planície de Nínive, no Iraque, tomada pelo grupo Estado Islâmico (EI), o presidente executivo da Fundação Pontifícia ACN (Ajuda à Igreja que Sofre), Johannes Heeremann, informou a libertação da cidade de Qaraqosh, realizada pelas forças armadas locais na região. “Qaraqosh está livre. E aparentemente parte das comunidades vizinhas de Bartella e Karamlesh também foram libertadas”, disse Heeremann, após receber um comunicado emitido pela organização CAPNI (Christian Aid Program Nohadra - Iraq), que informava que os combatentes do EI deixaram o local sem qualquer resistência.

Publicado em Notícias
Quarta, 18 Janeiro 2017 09:15

Igreja era campo de tiro

"Eu não entendo como as pessoas podem prejudicar tanto umas às outras", lamenta o guarda de segurança Louis Petrus. Hoje, Louis volta para sua cidade natal pela primeira vez: a cidade cristã de Qaraqosh, perto de Mossul, de onde ele teve que fugir em 6 de agosto de 2014, quando o grupo autodenominado Estado Islâmico (EI) ocupou a cidade. "Olhe para a minha casa: ela está quebrada, a maior parte das coisas foram roubadas e os movéis todos danificados. Outros moradores de Qaraqosh tinham me avisado sobre o que eu iria encontrar na cidade. Eu tinha ouvido histórias e visto fotos da destruição causada pelos jihadistas. Agora que estou aqui, vendo a cidade com meus próprios olhos, não sei o que sentir. Os terroristas do EI destruíram meus bens, mas eu ainda estou em situação melhor considerando os meus vizinhos: muitas casas foram queimadas ou completamente destruídas. Eu fui abençoado".

Publicado em Notícias
Sexta, 18 Novembro 2016 14:50

“Nós mataremos todos vocês”

Várias fotos enviadas pelo Padre Stephan Rasche – contato de projeto da Arquidiocese Católica Caldeia de Erbil, auxiliado pela ACN (Ajuda à Igreja que Sofre) – documentam a presença de extremistas europeus entre os combatentes do grupo autodenominado Estado Islâmico (EI). As fotografias, tiradas em Batnaya, pequena cidade da Planície de Nínive, a 15km de Mossul, mostram um grafite escrito em alemão. Segundo o Pe. Steven, sacerdote que atuava na região em agosto de 2014, 850 famílias cristãs viviam ali quando a região foi dominada pelos terroristas.

Publicado em Notícias

Dois atentados terroristas no Domingo de Ramos provocaram ao menos quarenta e quatro mortos e mais de uma centena de feridos entre a comunidade cristã copta do Egito.

Publicado em Notícias
Segunda, 12 Dezembro 2016 14:53

Iraque: “Nós ainda temos medo”

Durante visita à sede da Fundação Pontifícia ACN (Ajuda à Igreja que Sofre), o arcebispo católico sírio de Mossul, Yohanna Petros Mouche, declarou que os cristãos ainda temem retornar aos seus locais de origem, apesar da liberação da planície de Nínive. Ele disse que “não está claro” quem garantirá a segurança nas aldeias já liberadas e falou que se sente “traído” pelo governo.

Publicado em Notícias

Os cristãos de Erbil provavelmente não conseguirão retornar aos seus povoados na planície de Nínive até o verão de 2017 (do hemisfério norte). Embora as operações militares tenham protegido amplamente a área, atiradores de tocaia e minas terrestres ainda permanecem ali. Desse modo, até que Mossul não seja definitivamente liberada, não é seguro o bastante para que os cristãos retornem. Outra condição fundamental para as famílias é a reconstrução dos povoados, sobretudo no rigoroso inverno, como sinalizou o Arcebispo de Erbil, Dom Bashar Warda.

Publicado em Notícias
Página 1 de 2