14 membros da ACN – Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre, incluindo diretores e membros do departamento de comunicação de diversos escritórios nacionais, viajaram em março para os estados de Borno, Jos e Kaduna, no norte da Nigéria em busca de informações sobre a situação dos cristãos na região e também em solidariedade a eles, em razão das tensões e violência dessa parte do país de maioria muçulmana.

É início de janeiro de 2015: Por toda parte os meios de comunicação divulgam caricaturas de Maomé copiadas da revista satírica francesa "Charlie Hebdo". A partir disso, a tensão tem aumentando no Níger. Em 16 e 17 de janeiro deste mesmo ano, manifestantes muçulmanos furiosos começam a atacar igrejas e escolas, conventos e casas religiosas e também cristãos pelas ruas. Zinder e Niamey são as regiões mais afetadas. Os incêndios também estão ocorrendo em Maradi e em outras regiões. Nós – religiosas católicas no Níger desde 2006 – nos preparamos para o pior.

Terça, 11 Abril 2017 09:44

Egito: "Rezem pelas famílias afetadas"

Escrito por

O bispo católico copta de Assiut, no Egito, Dom Kyrillos William pediu aos fiéis cristãos em todo o mundo que orem pelas vítimas e pelas famílias das vítimas dos atentados suicidas contra duas igrejas coptas ortodoxas nas cidades de Tanta e Alexandria no Domingo de Ramos, 9 de abril, que custou a vida de pelo menos 44 pessoas e deixou mais 120 feridos. O bispo acrescentou que ele próprio recebeu numerosas mensagens de todo o mundo, após os ataques, prometendo orações e solidariedade por ele e por todos os cristãos do Egito. "A oração é a coisa mais importante que podemos pedir neste momento", disse à Fundação Pontifícia ACN – Ajuda à Igreja que Sofre.

Segunda, 10 Abril 2017 15:24

Dois atentados terroristas aos coptas do Egito

Escrito por

Dois atentados terroristas no Domingo de Ramos provocaram ao menos quarenta e quatro mortos e mais de uma centena de feridos entre a comunidade cristã copta do Egito.

Quarta, 05 Abril 2017 14:50

Perseguição de cristãos na Coreia do Norte

Escrito por

Como se sabe, faz mais de 60 anos que, a “terra do amanhecer tranquilo” está dividida em dois por uma guerra fratricida e especialmente selvagem. Pude viajar à Coreia do Norte e, apesar da vigilância constante da polícia, foi possível verificar a veracidade de algumas informações e ter contato com numerosos testemunhos de refugiados norte-coreanos.

Página 7 de 108