Na noite do dia 6 de agosto de 2014, o grupo autodenominado Estado Islâmico (EI) ocupou as regiões históricas da Planície de Nínive, no Iraque, e expulsou seus habitantes – os cristãos – dali, ocasionando uma grande fuga para a região do Curdistão. Muitos foram pegos durante a fuga, alguns conseguiram fugir mais tarde, mas foram centenas que acabaram presos na região dominada pelo EI e, desde então, nada mais se sabe deles. Khouder Ezzo, sua esposa Aida Hanna e sua filha Cristina, que na época tinha 3 anos, estão entre os que permaneceram na região ocupada pelo EI.

Publicado em Notícias
Quinta, 09 Março 2017 13:56

Projeto 'Gota de leite'

Após a liberação do leste de Alepo, há um início de paz na cidade e as pessoas já estão voltando para casa. A destruição e o impacto da infraestrutura é enorme e as necessidades imensas: falta alimento, combustível para aquecer as casas... A ACN – Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre, que tem auxiliado os cristãos na Síria desde o início da guerra, recebeu um pedido de projeto urgente em Alepo: as crianças precisam de leite.

Publicado em Projetos

Cristina, a menina cristã iraquiana de três anos sequestrada em Qaraqosh quando a região foi tomada pelos terroristas, foi recentemente libertada e devolvida à família, quase três anos depois.

Publicado em Notícias
Segunda, 10 Julho 2017 14:07

Seis meses de uma tensa paz em Alepo

As tropas aliadas do presidente Bashar Al Assad, finalmente, assumiram o controle da cidade de Alepo, no final de dezembro de 2016. Isso ocorreu apenas seis meses depois de ter cessado o bombardeio da grande cidade no norte da Síria, a maior do país. Era um polo industrial que tinha mais de 2 milhões de habitantes. "Já não há bombas caindo e temos segurança nas ruas", disse D. Antoine Audo, bispo católico caldeu de Alepo e presidente da Cáritas Síria para a delegação da ACN - Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre - que está visitando os projetos na cidade. "Mas a situação não vai mudar muito, infelizmente. A guerra vai continuar, a Síria parece estar dividida como aconteceu com o Iraque".

Publicado em Notícias

A Sat7, criada há dezesseis anos, é mantida pela ACN – Ajuda à Igreja que Sofre

Publicado em Projetos

A ACN – Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre – e o Comitê de Reconstrução de Nínive acabou de reformar as primeiras 17 casas de Bartella (Iraque) uma aldeia cristã da Planície de Nínive. As famílias que voltaram para casa estão dizendo: "Nossa vida e nossa história estão aqui. É aqui que queremos viver".

Publicado em Notícias
Segunda, 06 Novembro 2017 14:48

Um carro para o ministério pastoral em Alepo

A igreja católica latina de Nossa Senhora do Anunciação está situada no coração de um dos distritos de Alepo, que foi a cidade mais devastada durante a recente guerra civil na Síria. A própria igreja foi destruída e repetidamente saqueada.

Publicado em Projetos
Sexta, 10 Março 2017 16:50

6 anos de guerra na Síria

Uma mulher chora. Coberta com véu onde está escrito em árabe “Síria”. Grávida, a mulher derrama lágrimas sobre seu ventre onde estão dois bebezinhos lutando. A mãe levanta um punhal com suas mãos ameaçando de morte os frutos do próprio ventre. Esse é um dos inúmeros desenhos enviados de Alepo e de outras cidades na Síria à ACN – Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre. As cenas desenhadas pelas crianças são sobre bombardeios, morte, choro, casas destruídas, armas, fogo e guerra, e revelam o profundo sofrimento que têm passado nos últimos seis anos. Em um outro desenho, um homem com uma mala está chorando. Sua mulher com lágrimas nos olhos se despede dele. Ela usa um vestido rosa com corações.

Publicado em Notícias
Quinta, 06 Julho 2017 14:11

Cristãos estão retornando para Alepo

O padre franciscano Ibrahim Alsabagh informa que 15 famílias católicas, que emigraram, já retornaram para a Alepo e muitas outras têm esperança de poder fazer o mesmo.

Publicado em Notícias
Sexta, 05 Maio 2017 16:59

Liberdade crucificada!

Como eu - feito refém por um grupo de jihadistas, preso por quase cinco meses, frequentemente ameaçado de decapitação, e depois de testemunhar o sequestro e prisão de 250 dos meus paroquianos - como eu podia responder à minha liberação? Havia algum espaço para o amor nesta experiência?

Publicado em Notícias
Página 1 de 4