Quarta, 19 Outubro 2016 16:23

"Revolução contra violência"

Padre Jacques Mourad, um monge sírio que foi mantido em cativeiro pelo grupo Estado Islâmico (EI) por 5 meses, ainda clama por diálogo.

Publicado em Notícias
Quarta, 18 Janeiro 2017 09:15

Igreja era campo de tiro

"Eu não entendo como as pessoas podem prejudicar tanto umas às outras", lamenta o guarda de segurança Louis Petrus. Hoje, Louis volta para sua cidade natal pela primeira vez: a cidade cristã de Qaraqosh, perto de Mossul, de onde ele teve que fugir em 6 de agosto de 2014, quando o grupo autodenominado Estado Islâmico (EI) ocupou a cidade. "Olhe para a minha casa: ela está quebrada, a maior parte das coisas foram roubadas e os movéis todos danificados. Outros moradores de Qaraqosh tinham me avisado sobre o que eu iria encontrar na cidade. Eu tinha ouvido histórias e visto fotos da destruição causada pelos jihadistas. Agora que estou aqui, vendo a cidade com meus próprios olhos, não sei o que sentir. Os terroristas do EI destruíram meus bens, mas eu ainda estou em situação melhor considerando os meus vizinhos: muitas casas foram queimadas ou completamente destruídas. Eu fui abençoado".

Publicado em Notícias
Segunda, 12 Dezembro 2016 14:53

Iraque: “Nós ainda temos medo”

Durante visita à sede da Fundação Pontifícia ACN (Ajuda à Igreja que Sofre), o arcebispo católico sírio de Mossul, Yohanna Petros Mouche, declarou que os cristãos ainda temem retornar aos seus locais de origem, apesar da liberação da planície de Nínive. Ele disse que “não está claro” quem garantirá a segurança nas aldeias já liberadas e falou que se sente “traído” pelo governo.

Publicado em Notícias
Sexta, 18 Novembro 2016 14:50

“Nós mataremos todos vocês”

Várias fotos enviadas pelo Padre Stephan Rasche – contato de projeto da Arquidiocese Católica Caldeia de Erbil, auxiliado pela ACN (Ajuda à Igreja que Sofre) – documentam a presença de extremistas europeus entre os combatentes do grupo autodenominado Estado Islâmico (EI). As fotografias, tiradas em Batnaya, pequena cidade da Planície de Nínive, a 15km de Mossul, mostram um grafite escrito em alemão. Segundo o Pe. Steven, sacerdote que atuava na região em agosto de 2014, 850 famílias cristãs viviam ali quando a região foi dominada pelos terroristas.

Publicado em Notícias
Terça, 07 Fevereiro 2017 12:12

Um "Plano Marshall" para Nínive

"A esperança está voltando para a Planície de Nínive", relata o especialista em Oriente Médio de uma instituição de caridade católica após retornar de uma missão de averiguação em aldeias cristãs iraquianas libertadas em novembro do grupo autodenominado Estado Islâmico (EI). O padre Andrzej Halemba, diretor de projetos do Oriente Médio da ACN (Ajuda à Igreja que Sofre), afirmou que "apesar das muitas questões urgentes que precisam ser esclarecidas, as pessoas estão dispostas a voltar para suas aldeias". Quando perguntado sobre a natureza dessas "questões urgentes", o Pe. Halemba refere-se à apropriação ilegal das casas abandonadas, à investigação do suposto uso de armas químicas na destruição de casas cristãs e, para as famílias cristãs que desejam ir para casa, ao medo da violência por parte dos militantes e fundamentalistas que não desejam que os cristãos retornem.

Publicado em Notícias
Quarta, 07 Dezembro 2016 17:07

A trajetória de uma familia síria

A família de Hani Anton, de 48 anos de idade, possui 5 membros: ele, sua esposa Mary de 42 anos e 3 filhos. O mais velho é o Georgio com 20 anos; a filha do meio é a Joelle, que aos 17 anos está completando seus estudos após interrupção de um ano pelo início da crise; e o caçula é o Johnny de 13 anos, que também ficou fora da escola por um ano por questão médica (passou por três operações por mal formação congênita e obstrução dos ureteres e intentino) e agora termina a escola secundária.

Publicado em Notícias

Agora que Mossul foi liberada, poderão os cristãos retornar em breve para as suas casas? Segundo Dom Petros Mouche, arcebispo católico siríaco da segunda maior cidade do Iraque, ainda é muito cedo para isso, mas ele enfatizou a importância de aprender com os acontecimentos passados e da restruturação da paz.

Publicado em Notícias
Segunda, 12 Junho 2017 13:49

"Marawi está toda arruinada"

Entrevista de Jonathan Luciano, diretor nacional da ACN Filipinas, com o Bispo de Marawi, Edwin dela Peña, sobre a situação na Prelazia de Marawi, no sul das Filipinas, onde o grupo terrorista Maute atacou a cidade, matando cristãos e incendiando edifícios, incluindo a catedral de Nossa Senhora Auxiliadora. Até a finalização desta publicação, sabe-se que 104 pessoas foram mortas e mais de 12.500 famílias foram deslocadas de suas casas. O Pe. Chito Suganob, Vigário Geral da prelazia, foi sequestrado junto com outros funcionários da Catedral. A Conferência Episcopal das Filipinas confirmou a autenticidade do vídeo que circula no Facebook sobre o Pe. Chito Suganob desde o dia 30 de maio.

Publicado em Notícias
Terça, 11 Abril 2017 09:44

Egito: "Rezem pelas famílias afetadas"

O bispo católico copta de Assiut, no Egito, Dom Kyrillos William pediu aos fiéis cristãos em todo o mundo que orem pelas vítimas e pelas famílias das vítimas dos atentados suicidas contra duas igrejas coptas ortodoxas nas cidades de Tanta e Alexandria no Domingo de Ramos, 9 de abril, que custou a vida de pelo menos 44 pessoas e deixou mais 120 feridos. O bispo acrescentou que ele próprio recebeu numerosas mensagens de todo o mundo, após os ataques, prometendo orações e solidariedade por ele e por todos os cristãos do Egito. "A oração é a coisa mais importante que podemos pedir neste momento", disse à Fundação Pontifícia ACN – Ajuda à Igreja que Sofre.

Publicado em Notícias
Segunda, 10 Julho 2017 14:07

Seis meses de uma tensa paz em Alepo

As tropas aliadas do presidente Bashar Al Assad, finalmente, assumiram o controle da cidade de Alepo, no final de dezembro de 2016. Isso ocorreu apenas seis meses depois de ter cessado o bombardeio da grande cidade no norte da Síria, a maior do país. Era um polo industrial que tinha mais de 2 milhões de habitantes. "Já não há bombas caindo e temos segurança nas ruas", disse D. Antoine Audo, bispo católico caldeu de Alepo e presidente da Cáritas Síria para a delegação da ACN - Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre - que está visitando os projetos na cidade. "Mas a situação não vai mudar muito, infelizmente. A guerra vai continuar, a Síria parece estar dividida como aconteceu com o Iraque".

Publicado em Notícias
Página 1 de 2